Barragem em Brumadinho apresenta trincas

No último dia 15, os moradores de Brumadinho foram surpreendidos com um anúncio realizado pela Vale de que a barragem B1 da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, apresentava trincas em sua ombreira direita

 Lama da Barragem B1, da mina de Córrego do Feijão – Foto: Vinícius Mendonça/Ibama

Quase dois anos após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, os atingidos da região sofrem mais uma ameaça. A Vale anunciou novas trincas apresentadas na barragem B1, e com o anúncio tomou como medida de prevenção a paralisação das atividades e obras realizadas abaixo da barragem. 

A empresa informou que a barragem não apresenta risco para as comunidades, e que as medidas adequadas já foram tomadas, tendo notificado os órgãos responsáveis. Em decorrência do risco, foram paralisadas também as buscas realizadas pelos bombeiros.

O Ministério Público de Minas Gerais, por meio da Coordenadoria do Meio Ambiente, que já vem acompanha a situação das barragens de rejeito, se manifestou informando que requeriu a Vale maiores informações, e que sejam feitas as divulgações adequadas sobre as condições de segurança da barragem para os atingidos. 

De acordo com a nota, “(…) a Vale garantiu que não são necessárias evacuações adicionais, e que qualquer mobilização de rejeito ficará contida dentro de área do complexo minerário já impactada pelo rompimento da barragem B-I ocorrido em 25 de janeiro de 2019. Entretanto, o Ministério Público de Minas Gerais exigiu que a mineradora preste informações detalhadas aos atingidos em relação às condições de segurança da região. Adicionalmente, o MPMG exigiu que a Vale apresente estudos conclusivos sobre os possíveis danos decorrentes de um desplacamento do rejeito remanescente na barragem B-I e que apresente as ações emergenciais a serem tomadas para garantir a segurança para o retorno dos trabalhadores ao local.” 

Para além disso, a Promotoria de Brumadinho, no âmbito dos procedimentos administrativos já instaurados naquela Promotoria, informaram que também estão acompanhando a situação, e informações foram requisitadas a Agência Nacional da Mineração (ANM) e a Fundação Estadual do Meio Ambiente (FEAM)

A trinca na barragem B1, que fica ao lado da barragem que se rompeu em 2019, aparece na mesma semana em que a Vale se manifestou nos processos de indenização alegando que vem cumprindo as medidas de reparação socioambiental e socioeconômico. Ainda nesse mês, a Justiça Federal negou o pedido liminar realizado pelo Ministério Público Federal requerendo intervenção judicial na Vale. A empresa, que esteve envolvida nos crimes da bacia do rio Doce e da bacia do rio Paraopeba, também tem outras barragens em Minas Gerais que apresentam riscos, como as barragens de Macacos e Barão de Cocais.

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) reafirma que o acesso a informação e a segurança das fiscalizações são direitos dos atingidos, mas até hoje são as próprias empresas criminosas que realizam a fiscalização e monitoramento da segurança das barragens de mineração. Por isso não é possível que haja segurança dos atingidos sem isenção na produção dos laudos de segurança, e na elaboração dos Planos de Segurança.

Nota do Ministério Público:

“Na tarde de ontem, o Ministério Público de Minas Gerais realizou uma reunião com a Vale, para apresentação do relatório mensal de auditoria referente ao acompanhamento das ações de reparação do desastre de Brumadinho. Durante a reunião, que contou também com a participação da Defensoria Pública, dos órgãos do Sisema e das Assessorias Técnicas Independentes, os participantes foram informados do surgimento de trincas na área que circunda o reservatório remanescente da barragem B-I, o que levou à decisão da Vale de paralisar as obras nesta região e de solicitar ao Corpo de Bombeiros a interrupção das atividades de buscas em área determinada a jusante da barragem.

Nesta reunião, a Vale garantiu que não são necessárias evacuações adicionais, e que qualquer mobilização de rejeito ficará contida dentro de área do complexo minerário já impactada pelo rompimento da barragem B-I ocorrido em 25 de janeiro de 2019. Entretanto, o Ministério Público de Minas Gerais exigiu que a mineradora preste informações detalhadas aos atingidos em relação às condições de segurança da região. Adicionalmente, o MPMG exigiu que a Vale apresente estudos conclusivos sobre os possíveis danos decorrentes de um desplacamento do rejeito remanescente na barragem B-I e que apresente as ações emergenciais a serem tomadas para garantir a segurança para o retorno dos trabalhadores ao local.

O MPMG esclarece que a reunião que está sendo realizada entre MPMG e Vale no dia de hoje não guarda relação com as trincas verificadas na região da barragem B-I. Trata-se de reunião mensal de auditoria referente ao escopo tratado em outro Termo de Ajustamento de Conduta firmado entre o Ministério Público de Minas Gerais e a Vale.”

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 25/07/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

1 ano e 6 meses de crime da Vale na bacia do rio Paraopeba

Todo o curso do rio Paraopeba foi contaminado pelo rejeito, atingindo 24 municípios. Até hoje 11 mortos ainda não foram encontrados

| Publicado 24/07/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Vale interrompe fornecimento de água para ribeirinhos no Paraopeba

Moradores do bairro Fhemig, em São Joaquim de Bicas, denunciam a interrupção do abastecimento de água como medida paliativa para minimizar o problema da contaminação das águas criado pela mineradora

| Publicado 26/06/2020

Agricultores e piscicultores procuram outros trabalhos para garantir renda afetada pelo crime da Vale

Na bacia do rio Paraopeba, pequenos agricultores se viram como pode para sobreviver em meio as consequências do rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão