Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

A denúncia vem sendo feita desde 2014, quando foi formalizada no Ministério Público Estadual (MPE) e Ministério Público Federal (MPF), as mortes de peixes causada pela UHE Ferreira Gomes Energia (Alupar) que penalizou pescadores e ribeirinhos da região do baixo Araguari de onde tiravam as suas subsistências.

Em 2016 foi firmado um Termo de Ajustamento de Conduta – TAC, entre o MPE, MPF e Ferreira Gomes Energia, sem ouvirem os atingidos. Entre as cláusulas do TAC era estipulado a compensação financeira à Fundação de Amparo à Pesquisa do Amapá (FAPEAP) para estudos e pesquisas científicas em Ferreira Gomes. Sem acordo com o TAC, os atingidos manifestaram em Macapá, já que não foram ouvidos e não concordavam com a destinação do dinheiro, cobrando que o mesmo deveria ser uma compensação para os atingidos da UHE. 

Em agosto de 2017, a denúncia foi reforçada em Audiência Pública com a Corregedoria do Ministério Público Estadual no município, já que a compensação do TAC não atendia a realidade e a necessidade da população atingida da região, pois não tinha retorno de estudo para os atingidos. 

Em abril de 2019, durante uma audiência pública realizada em Ferreira Gomes, o Ministério Público Estadual e o Ministério Público Federal suspenderam o valor a ser repassado a FAPEAP que, em abril desse ano, estavam acumulados em R$ 800,000,00 (oitocentos mil reais). 

Com a crise da saúde pública e a pandemia da Covid-19, a Promotoria de Ferreira Gomes achou por bem destinar 50.000,00 para compra de cestas básicas, adquiridas com recurso de multa ambiental à empresa Ferreira Gomes Energia S/A (FGE), por descumprimento de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado em fevereiro de 2017 com o MP-AP e Ministério Público Federal (MPF) e destiná-las a pescadores artesanais e demais atingidos. O restante será para equipar a nova Unidade Mista de Saúde de Ferreira Gomes. 

Desta forma, a Promotoria do município determinou a entrega das cestas básicas aos atingidos organizados no MAB, que se responsabilizou pela logística da distribuição e prestações de conta. Desde então, o Movimento já entregou 500 cestas básicas aos atingidos por barragens do município, nas comunidades do Caldeirão, Paredão, Quilombo do Igarapé do Palha – com acompanhamento de Hannah Lima, funcionária designada pela Promotoria de Ferreira Gomes – ribeirinhos do Baixo Araguari e bairros periféricos de Ferreiras Gomes. Além das cestas básicas, também foram distribuídas máscaras produzidas pelos próprios atingidos. 

O MAB segue na luta em busca de direitos para os atingidos em todo o país, que vivem a constante violação deles pelas empresas, e que agora se repete em descaso também pelo governo. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 04/07/2020

NOTA: Projeto da UHE Formoso (MG) preocupa ribeirinhos

Empresas, Governo Federal e Governo Mineiro armam a construção de mais uma barragem no sofrido rio São Francisco. Não à UHE Formoso!

| Publicado 05/06/2020

Coração da Divisa: documentário aborda conflito entre comunidade tradicional e mineradora

Exploração minerária colocará em risco território remanescente da mata atlântica em Minas Gerais

| Publicado 22/06/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

Atingidas na Amazônia denunciam ameaças para relatora da ONU

Mary Lawlor, relatora da Organização das Nações Unidas, ouviu defensoras dos direitos humanos militantes do MAB que estão ameaçadas por grandes empreendimentos na Amazônia