Impunidade em Minas Gerais e descaminhos da proteção ambiental

Relator especial da ONU sobre direitos humanos e substâncias tóxicas e rejeitos, Baskut Tuncak, disponibilizou seu relatório referente à visita ao Brasil realizado em 2019

O relator especial esteve em visita à Brumadinho e ouviu os relatos dos atingidos e atingidas sobre o crime. Além disso, o relator também participou de reunião na Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, onde ouviu o relato do MAB sobre os impactos dos resíduos dos rompimentos das Barragens do Fundão e do Córrego do Feijão na saúde das populações.

No relatório que trata de outros temas, como o uso de agrotóxicos, a indústria extrativista e as queimadas nas florestas, o relator apontou o retrocesso na proteção ambiental e dos direitos humanos nos últimos anos no Brasil, fazendo diversas recomendações e a instauração de uma investigação especial sobre a situação dos Direitos Humanos no Brasil, e com foco nos meio ambiente, saúde pública, segurança do trabalho e proteção a defensores de direitos humanos.

Brumadinho e Mariana

O relator apontou os impactos do rompimento nos âmbitos do trabalho, especialmente na violação do direito à segurança e saúde dos trabalhadores da mineração e outras atividades insalubres. O documento  ressaltou o impacto desproporcional às comunidades indígenas, quilombolas e populações mais pobres do impacto dos rejeitos nos casos de rompimentos de barragens.

Além do fato de nenhuma pessoa ter respondido criminalmente pelos rompimentos até hoje, o relatório aponta a necessidade de serem tomadas medidas mais efetivas no acesso à informação, responsabilização civil e remediação dos danos causados. O documento destaca a necessidade de tratar dos danos à saúde mental dos atingidos de Mariana e Brumadinho devido ao trauma apresentado. Mais ainda, a preocupação permanente com os efeitos a longo prazo da exposição dos atingidos aos elementos tóxicos do rejeito.

Baskut Tuncak durante visita a Brumadinho, em 2019. Foto: Coletivo de Comunicação MAB MG

Fundação Renova

O relator aponta as preocupações quanto ao papel da Fundação Renova na execução dos programas de reparação, diante da ineficácia das ações que vem sendo realizadas e do aparente uso da Fundação enquanto limitadora da responsabilidade das empresas causadoras, a Vale, BHP Billiton e sua joint-venture Samarco.

Recomendações aos Estados e às empresas

O MAB elogia as recomendações realizadas pelo Relator Especial, em especial às recomendações específicas realizadas aos casos de Mariana e Brumadinho, na identificação e implementação de reformas para garantir a responsabilização dos executivos das empresas , na reforma da estrutura de governança da Fundação Renova, removendo todas as influências que as empresas Vale, BHP e Samarco possam ter na fundação, e cooperação das empresas no acesso à informação dos estudos e pesquisas do impacto à saúde e meio ambiente que sejam elaborados pelas empresas, e devida cooperação judicial no processo de remediação.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 18/09/2020

Famílias atingidas pela barragem de Acauã (PB) conquistam terra para reassentamento após 18 anos de luta

Em conquista histórica famílias atingidas pela barragem de Acauã, na Paraíba, organizadas no MAB, conseguem terra para reassentamento após mais de 18 anos de luta. Cinco áreas rurais com cerca de 330 hectares serão destinadas ao reassentamento

| Publicado 29/09/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

MAB propõe programa social de renda para atingidos da bacia do rio Paraopeba, em MG

Programa garantirá a continuidade do pagamento mensal para os atingidos pelo crime da Vale (2019) pelos próximos cinco anos, e o aumento do critério ao longo da bacia, que hoje abarca só a população que mora na faixa de 1km do rio

| Publicado 05/10/2020 por Coletivo de Comunicação MAB

MAB lança Jornada de lutas para denunciar 5 anos de injustiça com atingidos pelo crime em Mariana (MG)

Do dia 5 de outubro ao dia 5 de novembro, atingidos seguem programação de lutas da jornada “Vale com a injustiça nas mãos: 5 anos sem reparação na bacia do Rio Doce”