Prepare o bolso e o voto: vem aí um “tarifaço” na conta de luz após as eleições

O Governo Bolsonaro deixou preparada uma armadilha que causará grandes aumentos a serem aplicados na conta de luz dos brasileiros logo após as eleições presidenciais: entenda em 5 pontos

Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

O brasileiro já paga mensalmente a segunda tarifa de energia mais cara do mundo, mas a situação vai piorar significativamente após as eleições. Apesar do baixo custo para se produzir hidroeletricidade no país, o governo Bolsonaro tem realizado uma série de manobras para garantir lucros abusivos para as empresas do setor elétrico através de aumentos exorbitantes que irão recair sobre o povo a partir de 2023.

A própria inflação irá causar ajustes impactantes na conta de luz. Hoje, as empresas de energia elétrica possuem quatro mecanismos para aumentar as tarifas (Revisão Periódica; Reajuste Anual; Revisão Extraordinária e Bandeiras Tarifárias). Só o IPCA nos últimos 12 meses (julho/2021-junho/2022) ficou em 11,3%. Esse é um dos ajustes que será aplicado no próximo ano. Além da inflação, porém, a tarifa de energia será afetada por diversas manobras do governo Bolsonaro que vão causar uma verdadeira explosão na tarifa de luz dos brasileiros.

Entenda em 5 pontos:

1 – Privatização da Eletrobras

A privatização da Eletrobras causará 25% de aumento médio nas contas de luz. No último mês de junho, o Governo Bolsonaro aprovou a venda da Eletrobras, que possuía 125 usinas com capacidade de 50.000 MW (91% hidráulica), 71.000 quilômetros de linhas de transmissão e 335 subestações de eletricidade operadas por 12.500 trabalhadores de alta qualidade e produtividade. Com isso, as usinas, que vendiam sua energia a R$ 65,00/1.000kWh, passarão a praticar preços de mercado, subindo suas taxas para cerca de R$ 300,00/1.000kWh. Essa diferença vai se transformar em aumentos significativos nas contas de luz após as eleições.

2 – Contratação de térmicas e PCH’s

O custo da energia no Brasil também será impactado por barganhas feitas pelo governo com o Congresso Nacional para aprovar a lei da privatização. Durante a tramitação do PL que autorizou a entrega da estatal à iniciativa privada, o governo aceitou termos como a obrigatoriedade de contratação de energia de termelétricas (8.000 MW) e Pequenas Centrais Hidrelétricas (2.000 MW), que são de propriedade de parlamentares, entre outros termos para que o projeto passasse na no Senado e na Câmara. O custo dessa manobra (cerca de R$ 40 bilhões por ano) será repassado em aumentos nas contas de luz do consumidor final até o ano de 2052, se não mudarmos o governo.

3 – Conta Covid

Durante a pandemia do Covid-19, Bolsonaro transferiu R$ 15,3 bilhões (levantados através de empréstimos em bancos) para as empresas de energia com o objetivo de manter os altíssimos lucros dos acionistas durante a crise. Esse rombo é chamado de conta-covid. O plano é obrigar a população a pagar todo o valor do empréstimo acrescido de juros abusivos (um total de R$ 20 bilhões) por meio das contas de luz após as eleições.

4 – Conta da Escassez Hídrica

O custo exorbitante da contratação de energia das usinas térmicas em 2021 – justificada pela farsa da crise hídrica – será igualmente cobrado dos brasileiros. Primeiro, o Governo Bolsonaro deixou que as empresas do setor elétrico esvaziassem completamente os reservatórios das barragens em 2020, sem necessidade. O esvaziamento forçou a contratação emergencial da energia de usinas que usam combustíveis para gerar energia. Vale lembrar que, neste mesmo período, o governo havia permitido que se aplicassem 88 reajustes no valor do óleo diesel, resultando em 170% de aumento até junho de 2022. Enquanto a Eletrobras vendia energia a R$ 65,00/1.000kWh, Bolsonaro contratou a energia de térmicas que estavam cobrando de R$ 1.563,00/1.000kWh. Esse valor impactado pelo aumento do preço dos combustíveis, criou um gigantesco rombo de R$ 39 bilhões. Para cobrir esse gasto, o governo criou a Bandeira Tarifária da Escassez Hídrica, aplicando um aumento de 20% nas contas de luz, fora impostos.

Neste ano eleitoral, o governo deixou de cobrar a taxa das bandeiras, mas está emprestando dinheiro para as empresas do setor por meio de um mecanismo chamado de “conta da escassez hídrica”. Esse valor será repassado ao povo através de aumentos nas contas de luz entre 2023 e 2027.

5 – Subsídio para os mais ricos

Grandes empresários estão instalando placas solares em suas casas e fábricas para reduzir sua conta de luz incentivados por subsídios que geram  um rombo bilionário para o governo. O custo os descontos aplicados na conta das empresas está sendo cobrado dos demais consumidores que não têm acesso a placas solares. Esse valor é cobrado por meio da chamada Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), que chegou a R$ 32 bilhões em 2022. A partir de 2023 o prejuízo será ainda maior.

Nossa missão é derrotar o governo Bolsonaro

Diante dessa realidade, nossa tarefa é derrotar o Governo Bolsonaro, eleger Lula para mudar a política de preços no setor elétrico e enfrentar as armadilhas deixadas pelo atual governo. Essa é nossa missão histórica e nosso compromisso com o setor elétrico.

Água e Energia com soberania, distribuição da riqueza e controle popular.
Conteúdos relacionados
| Publicado 31/08/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - São Paulo

Em SP, população atendida pela Elektro terá aumento nas contas de luz acima da inflação

Concessionária de energia que atua nas regiões sul, oeste e leste do estado teve autorização para cobrar aumento de 5% nas tarifas

| Publicado 17/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Nota: Aneel penaliza população e dá aval para concessionárias aumentarem tarifas

Agência reguladora aumentou em26% a Receita Anual Permitida das concessionárias de transmissão, o que vaisignificar aumento de quase 4% nas contas de luz

| Publicado 14/09/2022 por Movimento dos Atingidos por Barragens

NOTA | Convocação para a vitória

Movimentos populares e sindicais que constroem as Brigadas de agitação e propaganda Lula Presidente, convocam população e militantes para massificação da mobilização na reta final de campanha