Vale propõe fim de Auxílio Emergencial para atingidos em Brumadinho (MG)

Audiências sobre o tema acontecem nos dias 22 e 23 de outubro. Pessoas atingidas já iniciaram protestos

O crime ambiental na região do Paraopeba, causado pelo rompimento da barragem de Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), completa um ano e nove meses, e o conflito entra em um novo patamar: a luta pela continuação dos auxílios emergenciais.

Na segunda-feira (19), atingidos de São Joaquim de Bicas (MG) realizaram um protesto para denunciar a falta de água e o fim do auxílio emergencial. A comunidade protestou com faixas.  Na quarta (21) pela manhã, foram os atingidos de Brumadinho que protestaram, entre as pautas também estava o fim do auxílio emergencial.

Desde fevereiro de 2019, a mineradora Vale S.A. foi obrigada pela Justiça a fazer um repasse mensal para os moradores da cidade de Brumadinho (MG) e para quem mora a até uma distância de 1 km da calha do Rio Paraopeba, de Brumadinho a Pompéu (MG). Agora, a empresa apresenta um plano para acabar com esse pagamento, que diminuiria gradualmente até abril de 2021.

As propostas estarão na mesa de negociação nos dias 22 e 23 de outubro em audiência de conciliação no Fórum em Belo Horizonte. Se não houver acordo, a decisão caberá ao Juiz Elton Pupo Nogueira.

A proposta da Vale

Segundo a Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social (Aedas), a Vale propõe pagar a última parcela em 25 de outubro para atingidos que, desde dezembro de 2019, já recebiam apenas 50% do auxílio.

Para os moradores dos bairros Córrego do Feijão, Parque da Cachoeira, Alberto Flores, Cantagalo, Pires, das margens do Córrego Ferro-Carvão e para pessoas que participam de programas de apoio desenvolvidos pela Vale, o auxílio seria reduzido gradualmente até abril de 2021, quando seria seu fim.

O plano para diminuir essa quantia seria o seguinte, ainda segundo informações da Aedas:

  • Quem recebe 50% terá sua última parcela em 25 de outubro.
  • A partir de novembro, durante quatro meses, quem hoje recebe 100%, passaria a receber 75%.
  • A partir de março de 2021, quem hoje recebe 100%, passaria a receber 50%.
  • Em abril de 2021, receberiam 25% de um salário, sendo essa a última parcela.

A Vale foi procurada pela reportagem, mas não respondeu até a publicação da matéria.

Instituições de Justiça elaboram contraproposta

Já a Defensoria Pública e o Ministério Público propõem a concessão de um auxílio econômico provisório para pessoas que tiveram abalo à renda e que possam realizar a comprovação.

A proposta é de: pagamento mensal de um salário mínimo para adultos; meio salário para adolescentes; um quarto de salário por criança e uma cesta básica por família.  Os atingidos devem comprovar perda econômica, aumento de despesas, desestruturação comunitária ou o comprometimento da atividade econômica.

“Essa proposta de suporte econômico provisório levou em conta os critérios apresentados pelas assessorias técnicas e foi construída junto com as pessoas atingidas. A proposta das ATIs foi também protocolada no processo na íntegra”, afirma nota da Aedas.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 22/10/2020 por Claudia Rocha / Comunicação MAB

Após ocupação na porta da Vale em Brumadinho, atingidos seguem em luta por reparação

Ação ocorreu para denunciar exclusão dos atingidos nas reuniões de negociação da empresa com órgãos públicos; após quatro horas esperando respostas na sede da empresa, Vale se negou a receber a pauta da população afetada pelo crime

| Publicado 10/11/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Minas Gerais

Abaixo-assinado pede participação de atingidos em acordo entre Vale e Estado sobre Brumadinho

Acordo está pronto para ser assinado no próximo dia 17 sem que os atingidos possam se pronunciar e participar da construção dos termos de reparação na bacia do Paraopeba

| Publicado 26/01/2021 por Claudia Rocha / Comunicação MAB

Marco dos dois anos do crime da Vale em Brumadinho tem atos simbólicos nas cidades da bacia do Paraopeba

Por conta da pandemia, ações foram realizadas com distanciamento social, em locais abertos e com os participantes de máscara