Processo judicial de reparação do crime da Vale em Brumadinho é transferido de instância, em novo golpe aos atingidos

Sem justificativa, processos sobre o acordão entre a mineradora Vale e o governo Zema mudam de instância judicial na justiça de Minas Gerais

Nesta quinta-feira (21), às 14h, no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, ocorrerá nova audiência sobre o acordo entre a Vale e o estado de Minas Gerais, com possível celebração, que vai contar com participação da Defensoria Pública e do Ministério Público do estado e do Ministério Público Federal.

As rodadas de negociação do acordo ocorrem desde outubro sem transparência ou publicidade e sem a participação direta, efetiva e informada dos atingidos por barragens.

Não bastasse o acordo sob confidencialidade e a porta fechadas, na noite desta quarta-feira (20), todos os processos judiciais de reparação referente aos danos e prejuízos ocasionados pelo rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão em Brumadinho, que tramitavam em 1ª instância na 2ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias da Comarca de Belo Horizonte, conduzidos pelo juiz Elton Pupo Nogueira, foram transferidos para a 2ª instância, o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania – CEJUSC/TJMG. O motivo alegado para a redistribuição seria “por prevenção em razão de modificação de competência”.

A mudança do processo judicial de primeira para segunda instância é um novo golpe contra os atingidos no processo de reparação, além de se constituir numa aberração jurídica. Tal mudança certamente atende a interesses objetivos da empresa Vale, que busca garantir na assinatura do acordo plena segurança jurídica, sem possibilidades de recursos e encontra no Tribunal de Justiça de Minas Gerais melhores e maiores condições para prevalecer seus interesses.

O Movimento dos Atingidos por Barragens, os atingidos e atingidas da bacia do rio Paraopeba afetados pelo crime, demais poderes de Estado, as instituições e entidades comprometidas com a defesa dos Direitos Humanos e ao devido processo legal não aceitarão calados este novo golpe e seguirão irredutíveis, e em luta, na defesa dos direitos dos atingidos na bacia do rio Paraopeba.

ACORDO SEM PARTICIPAÇÃO É GOLPE!

MUDAR A JURISDIÇÃO DO PROCESSO É UM NOVO GOLPE!

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 22/01/2021 por Rafaella Dotta - Brasil de Fato MG

Manobra jurídica pode dar maior garantia de acordo entre Vale e governo de Minas

Atingidos denunciam que mudar processo para 2ª instância favorece interesses da mineradora. Reunião aconteceu nesta quinta-feira (21)

| Publicado 02/02/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Com divulgação de desfecho na imprensa, MAB discorda do acordo sobre crime da Vale em Brumadinho

Estratégia de imprensa é utilizada para “apresentar” o acordo global de Brumadinho; Vale será a maior beneficiada e seguirá impune de mais um crime

| Publicado 29/01/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Minas Gerais

A pedido da Vale, TJMG prorroga prazo de definição do acordo sobre crime em Brumadinho

Atingidos denunciam manobra da Vale para ganhar tempo na negociação do acordo que segue sem participação das comunidades afetadas com o rompimento da barragem