Anvisa aprova uso emergencial de vacinas contra covid-19 no Brasil; em SP, tem início a vacinação

Os cinco diretores da agência seguiram voto da gerência técnica e da relatora, que acataram pedidos do Butantan e da Fiocruz. Mulher, negra e enfermeira é a primeira a receber dose da CoronaVac contra covid-19, em São Paulo

São Paulo – Neste domingo (17), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial das vacinas contra a covid-19 CoronaVac e AstraZeneca. A primeira já está sendo produzida em São Paulo pelo Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. A Fiocruz é a autora do pedido de aprovação da AstraZeneca, que desenvolve o imunizante junto à Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Reprodução Twitter / ANVISA

Após três gerências técnicas da agência recomendarem a aprovação do uso emergencial das duas vacinas, a diretora Meiruze Freitas, relatora dos processos, votou favorável à liberação. Ela foi seguida por três outros diretores: Romison Rodrigues Mota, Alex Campos e Cristiane Rose Jourdan Gomes.

A votação foi encerrada com o voto do presidente da Anvisa, Antonio Barra, que também foi a favor do uso emergencial da CoronaVac e AstraZeneca contra a covid.

Começou

Poucos minutos depois após a Anvisa autorizar o uso emergencial das vacinas, a enfermeira Mônica Calazans recebeu a primeira dose da CoronaVac aplicada no Brasil. O evento foi realizado no Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Moradora de Itaquera, zona leste da capital paulista, Mônica tem 54 anos e perfil de alto risco para complicações da covid-19. Porém, apesar de acima do peso, hipertensa e diabética, ela trabalha há oito meses na linha de frente do combate ao coronavírus.

Em maio do ano passado, no auge da primeira onda da doença, Mônica se inscreveu para vagas de CTD (Contrato por Tempo Determinado), e fez opção de trabalhar no Hospital Emílio Ribas, epicentro do combate à pandemia.

Ressalvas

No caso da Coronavac, a relatora condicionou o aval à assinatura pelo Butantan de um termo de compromisso que prevê a apresentação dos dados de imunogenicidade da vacina até 28 de fevereiro, já que os relatórios sobre o tema foram considerados insuficientes.

As informações de imunogenicidade devem mostrar por quanto tempo dura a resposta imune provocada pela Coronovac. “Após avaliação dos relatórios, ressalvadas algumas incertezas, os benefícios conhecidos superam os riscos potenciais”, disse Meiruze.

Já a aprovação do uso emergencial da vacina de Oxford vale apenas para o lote de 2 milhões de doses que o governo federal ainda tenta importar da Índia.

Urgência

Tanto na análise do pedido do Butantã, quanto no da Fiocruz, o gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes, afirmou que há algumas “incertezas” sobre ambos os imunizantes. No entanto, recomendou à diretoria a aprovação emergencial do uso devido à gravidade da pandemia, com aumento rápido de de casos óbitos.

Tanto o corpo técnico, quanto a diretoria da Anvisa foram igualmente unânimes em afirmar que não existe terapia preventiva contra a covid-19. O parecer,  contraria o Ministério da Saúde do governo de Jair Bolsonaro, que segue insistindo em divulgar o “tratamento precoce” contra a doença, feito com medicamentos comprovadamente ineficazes, em vez de liderar uma campanha nacional de vacinação.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 30/05/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Nesse 29 de maio, MAB participou da mobilização Fora Bolsonaro em 22 diferentes estados

Os militantes espalhados pelo país pediam manutenção do auxílio emergencial de R$ 600 e vacinação para todos, além de denunciar a política de desmonte do licenciamento ambiental e de privatização da maior empresa de energia da América Latina, a Eletrobras, que vai provocar aumento da tarifa de luz para a população

| Publicado 15/01/2021 por Coordenação Nacional do MAB

Nota do MAB | Novo colapso em Manaus não é tragédia, é parte de um projeto

Manaus, no Amazonas, está em novo colapso, e agora ainda mais sério, devido à pandemia da Covid-19. Profissionais de saúde denunciam que pacientes estão morrendo por falta de oxigênio em plena região conhecida como o “pulmão do mundo”

| Publicado 20/01/2021 por Coletivo de Comunicação MAB

Em Paris, mobilização entrega ao embaixador brasileiro relatório sobre a situação dos Direitos Humanos no Brasil

Em ato na capital francesa, militantes de 18 organizações denunciam ao mundo as violações de direitos humanos e ambientais no Brasil