Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

A denúncia vem sendo feita desde 2014, quando foi formalizada no Ministério Público Estadual (MPE) e Ministério Público Federal (MPF), as mortes de peixes causada pela UHE Ferreira Gomes Energia (Alupar) que penalizou pescadores e ribeirinhos da região do baixo Araguari de onde tiravam as suas subsistências.

Em 2016 foi firmado um Termo de Ajustamento de Conduta – TAC, entre o MPE, MPF e Ferreira Gomes Energia, sem ouvirem os atingidos. Entre as cláusulas do TAC era estipulado a compensação financeira à Fundação de Amparo à Pesquisa do Amapá (FAPEAP) para estudos e pesquisas científicas em Ferreira Gomes. Sem acordo com o TAC, os atingidos manifestaram em Macapá, já que não foram ouvidos e não concordavam com a destinação do dinheiro, cobrando que o mesmo deveria ser uma compensação para os atingidos da UHE. 

Em agosto de 2017, a denúncia foi reforçada em Audiência Pública com a Corregedoria do Ministério Público Estadual no município, já que a compensação do TAC não atendia a realidade e a necessidade da população atingida da região, pois não tinha retorno de estudo para os atingidos. 

Em abril de 2019, durante uma audiência pública realizada em Ferreira Gomes, o Ministério Público Estadual e o Ministério Público Federal suspenderam o valor a ser repassado a FAPEAP que, em abril desse ano, estavam acumulados em R$ 800,000,00 (oitocentos mil reais). 

Com a crise da saúde pública e a pandemia da Covid-19, a Promotoria de Ferreira Gomes achou por bem destinar 50.000,00 para compra de cestas básicas, adquiridas com recurso de multa ambiental à empresa Ferreira Gomes Energia S/A (FGE), por descumprimento de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado em fevereiro de 2017 com o MP-AP e Ministério Público Federal (MPF) e destiná-las a pescadores artesanais e demais atingidos. O restante será para equipar a nova Unidade Mista de Saúde de Ferreira Gomes. 

Desta forma, a Promotoria do município determinou a entrega das cestas básicas aos atingidos organizados no MAB, que se responsabilizou pela logística da distribuição e prestações de conta. Desde então, o Movimento já entregou 500 cestas básicas aos atingidos por barragens do município, nas comunidades do Caldeirão, Paredão, Quilombo do Igarapé do Palha – com acompanhamento de Hannah Lima, funcionária designada pela Promotoria de Ferreira Gomes – ribeirinhos do Baixo Araguari e bairros periféricos de Ferreiras Gomes. Além das cestas básicas, também foram distribuídas máscaras produzidas pelos próprios atingidos. 

O MAB segue na luta em busca de direitos para os atingidos em todo o país, que vivem a constante violação deles pelas empresas, e que agora se repete em descaso também pelo governo. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 04/07/2020

NOTA: Projeto da UHE Formoso (MG) preocupa ribeirinhos

Empresas, Governo Federal e Governo Mineiro armam a construção de mais uma barragem no sofrido rio São Francisco. Não à UHE Formoso!

| Publicado 09/10/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Atingidos fecham acesso às obras de retirada de rejeitos da hidrelétrica de Candonga, em MG

Atingidos dos municípios de Santa Cruz do Escalvado e Rio Doce fecham há 9 dias o acesso as obras da hidrelétrica de Candonga. Até agora a Renova não foi no local e não atende os atingidos na demanda de uma reunião presencial para negociar o pagamento dos direitos reivindicados

| Publicado 23/10/2020 por Coletivo de Comunicação MAB - Rondônia

Na pandemia, empresas pressionam licenciamento de novas hidrelétricas em Rondônia

Mesmo diante da gravidade da disseminação do coronavírus, empreiteiras querem forçar órgãos licenciadores a autorizarem audiências públicas para discussão de novas barragens na Amazônia