MPF pede afastamento de Salles para impedir “consequências trágicas” ao meio ambiente

Em ação de improbidade administrava, ministro Ricardo Salles é acusado de agir para desmontar proteção ambiental

Foto: Lula Marques

Doze procuradores do Ministério Público Federal (MPF) pediram nesta segunda-feira (6) o afastamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Eles entregaram à Justiça uma ação de 126 páginas em que acusam Salles de improbidade administrativa por ter agido à frente do cargo para desmontar os mecanismos de proteção ao meio ambiente.

O MPF reuniu registros de atos, medidas, omissões e declarações do ministro que inviabilizaram a proteção ambiental e contribuíram para a alta do desmatamento e das queimadas, sobretudo na região amazônica.

“A permanência do requerido Ricardo de Aquinno Salles no cargo de Ministro do Meio Ambiente tem trazido, a cada dia, consequências trágicas à proteção ambiental, especialmente pelo alarmante aumento do desmatamento, sobretudo na Floresta Amazônica”, diz um trecho da ação, que será julgada na primeira instância da Justiça Federal por se tratar de um caso de improbidade administrativa. 

Os procuradores incluíram na ação um pedido cautelar de afastamento para que a Justiça possa determinar a retirada de Salles do cargo mesmo antes de concluir o julgamento do mérito.

“Caso não haja o cautelar afastamento do requerido do cargo de Ministro do Meio Ambiente o aumento exponencial e alarmante do desmatamento da Amazônia, consequência direta do desmonte deliberado de políticas públicas voltadas à proteção do meio ambiente, pode levar a Floresta Amazônica a um ― ponto de não retorno, situação na qual a floresta não consegue mais se regenerar”, justifica o texto.

Desmonte deliberado

Além do afastamento imediato do chefe do Meio Ambiente desde o início do governo Bolsonaro, o MPF pede a condenação de Salles nas penas previstas na lei de improbidade administrativa, como a suspensão dos direitos políticos de Salles por cinco anos, a proibição de firmar contratos com o poder público e o pagamento de multas pelos danos causados em sua gestão.

As ações “antiambientais” do ministro foram divididas na ação em quatro eixos:

Desestruturação normativa: os procuradores reuniram medidas do ministro que contribuíram para enfraquecer o arcabouço de leis ambientais e citam a gravação da reunião ministerial do dia 22 de abril, quando Salles declarou que considerava a pandemia decorrente do novo coronavírus uma “oportunidade” para modificar normas e adotar atos. Também sugeriu fazer uma “baciada” de alterações e “passar a boiada”.

Desestruturação orçamentária: o MPF destaca que Salles foi responsável por reduzir em 25% o orçamento do meio ambiente e por paralisar o Fundo Amazônia, cujos principais países financiadores suspenderam repasses por conta da conduta anti-ambiental do governo Bolsonaro.

Os procuradores afirmam, ainda, que a redução do orçamento da pasta não gerou economia, mas provocou gastos  maiores com operações das Forças Armadas na Amazônia. Segundo o MPF, enquanto o orçamento do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) para todo o ano de 2020 é de R$ 76,8 milhões, dois meses de funcionamento da GLO na Amazônia custa aos cofres públicas R$ 60 milhões.

Desestruturação fiscalizatória: sob o comando de Salles, o MPF assinalou que o Brasil acumulou em 2019 as maiores altas do desmatamento e o menor número de multas por crimes ambientais em 20 anos.

A ação utiliza como exemplo de conduta criminosa do ministro contra o Meio Ambiente a exoneração, no final de abril de 2020, de coordenadores da fiscalização ambiental do Ibama, após ações de fiscalização nas terras indígenas Ituna Itatá, Apyterewa , Trincheira-Bacajá e cachoeira seca, na região de Altamira, onde as equipes de fiscalização haviam conseguido reduzir drasticamente o desmatamento após o aumento, em 2019, que chegou a 754%.

Desestruturação dos órgãos de transparência e participação: de acordo com a ação, o ministro também atuou no esvaziamento dos conselhos consultivos, como, por exemplo. o conselho do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA), que teve as vagas destinadas à participação da sociedade civil extintas, em fevereiro deste ano.

Também em fevereiro, em decreto assinado por Bolsonaro e Salles, o governo excluiu entidades ambientalistas, representantes de povos indígenas e movimentos sociais da composição da Comissão Nacional de Biodiversidade (Conabio).

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 08/07/2020 por Brasil de Fato

Bolsonaro veta acesso facilitado a água para indígenas na pandemia

Presidente sancionou, com 16 vetos, o Plano Emergencial contra Covid-19 em territórios indígenas

| Publicado 14/06/2020

Pandemia e queimadas: uma combinação perigosa na Amazônia

Com índices de desmatamento elevados, região, que já sofre com aumento de internações por problemas respiratórios durante o período de queima, agora teme por ocupações dos leitos com avanço dos casos de Covid-19

| Publicado 22/06/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

Atingidas na Amazônia denunciam ameaças para relatora da ONU

Mary Lawlor, relatora da Organização das Nações Unidas, ouviu defensoras dos direitos humanos militantes do MAB que estão ameaçadas por grandes empreendimentos na Amazônia