NOS DIAS 22 E 24: LUTAMOS POR DIREITO A ÁGUA, VACINAÇÃO JÁ PARA TODOS! QUEBRA DAS PATENTES DA VACINA E FORA BOLSONARO E ZEMA!

Manifesto dos atingidos por barragens em Congonhas, Minas Gerais. Confira:

Elemento natural e finito que é tudo: mata a nossa sede, de animais e plantas; ajuda na produção e preparação de alimento; faz parte de nossa higiene; oferece lazer e vida saudável. Gritamos porque no nosso dia a dia é “ÁGUAS PARA A MORTE”, principalmente por causa das mineradoras. A água contaminada ou a falta dela afetam, diretamente, a saúde de milhares de famílias atingidas pelo crime da Vale, na bacia do Paraopeba.

Moradores de Congonhas e região sofrem pesadelos semelhantes por causa da “MINERAÇÃO PARA A MORTE”. As serras descobertas impedem a acumulação natural de água e reduzem sua quantidade. A drenagem de áreas de mineração rebaixa o lençol freático. Elas usam água em todo o processo de produção; elas contaminam as águas superficiais e subterrâneas; elas se apropriam das áreas de preservação, ricas em água, e das fontes de abastecimento de comunidades e da cidade de Congonhas.

A privatização da água em curso no Brasil só reforça a “ÁGUA PARA A MORTE”, fazendo dela um negócio lucrativo para acumulação de capital e piorando a situação do povo.

Por isso, reivindicamos:

1 – Da VALE: abastecimento com água de qualidade e em quantidade suficiente, através de caminhão pipa ou mineral, para todas as famílias atingidas pelo crime da mineradora na Bacia do Paraopeba;

2 – Da FERRO+: paralisação de mineração no topo da Serra do Pires, devolução das áreas das fontes João Batista e Boi na Brasa, explicação sobre poço artesiano em construção no Pires;

3 – Da MRS: duplicação de canalização de água de uso centenário em trecho de 1.000 metros, prejudicado pela linha férrea;

4 – Da COPASA: destinação adequada para esgoto da cidade e das comunidades;

5 – Do Governo MUNICIPAL: relação soberana e transparente com as mineradoras e demais empresas, definição de áreas livres de exploração de minério, revisão dos termos de concessão de água à COPASA;

6 – Do GOVERNO ESTADUAL: não cobrança de taxa de água enquanto durar a pandemia e fiscalização independente das ações das mineradoras;

7 – Do GOVERNO FEDERAL: não privatização da água e paralisação das mineradoras, com todas as garantias de estabilidade no emprego, salários e direitos para os trabalhadores direto e indireto enquanto durar a pandemia;

8 – De TODAS AS MINERADORAS: assumirem o imenso passivo social acumulado com a histórica mineração predatória dos territórios, da classe trabalhadora, tornando a atividade um componente de garantia de políticas públicas que melhorem a vida do povo brasileiro.

24 DE MARÇO: Dia Nacional de Mobilização

Passado um ano do início da pandemia, presenciamos todos os descasos do Governo Federal, Estadual e Municipal frente à Covid-19. Falaram que o vírus teria que se espalhar, fizeram chacota das vacinas e não garantiram a produção de vacinas para toda a população. 

Em Congonhas, passaram a mão na cabeça da mineração que tiveram os maiores lucros dos últimos anos. Para se ter uma ideia a Vale teve R$ 109 bilhões de reais e CSN mais de R$ 10 bilhões.  

Nossa mobilização irá ocorrer no momento de maior gravidade da pandemia da Covid-19 no Brasil. O sistema de saúde está à beira do colapso em todo o país e o número diário de mortes aumenta a cada dia. Nos aproximamos rapidamente da trágica marca de 300 mil vidas perdidas. Em meio a toda essa crise, o governo anuncia mais uma troca no Ministério da Saúde e prioriza, com sua base no Congresso Nacional, mais cortes no orçamento e menos proteção social ao povo. 

É urgente o nosso grito de revolta e indignação! Lutemos todos e todas!

– Em defesa da VIDA! Pelo fechamento total das atividades (lockdown) por 15 dias em todo o pais para frear a pandemia, as mortes e o colapso do sistema de saúde.

– AUXÍLIO EMERGENCIAL DE R$600 e PROTEÇÃO AOS EMPREGOS enquanto durar a pandemia, para que o povo possa sobreviver e enfrentar a fome e a carestia.

– VACINA JÁ! Para todas as pessoas, em defesa do SUS. Quebra das patentes de todas as VACINAS e redirecionar a para a produção IMEDIATA DE VACINAS PARA TODOS!

– FORA BOLSONARO, MOURÃO E ZEMA! Pelo fim de um governo genocida que está matando o povo brasileiro pela doença e pela fome.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 22/03/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Rio de Janeiro

Privatização do saneamento avança no Rio de Janeiro; confira a análise do MAB

Estudo do Movimento dos Atingidos por Barragens mostra o cenário da entrega da água para grandes empresas privadas

| Publicado 29/04/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Minas Gerais

Trabalhadores protestam contra falta de medidas de segurança na prevenção da Covid na CSN, em Congonhas (MG)

Ato foi motivado pela morte de uma funcionária da mineradora, que trabalhou infectada; empresa não realiza testes

| Publicado 12/02/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Vale institui jornada de 12 horas de trabalho em minas na região de Congonhas (MG); MAB é contra

Movimento defende frente ampla para derrubar jornada de trabalho imposta pela mineradora