Atingidos fecham acesso às obras de retirada de rejeitos da hidrelétrica de Candonga, em MG

Atingidos dos municípios de Santa Cruz do Escalvado e Rio Doce fecham há 9 dias o acesso as obras da hidrelétrica de Candonga. Até agora a Renova não foi no local e não atende os atingidos na demanda de uma reunião presencial para negociar o pagamento dos direitos reivindicados

Os atingidos reivindicam o pagamento de indenização e também do auxílio financeiro emergencial. Nos dois municípios a Renova fez o pagamento do auxílio emergencial para um grupo de famílias que foram reconhecidas, mas muitas delas ficaram de fora e agora lutam pelo direito de também receber o valor. 

O Comitê Interfederativo (CIF) aprovou no dia 25 de julho de 2019 o pagamento do auxílio para esse segundo grupo de famílias mas até hoje, 1 ano e 2 meses depois da aprovação, a Renova ainda não realizou o pagamento. Além disso, o pagamento da indenização ainda não foi realizado para as famílias nesses municípios, que têm como atividades econômicas a pesca e o garimpo tradicional, atividades dependentes do Rio Doce. Desde junho as comissões de atingidos dos dois municípios estão buscando uma forma de negociar as indenizações através do judiciário da 12 º Vara da Justiça Federal, mas o processo também segue sem repostas.  

Nessa mesma região está localizada a hidrelétrica de Candonga, que atingiu os dois municípios quando foi construída. A hidrelétrica pertence a Vale e a Cemig e está sem gerar energia desde o rompimento de Fundão porque acumulou uma grande quantidade de rejeitos em seu reservatório. A Vale tem gasto dinheiro da reparação aos atingidos para retirar rejeito do lago da hidrelétrica que é de sua propriedade, com o objetivo de poder voltar a gerar energia ali. A empresa fez quatro anos de obras emergenciais, sem licenciamento ambiental adequado, e agora busca fazer a regularização ambiental junto ao órgão estadual de meio ambiente, realizando uma audiência pública no dia 15 de outubro em meio a pandemia, com participação presencial e virtual. 

Os rejeitos que estão sendo retirados da hidrelétrica estão sendo depositados na Fazenda Floresta, que vai se tornar um novo local de armazenamento de rejeitos localizado acima de diversas comunidades. Em 2018 houve um tremor na região e a Renova paralisou as obras até regularizar a situação. Os atingidos têm medo de que essa fazenda vire uma nova barragem de rejeitos próxima das casas. 

O que vemos quase 5 anos depois do rompimento é a Fundação Renova não cumprindo os acordos firmados e as determinações dadas pelos órgãos competentes. Além disso ela deixa as famílias mais vulneráveis ao destruir sua fonte de trabalho, o Rio Doce, e as coloca sob novos riscos, como o relacionado a estabilidade das obras na Fazenda Floresta. 

Quase cinco anos depois as famílias atingidas sentem suas vidas paradas e buscam ainda direitos emergenciais que já deveriam ter sido garantidos nos primeiros seis meses do rompimento, como cadastramento e auxílio financeiro emergencial. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 06/10/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Atingidos realizam ato no TJMG e reivindicam continuidade de Auxílio Emergencial na bacia do Paraopeba

Atingidos pelo crime da Vale em Brumadinho se organizaram na porta do TJMG em luta pelo Programa Direito e Renda, que garante a continuidade do auxílio emergencial e o aumento da abrangência territorial

| Publicado 05/10/2020 por Coletivo de Comunicação MAB

MAB lança Jornada de lutas para denunciar 5 anos de injustiça com atingidos pelo crime em Mariana (MG)

Do dia 5 de outubro ao dia 5 de novembro, atingidos seguem programação de lutas da jornada “Vale com a injustiça nas mãos: 5 anos sem reparação na bacia do Rio Doce”

| Publicado 05/10/2020 por Brasil de Fato - MG

Jornada de Lutas marca cinco anos do rompimento da barragem em Mariana (MG)

Organizada pelo MAB, jornada vai até 5 de novembro e recebe nomes importantes em lives e atos presenciais