Retrospectiva | Vitórias populares em países da América Latina reacendem esperança no Brasil

Saiba mais sobre as lutas políticas travadas pelo povo latino durante o ano:

O ano de 2020, dominado por notícias trágicas, trouxe algumas boas novidades na política latinoamericana que reacenderam a esperança dos que acreditam num mundo mais justo e solidário.

As experiências de transformação que resistem como Venezuela e Cuba, e a chegada de um projeto nacional e popular ao governo da Argentina, se somam à retomada da democracia na Bolívia e a derrota da Constituição da ditadura no Chile.

Enterrando Pinochet

No mês de outubro, o povo chileno confirmou nas urnas o que já tinha afirmado nas ruas: o Chile quer uma nova Constituição. Após massivos protestos que tomaram as ruas do país em outubro de 2019, foi realizado um plebiscito popular para aprovar ou rejeitar a elaboração de um novo texto constitucional, que substitua o atual, escrito em 1980 pela ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990). Nele, mais de 78% dos votantes aprovaram a elaboração de um novo conjunto de diretrizes para o país.

Foto: Nacho Yuchark

Víctor Bahamonde, do MODATIMA (Movimiento por la Defensa del Agua, la Tierra y la Protección del Medioambiente) do Chile, que integra o MAR (Movimiento de Afectados por Represas en América Latina) afirmou, em entrevista com o MAB, que na prática “a mensagem é de cansaço de 30 anos do modelo neoliberal e de uma democracia elitista, que privilegia fundamentalmente os que se acomodam no poder com privilégios e prejudicam as grandes maiorias”.

“A mensagem é de cansaço de 30 anos do modelo neoliberal e de uma democracia elitista, que privilegia fundamentalmente os que se acomodam no poder com privilégios e prejudicam as grandes maiorias”, diz o militante chileno Víctor Bahamonde.

O novo texto será elaborado por 155 representantes escolhidos pelo voto popular de forma paritária, em uma eleição programada para abril de 2021. Para Bahamonde, o grande desafio das forças progressistas e do povo organizado é a unidade.

“Os que entrarem na Constituinte terão que ser soldados romanos, já que a direita não vai deixar passar nada. O que eles têm defendido é a propriedade, ou seja, que tudo o que já foi entregue, não seja tocado. Estamos falando da terra, da água, dos minerais e do mar”, afirma.

O poder da organização popular

Após o golpe contra o ex-presidente Evo Morales, em novembro do ano passado, instalou-se na Bolívia um governo autoritário de extrema direita, que reprimiu e perseguiu opositores políticos, com grande viés militar, comandado por Janine Añéz. Mas a festa dos golpistas durou pouco. Na eleição realizada em outubro deste ano, o povo boliviano demonstrou claramente nas urnas de que lado está.

Foto: Twitter EM

O candidato do MAS (Movimiento al Socialismo) Luis Arce, ministro de Economía durante 12 anos do governo Morales, com seu vice-presidente Davi Choquehuanca, obteve mais de 55% dos votos, conquistando ampla maioria e vencendo no primeiro turno.

A arrasadora vitória do MAS demonstra que a suposta fraude eleitoral foi uma desculpa, patrocinada pela direita boliviana com apoio de interesses imperialistas e papel central da OEA (Organização dos Estados Americanos), para interromper o processo popular.

Após Arce tomar posse, Evo Morales, exilado na Argentina, voltou à Bolívia em uma caravana que começou com um encontro com o presidente argentino Alberto Fernández e terminou com Evo nos braços do povo em seu país. O mesmo povo que fez a Guerra da Água, lutou pela soberania sobre os hidrocarbonetos e o gás e deu a vida para resistir ao golpe.

A vitória dos povos dos nossos países vizinhos é também uma vitória dos lutadores e lutadoras de toda América Latina, e reacende a esperança para que ventos melhores também soprem na política brasileira.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 10/10/2020 por Brasil de Fato

Jornada anti-imperialista: manifestações denunciam aliança de Trump e Bolsonaro

Em mais de 15 cidades, movimentos populares denunciaram as consequências do avanço do imperialismo na América Latina e no mundo

| Publicado 09/09/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

“Em termos de política externa, nunca vi um entreguismo tão absoluto” afirma ex-chanceler Celso Amorim

Ex-ministro das Relações Exteriores e da Defesa nos governos Lula e Dilma fala ao site do MAB, na semana que a independência do Brasil completa 198 anos; confira a entrevista:

| Publicado 03/12/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Minas Gerais

Atingidos lançam Jornada de Lutas para marcar dois anos do crime da Vale em Brumadinho

Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB organiza a “Jornada de Lutas: 2 anos do crime da Vale em Brumadinho – Justiça só com luta e organização” para marcar data de um dos maiores crimes socioambientais do mundo