Vale institui jornada de 12 horas de trabalho em minas na região de Congonhas (MG); MAB é contra

Movimento defende frente ampla para derrubar jornada de trabalho imposta pela mineradora

Foto: Sindicato Metabase Inconfidentes

Com resultado apertado (333 a 310 votos), a Vale emplacou uma jornada de trabalho de 12 horas por um período de três meses em Congonhas (MG). As votações ocorreram nas minas de Viga, Timbopeba e Fábrica, entre os dias 8 e 10 de fevereiro.

O Sindicato Metabase Inconficentes, que representa a categoria, convidou o MAB a participar das assembleias de votação, mas a Vale proibiu.

Ivan, membro do sindicato, considera essa diferença de apenas 23 votos uma vitória política da classe trabalhadora, pois boa parte dela resistiu às pressões e chantagens da mineradora.

Rafael Ávila, presidente do Sindicato Metabase Inconfidentes, afirma que “uma parte importante da categoria está entendendo o que nós estamos falando e discutindo com os trabalhadores. Vamos ter que fazer o teste de três meses nessa jornada extenuante de 12 horas”.

Segundo Ávila, essa jornada “vai trazer problema para o conjunto dos trabalhadores e para as cidades mineradoras, refletido no desemprego, na piora da saúde e da segurança, no aumento da exploração do trabalhador”.

“O suposto ganho econômico é ilusório pelo aumento das horas de trabalho e impactos negativos na qualidade de vida do trabalhador”, explica o sindicalista que afirma que a luta está apenas começando .

O MAB considera a jornada de 12 horas um sistema de escravidão. E reafirma que o padrão global de operação da Vale tem como objetivo único a acumulação de lucro.

A mineradora não parou um dia sequer durante toda a pandemia, mesmo colocando em risco a saúde dos trabalhadores e suas famílias e da sociedade em geral. E, desde o crime em Brumadinho, o valor da empresa saltou de 226 para 474 bilhões.

Para o Movimento dos Atingidos por Barragens, essa luta não é somente dos trabalhadores. Igrejas, associações, poder público, todos precisam se envolver, pois a unidade de classe é nossa força.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 10/02/2021 por ANAB, CASEC, MAB, MAM, PSOL, PT

Prejudicados por acordo bilionário, atingidos pelo crime da Vale em Brumadinho acionam STF

Com o apoio de ANAB, CASEC, PSOL e PT, ação reivindica escuta e reparação integral dos danos na bacia do rio Paraopeba

| Publicado 03/02/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Acordo sem participação dos atingidos beneficia mineradora Vale, responsável pelo crime em Brumadinho

Audiência está marcada para amanhã (4), a partir das 9h, no TJMG. Atingidos estarão na porta do Tribunal, em ato simbólico, contra o Acordão nos moldes que está sendo fechado

| Publicado 02/02/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Com divulgação de desfecho na imprensa, MAB discorda do acordo sobre crime da Vale em Brumadinho

Estratégia de imprensa é utilizada para “apresentar” o acordo global de Brumadinho; Vale será a maior beneficiada e seguirá impune de mais um crime