Senado adia votação de PL que cria política nacional de direitos para atingidos por barragens

Defendido pelo MAB e outros atores sociais, PL 2788/2019 fixa garantias para pessoas afetadas por obras de impacto

Ouça esta matéria
Bombeiro durante operação de salvamento após desastre ocorrido em barragem da Vale em Brumadinho (MG), em janeiro de 2019 – Mauro Pimentel/AF

Foi adiada, nesta quarta-feira (30), no Senado, a votação da proposta que cria a Política Nacional de Direitos das Populações Atingidas por Barragens (Pnab). O texto, chamado formalmente de Projeto de Lei (PL) 2788/2019, tramita atualmente na Comissão de Meio Ambiente (CMA), que colocou o assunto em pauta nesta data, mas acabou protelando a apreciação da medida por conta de um pedido de vista coletiva.

O projeto ainda não tem uma nova data agendada para a votação, mas a tendência é que o assunto volte à tona na próxima semana. Para o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), o adiamento amplia a ansiedade e a expectativa do segmento, que tem cobrado a aprovação da Pnab.

“A gente ficou muito preocupado com esse pedido de vista e nós nos colocamos à disposição dos senadores pra esclarecer questões sobre o tema. Esperamos agora uma verdadeira campanha ‘Senado, aprova já porque os atingidos não podem esperar’”, afirma Leandro Scalabrin, do Coletivo de Direitos Humanos do MAB.

Segundo ele, a ideia do movimento é fazer um “intensivão” nos próximos 15 dias para garantir a pressão política necessária à votação do texto pela CMA.

Do ponto de vista do conteúdo, o PL institui um marco normativo que fixa os direitos das populações atingidas por barragens, tema invisibilizado na legislação brasileira atual. A ideia é assegurar garantias para pessoas vulnerabilizadas por obras relacionadas a questões como reservatórios de água, saneamento, mineração e energia hídrica, etc.

O texto em questão no Senado amplia, por exemplo, o conceito de “atingido”, hoje aplicado apenas àqueles que possuem títulos de propriedade alagada. Caso o PL seja aprovado, passarão a ser incluídos sob a batuta dessa definição atores como comunidades tradicionais, posseiros, parceiros e outros que sofrem as consequências das irregularidades encontradas nesses empreendimentos.

“Hoje a lei que define isso é um Decreto-lei 3365, de 1941, que é a Lei de Desapropriações, que só reconhece como atingido o proprietário e o único direito do dele é indenização em dinheiro. Mas, ao longo da historia, esse conceito foi alargado, seus direitos foram ampliados e a legislação não acompanhou essa evolução”, diz Scalabrin.

No parecer da relatora do PL, senadora Leila Barros (PDT-DF), ela considera como Populações Atingidas por Barragens (PAB) famílias afetadas por “perda da propriedade ou posse de imóvel, desvalorização de imóvel, prejuízos para o modo de vida ou atividades de subsistência e interrupção de acessos”.

O PL traz ainda outras questões, dispostas em um total de 11 artigos. Um dos mais importantes do rol diz respeito aos direitos das pessoas que se enquadrem nesse contexto. A ideia é que sejam garantidos, por exemplo, “reparação por meio de reposição, indenização, compensação equivalente ou social e reassentamento rural ou urbano coletivo previamente discutido e aprovado pelas PAB”.

Também são previstas livre escolha do tipo de reparação, negociação preferencialmente coletiva, assistência técnica de livre escolha das populações, bem como auxílios emergenciais e reparações por danos morais em caso de acidentes.

Em um cenário de precarização dos direitos de pessoas afetadas por barragens, o MAB considera que a eventual aprovação do PL 2788/2019 seria um “grande avanço”.

“É um passo adiante. Mesmo não contemplando tudo aquilo que queríamos, é um passo enorme, uma vitória histórica do Brasil e faria um de justiça à memória das vítimas de todas as barragens”, afirma Leandro Scalabrin.

O PL 2788 já foi votado e aprovado na Câmara dos Deputados em 2019, mas teve o ritmo de tramitação amortecido no Senado, para onde o texto foi enviado em agosto daquele ano. Agora a medida depende do aval da Comissão de Meio Ambiente da Casa para seguir em frente.

Conteúdos relacionados
| Publicado 06/04/2022 por Leandro Gaspar Scalabrin

7 razões para aprovar a Política Nacional de Direitos das Populações Atingidas por Barragens (PNAB)

O Projeto de Lei (PL) 2788/2019, que institui a PNAB, entra novamente em votação hoje, 06, na Comissão de Meio Ambiente (CMA) do Senado e pode se tormar um marco legal para a defesa dos atingidos por barragens que sofrem as mais diversas violações de direitos no país

| Publicado 23/04/2020

Política de Direitos para as Populações Atingidas por Barragens

Os atingidos e atingidas de todo o país seguem firmes na luta e atentos as articulações no parlamento e fora dele para garantir a aprovação desse importante projeto para o povo.

| Publicado 10/03/2020

Não há tempo a perder: MAB exige aprovação urgente da Política Nacional dos Atingidos por Barragens – PNAB

Com uma das mais conservadoras legislaturas dos últimos anos, o avanço do projeto parece depender mais da organização e mobilização dos atingidos, do que da boa vontade dos parlamentares