Retrospectiva | Com desmatamento recorde, Amazônia é palco de ações de defesa da floresta e da vida

Com a Amazônia em risco, nós (o Brasil e o mundo) somos todos atingidos.

Sob o governo de Bolsonaro, pelo segundo ano consecutivo, a destruição da Amazônia segue em ritmo acelerado. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), mais de 9,2 mil quilômetros quadrados de floresta foram derrubados em 2020, um aumento de 50% em comparação a 2019.

O numero de queimadas e incêndios florestais também cresceu, não apenas na Amazônia, mas também no pantanal, que teve, no ano de 2020, 23% do seu território queimado, ainda de acordo com o Inpe.

Comunicação MAB / Pará

A luta dos atingidos por barragens foi importante para denunciar essa situação e ajudar a frear algumas ações dessa agenda de destruição promovida pelo governo Bolsonaro em conluio com grandes empresas.

Realizamos, mesmo durante a pandemia, diversas lutas presenciais e virtuais em todo o Brasil. Em destaque, o ato nacional “Defender a Amazônia é defender a vida”, além da continuidade das ações de entrega e plantação de mudas.

Eles querem “passar a boiada”

O atual Plano Decenal de Expansão de Energia do Brasil prevê a construção de mais três grandes usinas hidrelétricas na Amazônia até 2029, já anunciadas pelo governo. Tabajara em Rondônia, Castanheira no Mato Grosso e Bem Querer em Roraima. O Plano Nacional de Energia 2050 inclui várias outras.

Além disso, o Congresso Nacional está examinando projetos de lei que eliminam ou reduzem o licenciamento ambiental, entre as alterações está a construção de hidrelétricas em terras indígenas e a redução do papel de órgãos como o IBAMA no licenciamento.

Incentivados pelo governo, também no ano de 2020, foram mais de 145 requerimentos para mineração protocolados na Agência Nacional de Mineração por empresas, grande parte multinacionais, querendo minerar na Amazônia, o maior volume em 24 anos.

A Amazônia nunca esteve tão ameaçada. Nosso papel é seguir resistindo e nos organizando, lutando pela defesa dos nossos territórios, das nossas comunidades, construindo solidariedade e alternativas coletivas.

Com a Amazônia em risco, nós (o Brasil e o mundo) somos todos atingidos.

Plantando Vidas: Mais de 50 mil árvores plantadas

Como símbolo de nosso compromisso em defender e cuidar da Amazônia, o MAB deu continuidade à campanha “Plantando Vidas”.

Comunicação MAB / Rondônia

Apenas nos estados da Amazônia, desde 2019, já foram plantadas mais de 56 mil mudas de árvores. A ideia é continuar, no ano de 2021, com organização de ações coletivas e individuais nas comunidades para recuperação de nascentes e áreas desmatadas, em parcerias com outros grupos como escolas e universidades.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 07/07/2020 por Brasil de Fato

MPF pede afastamento de Salles para impedir “consequências trágicas” ao meio ambiente

Em ação de improbidade administrava, ministro Ricardo Salles é acusado de agir para desmontar proteção ambiental

| Publicado 10/11/2020 por Daniel Giovanaz / Brasil de Fato

Biden e a Amazônia: manutenção da agenda de Salles ou nova forma de intervenção?

Bolsonaro ainda não saudou o novo presidente dos EUA, mas deve fazê-lo “na hora certa”, segundo as palavras de Mourão

| Publicado 08/09/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragebs - Mato Grosso

Queimadas e hidrelétrica: combinação letal no norte do MT

Ribeirinhos que vivem nas proximidades do Rio Teles sofrem efeitos do desmatamento ilegal: com prejuízos materiais, de saúde, além dos danos incalculáveis de verem o território arder em chamas