Cerca de mil atingidos protestam em BH contra acordo barato entre governo e Vale

Audiência acontece nesta terça (17) no TJMG. Vítimas, que continuam excluídas de participação, manifestam-se no tribunal

Nesta terça-feira (17) acontece mais uma etapa do acordo judicial entre o governo de Minas Gerais e a mineradora Vale S.A. A audiência que teve início às 14h, no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Belo Horizonte, visa tratar os termos para um acordo de reparação dos prejuízos econômicos sofridos pelo estado de Minas Gerais e danos morais sociais coletivos às vítimas do rompimento da barragem de Córrego do Feijão, em janeiro de 2019.

Comunicação MAB

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) denuncia o que chama de “golpe aos atingidos”, visto que a proposta não contemplou a participação das pessoas atingidas. Além disso, o acordo pode influenciar outra decisão judicial, referente à finalização já neste mês dos auxílios emergenciais que a mineradora vem pagando a aproximadamente 30 mil pessoas.

O valor do acordo também é criticado. O deputado federal Rogério Correia (PT) tuitou hoje a informação de que o governo de Minas apresentará uma proposta 50% abaixo do que vinha sendo conversado em outras audiências. Informação referendada pelo MAB em nota:

“O valor estimado pela Fundação João Pinheiro para os valores de reparação ao Estado estavam em R$ 26 bilhões e dos danos morais e sociais coletivos em 28 bilhões, totalizando R$ 54 bilhões. Porém, Zema quer fechar o acordo por R$ 22 bilhões, valor equivalente a menos de 5 meses de lucro da mineradora no último período”, argumenta o movimento.

Protesto

Enquanto a audiência se realiza dentro do Tribunal, à porta, cerca de mil atingidos e as Assessorias Técnicas Independentes se manifestam agora contra a falta de transparência. O MAB, principal organizador do ato, afirma que “a reparação dos atingidos não será vendida pelo governo” e chama de “golpe” o acordo que acontece neste momento.

“Nós estamos aqui porque nós não conhecemos as condições, os valores, não tivemos acesso aos processos. Estamos indignados porque nós somos os verdadeiros atingidos. Querem passar por cima da morte de pessoas para resolver um problema financeiro do estado. Dizemos não ao acordo”, diz uma atingida no vídeo ao vivo do Mídia NINJA.

O governo de Minas foi questionado, mas não respondeu até o momento.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 21/11/2020 por Brasil de Fato - MG

Deputada Beatriz Cerqueira (PT) propõe CPI contra acordo do estado com a Vale

A proposta já conta com 17 assinaturas das 26 necessárias para que seja protocolada e enviada para a Mesa Diretora

| Publicado 24/11/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Comissão Externa é instalada na Câmara Federal para fiscalizar acordo entre Vale e Estado de Minas Gerais

O requerimento foi feito pelo deputado Rogério Correia (PT-MG), que será coordenador do colegiado. Ofício do Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB foi entregue hoje (24) em Brasília

| Publicado 10/11/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Minas Gerais

Abaixo-assinado pede participação de atingidos em acordo entre Vale e Estado sobre Brumadinho

Acordo está pronto para ser assinado no próximo dia 17 sem que os atingidos possam se pronunciar e participar da construção dos termos de reparação na bacia do Paraopeba