Em SP, população atendida pela Elektro terá aumento nas contas de luz acima da inflação

Concessionária de energia que atua nas regiões sul, oeste e leste do estado teve autorização para cobrar aumento de 5% nas tarifas

Na última terça-feira (25), a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou que as tarifas de energia elétrica da Elektro aumentem 5,36%, que para os consumidores residenciais representará um aumento de 5,02% nas contas.

Segundo o site da Elektro, o reajuste foi causado, em especial, pelos custos de transmissão e de aquisição de energia, porém, sem explicar detalhes da origem destes custos. As novas tarifas já estão em vigor.

Em primeiro lugar, é preciso destacar que o reajuste está bem acima da inflação registrada pelo IPCA (índice oficial do IBGE) que é de 2,31% em 12 meses, até julho deste ano, representando o encarecimento relativo da vida do povo.

Outro ponto é que o aumento das tarifas ocorre em meio à pandemia da Covid-19, em uma situação generalizada de queda na renda e emprego de grande parte da população brasileira, especialmente dos mais pobres, e portanto, o aumento da tarifa terá grande enorme peso sobre o custo de vida da população.

Os valores dos custos de transmissão e aquisição de energia, como a empresa aponta, também deveriam acompanhar a inflação, sem sustentar o aumento excessivo dos preços. Neste ponto, a Aneel é negligente ao não exercer seu papel de reguladora, e apenas funcionar como promotora do faturamento extraordinário das empresas.

A Elektro é uma empresa privada, sociedade anônima, resultado do processo de privatização da Cesp em 1998. Hoje é controlada principalmente pela holding do Grupo Neoenergia, maior grupo privado do setor elétrico brasileiro, tendo como principal acionista o grupo privado espanhol Iberdrola. Atua na distribuição de energia em 223 municípios de São Paulo e em 5 do Mato Grosso do Sul. Nesse sentido, o aumento das tarifas atingirá de forma negativa a milhões de brasileiros.

No estado de São Paulo, já acompanhamos a aplicação de preços abusivos de tarifas de energia elétrica pela Enel, que além de cobrar um preço injusto pela energia, coloca em risco a vida do povo em meio à pandemia. Nos últimos dias, vemos milhares de pessoas em aglomeração nos postos da empresa tentando entender o aumento no valor que tiveram nas contas de luz, além da renegociação das dívidas.

Enquanto grande parte da população passa por dificuldades durante a crise econômica e sanitária, as grandes empresas do setor elétrico continuam acumulando aumento em suas tarifas. Os sucessivos aumentos da tarifa, mesmo acima da inflação, terão mais impacto para a população de baixa renda, o que só faz aumentar as enormes desigualdades já existentes. Em suma, as empresas do setor jogam a crise econômica atual nas costas do povo, garantindo os seus lucros extraordinários.

Nós, do MAB, exigimos a revisão desses valores, um preço justo para a população, principalmente para os mais pobres, em especial neste momento crítico de crise sanitária e econômica a qual atravessamos!

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 13/08/2020 por Diego Ortiz / Coletivo de Comunicação do MAB

Na pandemia, contas de luz têm disparada de preço em SP; Enel não explica aumento

Só no mês passado, o Procon de SP registrou mais de 40 mil denúncias de contas com valores considerados incorretos pelos consumidores

| Publicado 17/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Nota: Aneel penaliza população e dá aval para concessionárias aumentarem tarifas

Agência reguladora aumentou em26% a Receita Anual Permitida das concessionárias de transmissão, o que vaisignificar aumento de quase 4% nas contas de luz

| Publicado 21/08/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - São Paulo

MAB é contra desmonte do patrimônio público promovido por Doria em SP

Nesta quinta-feira (20), entidades de diferentes setores se reuniram para debater plano de ação para combater extinção de serviços públicos no estado de São Paulo