MULHERES ATINGIDAS POR BARRAGENS

Exposição Arpilleras: Atingidas em defesa da vida

Esta exposição de arpilleras traz uma seleção de peças têxteis sobre a luta das mulheres atingidas em defesa da vida, uma pequena mostra do nosso Acervo Digital Arpilleras.

Composto por quase 300 arpilleras, o Acervo Digital é resultado de um longo trabalho e produção coletiva das mulheres atingidas por barragens.

Em forma de arte e bordado, são histórias de vida, denúncia de violação de direitos e construção de lutas.


BORDANDO OS NOSSOS DIREITOS

As populações atingidas por barragens sofrem graves violações de direitos humanos. Nós, mulheres, somos impactadas de forma particularmente grave e enfrentamos maiores dificuldades para recompor nossos meios e modos de vida. Nossas necessidades não são consideradas. Através das nossas arpilleras registramos e denunciamos como temos vivido e enfrentado este padrão de violações.

TECENDO NOSSA ORGANIZAÇÃO

O Movimento dos Atingidos por Barragens tem uma longa história de resistência, lutas e conquistas. Desde o início, nós mulheres tivemos um papel ativo e importante nessa organização. Além de uma ferramenta de denúncia, As arpilleras são um convite e uma possibilidade de tecer a organização das mulheres.

COSTURANDO O PROJETO POPULAR

No MAB, junto com os movimentos que compõem a Plataforma Operária da Água e da Energia, uma articulação formada com organizações de trabalhadores e trabalhadoras das áreas de energia, educação e juventude, temos nos debruçado sobre a proposta de um projeto energético que coloca a energia a serviço do povo brasileiro, com soberania, distribuição de riqueza e controle popular.


MULHERES E ARPILLERAS

SOBRE AS MULHERES ATINGIDAS POR BARRAGENS

A experiência da realidade, e diversos estudos, provam que as mulheres, historicamente, são as grandes vítimas dentro da reprodução do modelo capitalista, patriarcal e machista, no qual estamos inseridos. Em nosso caso específico, de mulheres atingidas por barragens, temos um agravante, além de sofrer com as desigualdades de classe e nas relações de gênero, precisamos também enfrentar as violações de direitos causadas pelas construções de barragens. Essas violações foram confirmadas no relatório final do Conselho Nacional de Direitos Humanos, à época Conselho de Defesa e Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), em dezembro 2010, o qual destaca: “as mulheres são atingidas de forma particularmente grave e encontram maiores obstáculos para a recomposição de seus meios e modos de vida; […] elas, não tem, via de regra, sido consideradas em suas especificidades e dificuldades particulares”.

Desde o início, as mulheres tiveram um papel ativo e importante na construção do MAB em todas as regiões do Brasil, seja nas tarefas de liderar as lutas, seja nas tarefas organizativas na comunidade que fortaleciam o movimento garantindo a organicidade das atividades. Cada região traz suas particularidades, o importante é evidenciar que as mulheres atingidas sempre estiveram em busca de seus direitos. Com base nisso, a organização foi amadurecendo a necessidade da participação das mulheres nos espaços de decisão, construindo condições para acelerar processos de protagonismo feminino dentro do movimento. Entre 2007 e 2010, foram realizados diversos encontros com as mulheres de diferentes regiões com o objetivo de fomentar a participação e construir coletivamente um entendimento de como as barragens afetam a vida das mulheres. Com isso, sistematizamos as violações aos direitos das mulheres atingidas, nos seguintes eixos: Mundo do trabalho, Participação política, Relação com as empresas, Perdas dos laços comunitários, Direitos sexuais e reprodutivos, Acesso a políticas públicas.

 

 

CONHEÇA AS ARPILLERAS

As arpilleras fazem parte de uma técnica têxtil popular chilena, que incorpora elementos tridimensionais e retalhos de tecido aplicados sobre o suporte de juta, que, em espanhol é “arpillera”, daí o nome. Nos anos sombrios da repressão militar chilena, as arpilleras floriram os pátios, interiores das casas e igrejas da periferia de Santiago como forma de denúncia da violência estabelecida. Com temáticas que incluíam desde afazeres do cotidiano até gritos de luta e de luto, as peças ganharam o mundo – algumas continham, inclusive, fragmentos de roupas dos desaparecidos políticos costurados.

É com esse sentido político que mulheres atingidas por barragens no Brasil, por meio do contato com as mulheres organizadas no MAB, resgatam a técnica, visando, de forma artística, denunciar violações ambientais, sociais, econômicas e culturais que as atingem em consequência do modelo energético adotado no nosso país. Desde 2013, foram realizadas oficinas auto-organizadas onde são costurados coletivamente os testemunhos da realidade de mulheres atingidas em 19 estados. Para nós, do MAB, as arpilleras, além de uma ferramenta de denúncia, são um convite e uma possibilidade de tecer a organização das mulheres. É assim que as peças são costuradas, em cada ponto o anseio de que outro mundo é necessário e possível de ser tecido coletivamente.

SABER MAIS SOBRE ARPILLERAS

O filme “Arpilleras"

O Filme conta a história de dez mulheres atingidas por barragens das cinco regiões do Brasil que, por meio de uma técnica de bordado surgida no Chile durante a ditadura militar, costuraram seus relatos de dor, luta e superação frente às violações sofridas em suas vidas cotidianas. A costura, que sempre foi vista como tarefa do lar, transformou-se numa ferramenta poderosa de resistência, de denúncia e empoderamento feminino. Por meio desse “fio” condutor, cada mulher bordou sua história, singular e coletiva, na respectiva região do mapa do Brasil.

NOTÍCIAS

Mulheres do Xingu denunciam violência e impunidade de pastor

O ato marcou o Dia Internacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres

MAB lança acervo virtual das Arpilleras

Acervo do Movimento dos Atingidos por Barragens reúne trabalhos bordados de mulheres que transformam retalhos de tecidos em narrativas para expressar suas ideias, denunciar violações e anunciar proposições

O Rio (Tapajós) não está pra peixes. A história da luta de Joelma Oliveira na defesa da Amazônia

Moradora de Itaituba (PA), a militante do Movimento dos Atingidos por Barragens luta contra um modelo de desenvolvimento que, além de gerar diversos impactos ambientais e sociais para o Tapajós, aumenta os índices de violência contra as mulheres.

Encontro promove troca de experiências entre mulheres atingidas por barragens da região metropolitana de Belo Horizonte (MG)

Mais de quarenta atingidas estiveram em encontro online debatendo a luta e a mística das mulheres na organização popular