1 ano e 6 meses de crime da Vale na bacia do rio Paraopeba

Todo o curso do rio Paraopeba foi contaminado pelo rejeito, atingindo 24 municípios. Até hoje 11 mortos ainda não foram encontrados

Foto: Ísis Medeiros

Neste sábado, 25 de julho de 2020, um ano e seis meses depois do rompimento do complexo de barragens da Vale em Brumadinho, os atingidos pelo maior crime sócio-ambiental e trabalhista do país vivem em meio a pandemia, à crise econômica e de saúde pública do país, agravando a sensação de dor e desamparo que se iniciou naquele 25 de janeiro de 2019: sem água, trabalho, renda, lazer, sem saúde, com problemas respiratórios provocados pela poeira da lama de rejeitos, problemas psicológicos causados pela morte dos vizinhos, parentes, pais e filhos. Além da morte do rio que lhes entregava vida, e sob a sombra da impunidade, injustiça e falta de reparação pelos direitos violados. 

Foi às 12h:28min daquele dia que três barragens se romperam. Pelo relato da população não foi acionada a sirene. A lama elevou em 18 metros o nível médio de rejeito e destruiu o refeitório e uma unidade administrativa da Vale, restaurantes e uma pousada, matando 272 pessoas, das quais 11 ainda estão desaparecidas. 

A lama foi levando tudo: vidas, casas, plantações, áreas de Mata Atlântica foram soterradas. No Córrego do Feijão e Parque da Cachoeira, o rejeito varreu a borda dos bairros, levando em torno de 50 casas e plantações inteiras. Um pré-diagnóstico mostra que o abastecimento de água de 19 municípios da bacia do rio Paraopeba e parte da região metropolitana de BH estariam comprometidos. 

A saúde dos atingidos da bacia do Paraopeba já deteriorada, têm se  agravado a cada dia pelo crime. O choque, o terror, a violência das 272 mortes, a angústia das buscas pelas vítimas e a destruição de sonhos e projetos fizeram aumentar o consumo de calmantes e ansiolíticos, logo nos primeiros meses. A Vale não se importa com as vítimas. A negação aos direitos e a criminalização das lutas foram adoecendo as pessoas, agravando ainda mais a situação dos que convivem com o rio contaminado, sem poder pescar, plantar, nem ter acesso ao lazer como antes. 

Perdas e danos ocasionadas pelo crime da Vale apresentam tamanha complexidade e se espalham por todo território da bacia. A lama de rejeitos de minério percorreu toda extensão do rio até a represa de Retiro Baixo, desequilibrando a dinâmica econômica, social, cultural e ambiental dos territórios. Os problemas de saúde, a contaminação do rio, a desvalorização dos imóveis e a inviabilidade comercial dos produtos da agricultura estão entre tantos outros ocasionados. Durante 1 ano e 6 meses a população atingida vê o agravamento dessa situação sem ter da Vale respostas efetivas para a resolução dos problemas. A condição de pobreza se agrava com a perda de renda de um povo que nasceu tendo a pesca como fonte de subsistência. 

O auxílio foi reduzido em 50% para a maioria dos atingidos em fevereiro deste ano representou um imenso retrocesso e deixou os atingidos ainda mais vulneráveis, levando muitos atingidos a se mudarem para outras municípios para poder reestabelecer suas fontes de renda.

Mas a dimensão do crime é equivalente a indignação e a força do povo que se organiza e luta por justiça.

A garantia do auxílio emergencial para os atingidos de Brumadinho e que moram no raio de 1km do rio Paraopeba desde o início do processo foi uma importante conquista para a reparação integral. Mesmo assim, muitos atingidos que dependiam do rio e moram para além dessa faixa ficaram de fora, assim como os atingidos que moram nos municípios entorno da Lagoa Três Marias. 

A organização resultou em conquistas importantes na área da saúde, como a contratação de profissionais para atuar no SUS pelas prefeituras, o fornecimento de água mineral e potável, e ração para os animais.

O momento atual se configura na entrada da assessoria técnica em campo que irá construir a matriz emergencial, que, dentre a identificação dos danos emergenciais, apresentará os novos critérios para a continuidade do auxílio. 

Apesar dessas importantes vitórias, tal como das conquistas nos âmbitos trabalhistas e criminais, denunciamos que ainda há diversas violações de direitos realizadas pela Vale em campo, na continua estratégia de negar a dimensão do crime. Os atingidos organizados no Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) seguem em luta por direitos e por justiça, em busca da reestruturação dos modos de vida. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 24/07/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Vale interrompe fornecimento de água para ribeirinhos no Paraopeba

Moradores do bairro Fhemig, em São Joaquim de Bicas, denunciam a interrupção do abastecimento de água como medida paliativa para minimizar o problema da contaminação das águas criado pela mineradora

| Publicado 07/07/2020

MAB alerta para acordo entre Vale e Ministério do Meio Ambiente

Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles fecha acordo com a Vale sobe multas do crime ambiental em Brumadinho; no mesmo dia, MPF pede afastamento de ministro por improbidade administrativa

| Publicado 26/06/2020

Agricultores e piscicultores procuram outros trabalhos para garantir renda afetada pelo crime da Vale

Na bacia do rio Paraopeba, pequenos agricultores se viram como pode para sobreviver em meio as consequências do rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão