Joelisia Feitosa: o sonho e a luta por justiça para os atingidos de um dos maiores crimes socioambientais do país

Natural de Juatuba (MG), Joelisia nasceu e cresceu na beira do Rio Paraopeba, onde pretendia desfrutar de sua aposentadoria depois de uma vida dedicada à militância e ao sindicalismo no serviço público. Quando esse momento chegou, ela viu a lama-rejeito da Mina Córrego do Feijão invadir o rio da sua infância e soterrar a região com incertezas, medos e inseguranças. “Ao invés de descansar, tive que arregaçar as mangas e voltar à luta ”.

“Foi nos tirado o direito à água limpa, o direito ao lazer, o direito à dignidade, mas nós aprendemos com a experiência do MAB que a justiça só vem através de muita luta e organização”, conta Joelisia. Hoje, ela é uma das lideranças do Vale do Rio Paraopeba que atuam ativamente na busca pela reparação integral dos direitos dos atingidos e pela recuperação econômica e ambiental do território.

Além das 270 mortes e da contaminação da água, do solo e do ar, o crime da Vale em Brumadinho alterou drasticamente a vida comum no Vale. A lama-rejeito destruiu a rotina de quem pescava ou plantava na beira do rio, de quem perdeu a casa, o trabalho, os vizinhos, de quem passou a ter medo da água que corre no quintal – os níveis de metais do rio são motivo de preocupação constante das autoridades sanitárias e de moradores.

Na luta contra todas essas violações, Joelisia afirma que a força coletiva do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) tem sido essencial para a conquista de direitos básicos de milhares de pessoas que hoje enfrentam uma multinacional com o poder da Vale na Justiça para tentar retomar sua vida com dignidade.

“O MAB fala minha língua, o MAB sente o que eu sinto, o MAB sofre e sente o que a população mais abandonada sente, o negro, o pobre, o índio, a mulher, os que não têm acesso à justiça. Por isso, eu visto a camisa do MAB e me enxergo dentro do MAB e vou sendo fortalecida e tentando fortalecer esse movimento”.

* Esse artigo faz parte de uma série de perfis de coordenadores do MAB produzidos em celebração aos 30 anos do Movimento.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 05/08/2021 por MAB PA

NOTA FETAGRI-PA | Ameaças não nos intimidam!

Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Pará denuncia ameaças e atentado sofridos pela vice-presidenta da organização e cobra apuração do caso por parte das organizações competentes.

| Publicado 13/07/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Organizações sociais protestam contra projeto de Rodoanel metropolitano em Belo Horizonte (MG)

MAB se posiciona contrário à obra que será executada com recursos provenientes de acordo feito entre o governo do estado e a mineradora Vale, como pagamento pelos danos decorrentes do crime de Brumadinho (MG). Movimento defende o investimento do recurso em obras sociais e moradia popular.

| Publicado 28/04/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Carta aberta de juristas brasileiros sobre o caso do rio Doce

MAB, em articulação com juristas, denuncia uma situação jurídica complexa na bacia atingida pelo crime em Mariana, onde violações de direitos permanecem