Em Congonhas (MG), MAB cobra construção de creche e responsabilização da CSN

MAB reafirma necessidade de construção de creche para a comunidade em local seguro e que a empresa pague a conta

Neste sábado (16), representantes do MAB visitaram uma área em um terreno público destinado para a construção da creche Dom Luciano e da Escola Municipal Conceição Monteiro Lima Guimarães, em um local seguro, no bairro Lucas Monteiro, em Congonhas, Minas Gerais. 

Terreno público no bairro Lucas Monteiro / Comunicação MAB-MG

O MAB reafirmou a proposta de construção do equipamento em reunião com o prefeito Cláudio Dinho (MDB) e o diretor de mobilização social e organização Rodrigo Ferreira da Silva, na semana passada. O movimento defende que a prefeitura construa a obra e, posteriormente, cobre a responsabilidade da CSN – Companhia Siderúrgica Nacional. Dinho assumiu a prefeitura de Congonhas neste ano, com 200 milhões em caixa.

O prefeito considerou a proposta razoável. Segundo Dinho, será feito o levantamento da demanda de crianças em ‘idade de creche e de escola’ nos bairros próximos ao terreno. Ele garantiu que, se até o retorno das aulas presenciais a creche e a escola não estiverem prontas, a prefeitura vai alocar as crianças em outros espaços da cidade. 

A creche Dom Luciano e a Escola Municipal Conceição Monteiro Lima Guimarães foram fechadas em fevereiro de 2019 por causa da insegurança do complexo da barragem Casa de Pedra (CSN), gerando muito prejuízo para a sociedade em geral. 

O membro da coordenação do Movimento dos Atingidos por Barragens que participou da visita conta que a juíza Flávia Generoso de Matos (Comarca de Congonhas) intimou a CSN a iniciar a obra da escola e da creche em um prazo de 30 dias contado a partir de decisão de 8 de maio de 2020, com multa diária de 50 mil reais, bloqueio de 3 milhões e prazo de dez meses para término da construção. ‘Se a gestão municipal tiver a iniciativa da construção esse quadro pode mudar’, diz o militante do MAB.


O MAB cobrou também do prefeito um sistema de distribuição de água para 70 famílias da Comunidade do Barnabé e abertura de quadra da escola do Campinho para o lazer de jovens da comunidade. Além disso, o MAB entregou uma cópia do Programa Municipal, que engloba quatro elementos centrais: direitos das famílias atingidas pela exploração minerária; soberania na gestão municipal; aplicação de 10% (no mínimo) dos royalties do minério na diversificação da matriz de produção e desenvolvimento urbano voltado ao bem comum.

“Não moro lá de forma alguma”, diz engenheiro

Durante a reunião, o MAB relatou a preocupação com a proximidade entre a ‘Casa de Pedra’ e a população, com moradias a apenas 200 metros de distância. São quase 5 mil pessoas na área de risco da maior barragem de rejeito em área urbana da América Latina. Ela acumula 103 milhões de m³, somando oito vezes o volume de Brumadinho (que rompeu há dois anos, deixando centenas de mortos).

O prefeito reconheceu que a situação é grave e revelou a gravidade da situação na fala de um engenheiro. “Não moro lá de forma alguma”, referindo-se ao bairro residencial, um dos mais próximos da barragem. Cláudio Dinho disse que vai realizar um parecer técnico independente da barragem Casa de Pedra.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 29/01/2021 por Olívia Teixeira / Comunicação MAB

“O caminho até o desastre”: Moradoras de cidades ameaçadas por rompimento de barragem, em MG, relatam a luta por direitos

Nas cidades onde há risco de rompimento de barragens, os crimes já acontecem e as mulheres lutam por garantia de direitos e que vidas não sejam perdidas. Leia os relatos:

| Publicado 21/01/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Processo judicial de reparação do crime da Vale em Brumadinho é transferido de instância, em novo golpe aos atingidos

Sem justificativa, processos sobre o acordão entre a mineradora Vale e o governo Zema mudam de instância judicial na justiça de Minas Gerais

| Publicado 26/01/2021 por Claudia Rocha / Comunicação MAB

Marco dos dois anos do crime da Vale em Brumadinho tem atos simbólicos nas cidades da bacia do Paraopeba

Por conta da pandemia, ações foram realizadas com distanciamento social, em locais abertos e com os participantes de máscara