Com divulgação de desfecho na imprensa, MAB discorda do acordo sobre crime da Vale em Brumadinho

Estratégia de imprensa é utilizada para “apresentar” o acordo global de Brumadinho; Vale será a maior beneficiada e seguirá impune de mais um crime

Na tarde desta segunda-feira, uma matéria veiculada do Jornal O Tempo especulou e deu como homologado o Acordo Global do crime de Brumadinho.

No entanto, não aconteceu nenhuma audiência judicial que homologasse o acordo bilionário e, em nota, o governo de Minas Gerais informou que não foram finalizadas as negociações do acordo feito a portas fechadas. 

A matéria, que utiliza da narrativa de vitória do Governo de Minas Gerais com o acordo e traz informações precisas de uma fonte ligada ao próprio Estado e ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais, anuncia até mesmo a destinação dos valores para obras e divisão por municípios. 

Para o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), caso seja firmado nos parâmetros divulgados na imprensa – R$ 37 bilhões, o acordo terá valores rebaixados.

A mineradora Vale será beneficiada pela negociação e economizará R$ 17 bilhões, em relação aos R$ 54 bilhões pedidos nas ações para reparação dos danos do crime socioambiental, que completou dois anos no dia 25 janeiro. Além de valorizar as ações da empresa para o mercado internacional.  

O MAB discorda da forma com que as negociações do acordo global vêm sendo realizadas, sem a participação dos atingidos, principais vítimas e interessados em fazer um acordo justo, com a mineradora Vale impune de mais um crime. 

Na análise do MAB, outro ponto de denúncia são as obras que o Governo de Minas Gerais vislumbra com o dinheiro, como o Rodoanel na Região Metropolitana de Belo Horizonte, como um preparo para campanha eleitoral de 2022. 

Os atingidos pelo crime da Vale permanecerão em luta para garantia de direitos, inclusive pela pauta dos valores destinados aos municípios e para as obras das reais necessidades da população da bacia do rio Paraopeba, que sofre com as consequências do rejeito da barragem do complexo Mina do Córrego do Feijão. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 03/02/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Acordo sem participação dos atingidos beneficia mineradora Vale, responsável pelo crime em Brumadinho

Audiência está marcada para amanhã (4), a partir das 9h, no TJMG. Atingidos estarão na porta do Tribunal, em ato simbólico, contra o Acordão nos moldes que está sendo fechado

| Publicado 21/01/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Processo judicial de reparação do crime da Vale em Brumadinho é transferido de instância, em novo golpe aos atingidos

Sem justificativa, processos sobre o acordão entre a mineradora Vale e o governo Zema mudam de instância judicial na justiça de Minas Gerais

| Publicado 29/01/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Minas Gerais

A pedido da Vale, TJMG prorroga prazo de definição do acordo sobre crime em Brumadinho

Atingidos denunciam manobra da Vale para ganhar tempo na negociação do acordo que segue sem participação das comunidades afetadas com o rompimento da barragem