Prefeitura de Altamira (PA) terá que escutar atingidos para regulamentar royalties de Belo Monte

Sob pressão popular por meio dos movimentos sociais, o prefeito assinou compromisso com o Ministério Público para garantir debate público sobre a distribuição da verba

Na última segunda-feira (19), a prefeitura de Altamira assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Estado do Pará (MPE) no qual se compromete a adotar medidas que garantam a máxima transparência na regulamentação dos royalties de Belo Monte.

A prefeitura enviou para a Câmara Municipal o Projeto de Lei que visa regulamentar os recursos da Compensação Financeira pelo Uso dos Recursos Hídricos (CFURH) da hidrelétrica de Belo Monte. Apesar dessa ser uma demanda dos movimentos sociais, o projeto foi enviado sem debate público.

“É fundamental que haja um debate qualificado no sentido de regulamentação dos royalties para que esses recursos sejam utilizados para o desenvolvimento sustentável de Altamira, que é o maior município em extensão territorial do Brasil”, afirma Jackson Dias, da coordenação do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) no Xingu.

Diante dessa falta de diálogo por parte da gestão municipal, o MAB e mais de 20 organizações da sociedade civil, como o Comitê REPAM Xingu, Instituto Socioambiental (ISA), Sindicato dos Trabalhadores da Educação Pública do Pará (SINTEPP – Subsede Altamira) e Fundação Viver Produzir e Preservar (FVPP), elaboraram uma carta com algumas propostas.

Representantes de mais de 20 organizações de Altamira reuniram-se para elaborar proposta alternativa para destinação dos royalties de Belo Monte (Foto: Divulgação/MAB)

Os movimentos solicitaram a ampliação dos recursos para a educação e saúde bem como a criação de um Fundo Social para desenvolvimento sustentável do município. A carta foi protocolada na Câmara Municipal, Prefeitura e Ministério Público do Estado.

Uma comissão representando essas organizações foi recebida pelo presidente da Câmara Municipal, Silvano Fortunato, e pela presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, Thaís Nascimento.

Os dois vereadores se comprometeram a avaliar as propostas da sociedade civil. O MPE também recebeu a carta e incluiu no TAC a proposta de reunião com o prefeito para que ele escute a sociedade civil.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 10/09/2021 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Ibama dá 10 dias para Norte Energia apresentar cronograma de realocação de atingidos por Belo Monte

Moradores de área alagadiça lutam há anos junto ao MAB pelo reconhecimento como atingidos por Belo Monte; imóveis não apresentam condições de ligação ao sistema de esgoto

| Publicado 03/12/2020 por Elisa Estronioli / Coletivo de Comunicação MAB

Belo Monte terá que liberar mais água do rio Xingu no Pará

Conforme determinação do IBAMA, Belo Monte terá que liberar mais água para Volta Grande do Xingu, região sofre com a seca

| Publicado 16/04/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Pará

Movimentos sociais de Altamira (PA) cobram criação de fundo municipal com royalties de Belo Monte

Proposta assinada por mais de 20 organizações difere da que foi enviada à Câmara pelo prefeito