Movimentos sociais se posicionam contra hidrelétrica em afluente do rio Madeira em Rondônia

Proposta viola legislação ambiental, direitos dos povos indígenas e de outras populações tradicionais. Organizações pedem que Ibama cancele audiências públicas previstas para os dias 6 e 7 de abril

Delegação de Rondônia no Acampamento Terra Livre 2022, em Brasília.
Foto: Gilmara Camila de Oliveira Araújo/COMIN

Mais de 40 representantes de movimentos sociais e outras organizações da sociedade civil, em conjunto com pesquisadores científicos, divulgaram uma nota expressando preocupação com as graves irregularidades que têm caracterizado o licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica (UHE) Tabajara – proposta pela Eletronorte como grande barragem no rio Machado, afluente do Madeira, na fronteira entre os estados de Rondônia e Amazonas. A nota pede que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) não realize audiências públicas sobre o assunto, previstas para os dias 6 e 7 de abril de 2022.

Segundo o texto, o projeto de mais uma megaobra na Amazônia viola a legislação ambiental, ameaçando os direitos de povos indígenas e de outras populações tradicionais. De acordo com os signatários do documento, o  empreendimento não tem viabilidade econômica, social e ambiental e ignora as normativas nacionais e internacionais que exigem a participação das comunidades afetadas no processo de licenciamento ambiental, inclusive o direito à consulta e consentimento livre, prévio e informado dos povos indígenas e outras populações tradicionais.

O documento lista vários motivos que endossam o argumento, entre eles o fato de que esse tipo de projeto hidrelétrico negligencia os efeitos sobre a sociobiodiversidade, ou seja, as interconexões entre a diversidade sociocultural e a biodiversidade. “Com a UHE Tabajara, repete-se um cenário de atropelos dos últimos anos em processos de licenciamento de empreendimentos hidrelétricos na Amazônia, como Santo Antônio, Jirau, e Belo Monte, com graves prejuízos a populações atingidas e ao meio ambiente, comprometendo oportunidades na região para um desenvolvimento com justiça social e sustentabilidade ambiental e econômica”, diz o texto. “É absolutamente inaceitável que, no caso da UHE Tabajara, se persista na mesma repetição de erros do passado, com graves consequências socioambientais e o desperdício do dinheiro público”, completa a nota, que você pode conferir, na íntegra, aqui.

Conteúdos relacionados
| Publicado 16/08/2022 por Coletivo de Comunicação MAB RO

Comunidades denunciam exclusão da população ribeirinha do licenciamento ambiental da UHE Tabajara

Em conjunto com as comunidades de Calama e Demarcação, distritos de Porto Velho localizados às margens dos rios Madeira e Machado, o Movimento exige a inclusão dos atingidos no Estudo de Impactos Ambientais do empreendimento

| Publicado 11/12/2020 por Coletivo de Comunicação MAB RO

Audiência pública virtual da UHE Tabajara é suspensa em Rondônia

Em decisão nesta sexta-feira (11), Justiça Federal considerou aspectos como a falta de acesso à internet e o aumento nos casos de COVID-19 no estado; suspensão representa uma vitória às comunidades ameaçadas

| Publicado 01/02/2022 por Coletivo de Comunicação MAB RO

MAB e famílias do Reassentamento Riacho Azul (Rondônia) apresentam proposta de acordo para a Santo Antônio Energia

Movimento dos Atingidos por Barragens espera que haja urgência no atendimento das demandas dos atingidos pela Usina, que exigem melhorias básicas na infraestrutura do reassentamento