Após ocupação na porta da Vale em Brumadinho, atingidos seguem em luta por reparação

Ação ocorreu para denunciar exclusão dos atingidos nas reuniões de negociação da empresa com órgãos públicos; após quatro horas esperando respostas na sede da empresa, Vale se negou a receber a pauta da população afetada pelo crime

Foto: Nívea Magno / Mídia Ninja

Na manhã desta quinta-feira (22), cerca de 150 atingidos da bacia do Paraopeba ocuparam a porta da sede administrativa da Vale na cidade de Brumadinho, em Minas Gerais.

Organizados no MAB, os atingidos dos municípios São Joaquim de Bicas, Betim, Mário Campos, Juatuba e Brumadinho reivindicavam uma resposta concreta sobre a reparação do crime, antes da realização de uma reunião a portas fechadas entre representantes da empresa, Defensoria Pública, Ministério Público Estadual (MPE) e governo do estado, que ocorreu durante a tarde.

Estiveram presentes: o presidente do Tribunal de Justiça, o procurador geral de Justiça, o advogado geral do Estado e o Defensor Público Geral.

A Audiência Extraordinária de Conciliação na 2ª Vara de Fazenda Pública e Autarquias foi chamada sem a participação de nenhum representante da população afetada pelo rompimento da barragem, o que revoltou os moradores das áreas atingidas. Após a luta na porta da empresa, o Ministério Público Federal emitiu nota afirmando que não participa das reuniões de negociação sem as assessorias técnicas e atingidos, em apoio ao movimento.

A próxima rodada de negociação vai acontecer em reunião no dia 17 de novembro, agora, com a perspectiva de participação dos atingidos.

A deputada estadual Beatriz Cerqueira e o deputado federal Rogério Correia enviaram uma nota para o procurador geral que está com o caso, na perspectiva de que o MPE intervenha com urgência afim de fiscalizar a negociação, conforme sua atribuição constitucional.

Segundo o governo mineiro, por meio da assessoria de imprensa, a proposta construída junto ao MP e defensoria tem o valor total de R$ 54,6 bilhões. O estado de Minas Gerais requer a indenização imediata de R$ 26,6 bilhões por conta de danos econômicos, que seria pago via custeio de projetos. Os outros R$ 28 bilhões são referentes a indenização por danos morais coletivos e danos sociais.

“Nós sabemos que todas as vezes que eles se reúnem a portas fechadas, e fazem alguma negociação entre eles, quem perde são os atingidos. Da última vez que fizeram isso, o auxílio emergencial foi cortado em 50%. Nós exigimos que as decisões que afetam a vida de milhares de pessoas sejam tomadas na presença de representantes dos atingidos”, afirma José Geraldo Martins, da coordenação estadual do MAB.

Além de tratar das indenizações individuais e do processo de reparação do crime, a reunião que ocorreu na tarde desta quinta-feira (22) tratou também do Auxílio Emergencial pago às famílias afetadas pelo crime.

Leia também: Vale propõe fim de auxílio emergencial para atingidos em Brumadinho

Soluções urgentes

Após mais de quatro horas em resistência no local, mesmo com intimidação da Polícia Militar, os atingidos encerraram a ocupação, mas permanecem em luta e resistência para que a justiça seja feita.

Foto: Nívea Magno / Mídia Ninja

Além da pressão sobre os valores destinados à reparação integral, que é de direito dos atingidos, também houve pedidos por água potável e de qualidade para a realização de tarefas domésticas e outros serviços, conforme acordado após o rompimento da barragem e prometido pela Vale. Outro ponto é que a empresa não corte o pagamento do auxílio emergencial, conforme está ameaçando fazer.

Programa Direito à Renda

O MAB propõe que seja implementado o Programa Direito à Renda, proposto pelo movimento, que garante aos atingidos o pagamento financeiro durante cinco anos para haja estabilidade a população, além de ampliar o benefício para mais pessoas, aquecendo assim a economia local.

De acordo com a proposta do MAB, o programa deve ser controlado pelo Estado, tirando das mãos da mineradora o poder de escolha sobre os pagamentos, evitando conflitos, já criados nos territórios. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 21/10/2020 por Brasil de Fato - MG

Vale propõe fim de Auxílio Emergencial para atingidos em Brumadinho (MG)

Audiências sobre o tema acontecem nos dias 22 e 23 de outubro. Pessoas atingidas já iniciaram protestos

| Publicado 10/11/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Minas Gerais

Abaixo-assinado pede participação de atingidos em acordo entre Vale e Estado sobre Brumadinho

Acordo está pronto para ser assinado no próximo dia 17 sem que os atingidos possam se pronunciar e participar da construção dos termos de reparação na bacia do Paraopeba

| Publicado 26/01/2021 por Claudia Rocha / Comunicação MAB

Marco dos dois anos do crime da Vale em Brumadinho tem atos simbólicos nas cidades da bacia do Paraopeba

Por conta da pandemia, ações foram realizadas com distanciamento social, em locais abertos e com os participantes de máscara