Audiência pública virtual da UHE Tabajara é suspensa em Rondônia

Em decisão nesta sexta-feira (11), Justiça Federal considerou aspectos como a falta de acesso à internet e o aumento nos casos de COVID-19 no estado; suspensão representa uma vitória às comunidades ameaçadas

Na manhã desta sexta-feira (11), a 5ª Vara Federal Ambiental e Agrária, localizada em Rondônia, suspendeu a realização de uma audiência pública agendada para hoje que debateria a construção da hidrelétrica de Tabajara, em Machadinho do Oeste, no estado.

O IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) marcou a audiência em formato virtual, no final de novembro, para discutir a construção do empreendimento.

Os estudos são conduzidos pela Queiroz Galvão, Eletronorte, Furnas e outras empresas consorciadas. Desde 2017, o MPF (Ministério Público Federal) e o MP/RO (Ministério Público de Rondônia) apontam inúmeras falhas e a necessidade de complementações dos estudos, mesmo assim, o IBAMA aprovou o EIA-RIMA (Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental) apresentado, sem exigir as inclusões necessárias.

A agenda não teve ampla divulgação e desconsiderou a falta de condições das populações ameaçadas sem acesso a internet, entre elas comunidades ribeirinhas e povos indígenas.

A realização da audiência pública, parte fundamental do processo de licenciamento federal para a discussão, com críticas ao licenciamento e aos estudos dos empreendimentos, deveria prezar pela participação das comunidades prejudicadas.

Até mesmo a contestação das informações, garantida no processo de consulta, seria desrespeitada às comunidades ameaçadas no caso da audiência pública virtual.

:: Confira a nota do Movimento: IBAMA atropela estudos e desrespeita consulta prévia em RO

Diante disso, os MPF e MP/RO ajuizaram uma ação civil pública contra o IBAMA, solicitando que a audiência virtual fosse cancelada e a sua realização acontecesse de maneira presencial após a pandemia e a complementação dos estudos.

Na decisão o Juiz Shamyl Cipriano, destacou a falta de acesso a internet nas comunidades ameaçadas e o aumento dos casos de COVID-19 no estado, conforme a decisão:

Entendem ser inviável a audiência em razão dos seguintes fatos impeditivos:

I) a notória exiguidade do prazo de divulgação;

II) o aumento dos casos de COVID-19 no estado de Rondônia;

III) as características dos grupos afetados – muitos pertencentes ao grupo de risco para COVID-19;

IV) o nível de instrução e conhecimento dos atingidos;

V) a dificuldade no uso das plataformas digitais, o que inviabilizou o conhecimento e familiarização do conteúdo dos estudos ambientais, até porque eles sofreram “supostas complementações”;

VI) bem como a impossibilidade de aglomeração nos locais onde se pretende instalar pontos de conexão para transmitir o ato, o que por si só restringe a participação popular, que pode não comparecer ao evento por receio de contágio, e inclusive, pode gerar a responsabilização dos eventuais organizadores.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 26/10/2020 por Coletivo de Comunicação MAB RO

Em Rondônia, celebração comemora um ano de Sínodo da Amazônia

Atividade reafirma o compromisso da igreja na defesa da Amazônia e de seus povos

| Publicado 23/10/2020 por Coletivo de Comunicação MAB - Rondônia

Na pandemia, empresas pressionam licenciamento de novas hidrelétricas em Rondônia

Mesmo diante da gravidade da disseminação do coronavírus, empreiteiras querem forçar órgãos licenciadores a autorizarem audiências públicas para discussão de novas barragens na Amazônia

| Publicado 14/06/2020

Pandemia e queimadas: uma combinação perigosa na Amazônia

Com índices de desmatamento elevados, região, que já sofre com aumento de internações por problemas respiratórios durante o período de queima, agora teme por ocupações dos leitos com avanço dos casos de Covid-19