Apesar da falta de incentivo governamental, atingidos produzem e comercializam alimentos saudáveis em Rondônia

Desde o começo do ano, camponeses de comunidades atingidas promovem Feira de Orgânicos em Porto Velho

Comunicação MAB / Rondônia

O setor de produção de alimentos no Brasil sofre com inúmeros problemas, principalmente depois do golpe em 2016, como a falta de controle de estoque de alimentos regulado pelo Estado, a existência de um Plano Safra exclusivo para o agronegócio e a liberação desenfreada dos agrotóxicos.  

Mais recente os vetos do governo Bolsonaro à principal medida de apoio e fortalecimento da Agricultura Familiar e Camponesa durante a pandemia, a lei Assis Carvalho (PL 735/20), pode colocar em risco a produção agropecuária de base familiar, que representa 70% dos alimentos que chegam na mesa das famílias brasileiras.

Mesmo diante desse quadro, atingidos se organizam em conjunto com outros movimentos sociais do campo e persistem na produção de alimentos, orgânicos e agroecológicos, com investimento de esforços para escoar e vender a produção.

Em Rondônia desde o inicio do ano, atingidos de três comunidades promovem a “Feira agroecológica das famílias do MAB” em parceria com a Paroquia São José do Operário, que acontece todas as sextas-feiras na zona sul da capital.

Comunicação MAB / Rondônia

A experiência ocorre por meio da auto-organização das famílias: desde o cultivo dos alimentos, transporte e venda, que em alguns casos já ocorre, inclusive, via WhatsApp.

Além de já representar parte importante da renda das famílias, a feira incrementa o investimento nos lotes e melhora a qualidade de vida dos camponeses.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 26/10/2020 por Coletivo de Comunicação MAB RO

Em Rondônia, celebração comemora um ano de Sínodo da Amazônia

Atividade reafirma o compromisso da igreja na defesa da Amazônia e de seus povos

| Publicado 23/10/2020 por Coletivo de Comunicação MAB - Rondônia

Na pandemia, empresas pressionam licenciamento de novas hidrelétricas em Rondônia

Mesmo diante da gravidade da disseminação do coronavírus, empreiteiras querem forçar órgãos licenciadores a autorizarem audiências públicas para discussão de novas barragens na Amazônia

| Publicado 22/06/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

Atingidas na Amazônia denunciam ameaças para relatora da ONU

Mary Lawlor, relatora da Organização das Nações Unidas, ouviu defensoras dos direitos humanos militantes do MAB que estão ameaçadas por grandes empreendimentos na Amazônia