Brumadinho: terceira audiência entre Vale, governo de Minas e Justiça termina sem acordo

Cerca de mil atingidos realizaram uma manifestação em frente ao tribunal para reivindicar participação na negociação

Aconteceu na tarde desta quarta (9) a terceira audiência de conciliação, no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em Belo Horizonte, entre a mineradora Vale, o governo de Minas Gerais e as instituições de Justiça.

Comunicação MAB / MG

A reunião discutiu o acordo financeiro que visa a reparação econômica, social e ambiental dos danos morais coletivos e dos prejuízos econômicos causados ao Estado provocados pelo rompimento da barragem de Córrego do Feijão, em janeiro de 2019.

acordo não foi firmado e o auxílio emergencial foi prorrogado até o final de janeiro de 2021, segundo informações do promotor do Ministério Público de Minas Gerais André Sperling. “Esperamos conseguir resolver definitivamente a questão do pagamento emergencial com este acordo, para que o emergencial continue para todos e que saia da mão da Vale o direito de decidir quem vai receber ou não, quem vai bloquear ou não”, afirmou.

Como resultado da audiência, foram marcadas três reuniões entre Vale, governo de Minas e instituições de Justiça, até semana que vem. Caso avance a negociação, haverá outra audiência na próxima quinta (17).

Na porta do TJMG, cerca de mil atingidos realizaram uma manifestação para criticar o acordo a portas fechadas e reivindicar participação no processo.  “Estamos reivindicando nosso direito. Temos que ter voz ativa para a construção do direito para toda a bacia”, comentou Thomas Nedson, morador de Citrolândia, bairro de Betim, e integrante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Como resultado da audiência, foram marcadas três reuniões entre Vale, governo e instituições de Justiça 

Manifesto

Atingidos da Bacia do Rio Paraopeba, junto com as Assessorias Técnicas Independentes (ATIs) – Aedas, Instituto Guaicuy e Nacab –, divulgaram nesta semana o “Manifesto pela participação das Pessoas Atingidas na discussão do acordo judicial entre Vale S.A. Estado de Minas Gerais e Instituições de Justiça”. O texto expressa “discordância da aprovação de um acordo discutido e elaborado sem a devida participação informada – conforme conceituado no processo judicial – das pessoas e comunidades atingidas”.

documento contém reivindicações básicas, como garantia de participação, transparência do processo, e a implementação de um programa de renda, não gerido pela Vale, até que seja feita a reparação integral e justa. “Não há oposição à possibilidade de um acordo no processo, desde que justo, transparente, participativo, condizente com o interesse público e os direitos da população atingida”, diz o texto.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 17/11/2020 por Izabella Bontempo / Comunicação MAB

Atingidos do Paraopeba garantem vitória e acordo entre Vale e Estado de MG não é aceito

Vitória veio da pressão dos atingidos organizados que estiveram presentes na porta do TJMG nesta terça-feira (17) durante audiência

| Publicado 12/01/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

“Conhecimento ancestral tem valor”, afirmam comunidades religiosas de matriz africana sobre a destruição do Rio Paraopeba

Representantes de povos tradicionais que vivem às margens do Paraopeba destruído contam a importância do rio para a perpetuação dos rituais e sobrevivência nos territórios

| Publicado 22/10/2020 por Claudia Rocha / Comunicação MAB

Após ocupação na porta da Vale em Brumadinho, atingidos seguem em luta por reparação

Ação ocorreu para denunciar exclusão dos atingidos nas reuniões de negociação da empresa com órgãos públicos; após quatro horas esperando respostas na sede da empresa, Vale se negou a receber a pauta da população afetada pelo crime