Abaixo-assinado pede participação de atingidos em acordo entre Vale e Estado sobre Brumadinho

Acordo está pronto para ser assinado no próximo dia 17 sem que os atingidos possam se pronunciar e participar da construção dos termos de reparação na bacia do Paraopeba

Foto: Nívea Magno

Com o pretexto de que a conciliação é a melhor e mais rápida forma para resolução do processo do crime da Vale em Brumadinho, um acordo está sendo construído sem a participação da população atingida.

O MAB denuncia que a agilidade, porém, atende somente aos objetivos do estado de Minas Gerais e da empresa Vale, sem que isso garanta os direitos dos atingidos, especialmente o direito à participação popular. 

Além de não assegurar a participação dos atingidos na construção dos pontos do acordo, os termos estabelecidos criam uma participação de fachada, onde os atingidos somente terão direito à opinião, depois que tudo já estiver decidido. 

Leia o abaixo-assinado:

Carta dos atingidos pelo crime da Vale na bacia do Paraopeba pelo direito à participação no acordo entre Estado

Às Instituições de Justiça e o Governo de Minas Gerais,

Os atingidos da bacia do rio Paraopeba foram surpreendidos no último dia 22 de outubro com a notícia de um acordo sobre parte dos danos decorrentes do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho. 

Assim como na bacia do rio Doce, novamente um acordo foi construído sem a participação da população atingida, sob o pretexto de que a conciliação é a melhor e mais rápida forma para resolução do processo.

Porém, denunciamos que a agilidade aqui atende somente aos objetivos do estado de Minas Gerais e da empresa Vale, sem que isso garanta os direitos dos atingidos, especialmente o direito à participação.

Além de não assegurar a participação dos atingidos na construção dos pontos do acordo, os termos estabelecidos criam uma participação de fachada, onde os atingidos e atingidas somente vão ter direito a opinião, depois que tudo já estiver decidido. 

Tal acordo, que certamente vem sendo construído nos últimos meses, justamente durante a pandemia que exigiu dos atingidos o necessário isolamento, e está pronto para ser assinado no dia 17 de novembro, demonstra que a participação e a transparência não são prioridades do Sistema de Justiça, do governo de Minas Gerais e da empresa Vale. 

Entendendo que os atingidos não serão beneficiados com um acordo, sem a necessária participação tanto nas cláusulas estabelecidas como no processo de governança a ser consolidado, denunciamos que o acordo que vem sendo elaborado é mais uma violação de direitos humanos dos atingidos, e exigimos que a continuidade das negociações somente seja feita quando garantidos os direitos mínimos para a população atingida, que são:   

1- Participação ampla e centralidade da vítima como pilares em todos os processos de negociação para construção da reparação integral pelos atingidos. Uma das grandes conquistas dos atingidos da bacia do Paraopeba foi a contratação das Assessorias Técnicas Independentes, que permitem aos atingidos e atingidas acesso a informação e estrutura para que todos participem do processo de maneira ampla e informada, com poder de decisão sobre as ações e programas de reparação. As medidas de reparação que estão sendo apontadas pelo acordo, ainda que não representem a totalidade de danos e ações de reparação, não refletem a necessidade dos atingidos e atingidas em termos de ações estruturantes para a bacia do rio Paraopeba. 

2 – Negociação somente com garantia de cumprimento das necessidades emergenciais: até o momento, diversas ações emergenciais não foram cumpridas, e os atingidos sofrem sem saber o parâmetro do novo emergencial, sem acesso a água e com controle da Vale sobre os territórios. Sabemos pela mídia que a negociação irá beneficiar a Vale que poderá lucrar de 60 a 90 bilhões com o acordo. Não é possível que tal acordo seja realizado com uma empresa que até agora não concretizou o mínimo, e sirva como incentivo para outras violações de direitos. Para que os atingidos continuem tendo condições de participar do processo de reparação integral, e para que a função punitiva da responsabilidade civil seja efetiva, qualquer acordo deverá definir antes as obrigações emergenciais a serem realizadas pela Vale, com a consolidação dos critérios do auxílio emergencial elaborados pelos atingidos com as assessorias técnicas, as demandas por água e criação do Programa Direito de Renda para garantir que os atingidos em situação de vulnerabilidade não vejam sua situação piorada. 

3 – Interrupção do PISMA enquanto metodologia de avaliação de risco à saúde humana. Um dos pontos trazidos pelo acordo é de que ele repactuará os acordos já realizados anteriormente, incluindo o que foi realizado pelo Ministério Público de Minas Gerais e a Vale que estabelecem o PISMA (Programa Integrado de Saúde e Meio Ambiente) como metodologia de avaliação de risco a saúde humana. A escolha de tal metodologia contraria a legislação brasileira e os parâmetros estabelecidos pelo Ministério da Saúde, e não trazem segurança para os atingidos sobre a real situação de contaminação do meio ambiente e da saúde dos atingidos, as empresas contratadas pelo Estado para realizar os estudos são prestadoras de serviços para a Vale S/A, o que traz desconfiança sobre qualquer resultado futuro.  


4 – Garantia de realização das ações de reparação pelo Estado ou por editais sem controle direto da Vale. Muitas das ações previstas têm a Vale como principal responsável pela execução das medidas. Mas, assim como vemos na Bacia do Rio Doce, a execução de obras e ações de reparação são conduzidos pela Vale sempre com mais violações de direitos. Esse é o caso atual do auxílio emergencial e do fornecimento de água. Assim, a execução das obras e ações previstas deve ser feita prioritariamente sem que a Vale e suas terceirizadas estejam nos territórios.  

Diante do exposto, as organizações e pessoas atingidas exigem a participação informada e efetiva, com o diálogo e o tempo necessário, para escuta e contribuição dos atingidos na formalização de um possível acordo entre o Governo do Estado de Minas Gerais e a empresa Vale S.A. 

Abaixo assinamos: Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB  

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 22/10/2020 por Claudia Rocha / Comunicação MAB

Após ocupação na porta da Vale em Brumadinho, atingidos seguem em luta por reparação

Ação ocorreu para denunciar exclusão dos atingidos nas reuniões de negociação da empresa com órgãos públicos; após quatro horas esperando respostas na sede da empresa, Vale se negou a receber a pauta da população afetada pelo crime

| Publicado 21/10/2020 por Brasil de Fato - MG

Vale propõe fim de Auxílio Emergencial para atingidos em Brumadinho (MG)

Audiências sobre o tema acontecem nos dias 22 e 23 de outubro. Pessoas atingidas já iniciaram protestos

| Publicado 03/12/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Minas Gerais

Atingidos lançam Jornada de Lutas para marcar dois anos do crime da Vale em Brumadinho

Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB organiza a “Jornada de Lutas: 2 anos do crime da Vale em Brumadinho – Justiça só com luta e organização” para marcar data de um dos maiores crimes socioambientais do mundo