Trabalhadores protestam contra falta de medidas de segurança na prevenção da Covid na CSN, em Congonhas (MG)

Ato foi motivado pela morte de uma funcionária da mineradora, que trabalhou infectada; empresa não realiza testes

O Sindicato Metabase Inconfidentes, o Movimento de Mulheres em Luta, o PSTU e o Movimento dos Atingidos por Barragens realizaram uma manifestação na Mina Casa de Pedra (da empresa CSN) na madrugada da última segunda-feira (26). Ao menos 50 ônibus não circularam.

O ato foi motivado pela morte de uma operária de 32 anos, no dia 23 de abril, em circunstâncias revoltantes. Ela saiu em férias e, em menos de uma semana, veio a falecer devido a complicações de Covid-19. Ou seja, considerado o tempo de encubação e evolução do vírus, significa que ela trabalhou doente.

A CSN tem mais de 7.500 trabalhadores e não realiza testes em seus funcionários; com esse procedimento elementar, muitas vidas seriam poupadas.

Declaradas atividade essencial, as mineradoras, que movimentam quase 20 mil operários em Congonhas, são vetor de propagação do vírus. Há relatos de trabalhadores que se contaminaram no ambiente de trabalho, levaram o vírus para dentro de casa, ocasionando mortes na família.

Os trabalhadores lutam por testagem em massa, mudança na organização do trabalho para evitar aglomeração e, principalmente, licença remunerada com salários e todos os benefícios garantidos.

O Sindicato Metabase Inconfidentes afirma que ‘repudia a postura adotada pela CSN, apoiada pela covardia e irresponsabilidade dos governos (federal, estadual e municipal), que negligenciam a vida dos trabalhadores. O sindicato relata, ainda, que denunciou a prática minerária na CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos), a qual deu prazo de 90 dias para governo e empresas se manifestarem.

O MAB alerta que os lucros exorbitantes das mineradoras ocorrem à custa da precarização das condições de trabalho com aumento da exploração e opção de governos pelo dinheiro.

Em 2020, a CSN obteve a cifra de 4,5 bilhões de lucro líquido. No mesmo ano, grandes empresas, no Brasil, ganharam 331 bilhões em renúncias fiscais. A previsão para 2021 é de 457 bilhões.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 18/01/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Em Congonhas (MG), MAB cobra construção de creche e responsabilização da CSN

MAB reafirma necessidade de construção de creche para a comunidade em local seguro e que a empresa pague a conta

| Publicado 28/04/2021

Movimentos discutem proposta para royalties de Belo Monte com prefeito de Altamira (PA)

Apesar de ouvir os movimentos, prefeito não abre mão de nenhum ponto da proposta que já enviou ao legislativo

| Publicado 28/04/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Espírito Santo

Em reunião em São Mateus (ES), MAB discute reparação ao crime da Samarco com governo municipal

Secretarias enviaram propostas para serem custeadas pela Renova, porém sem resposta por parte da Fundação