Queimadas e hidrelétrica: combinação letal no norte do MT

Ribeirinhos que vivem nas proximidades do Rio Teles sofrem efeitos do desmatamento ilegal: com prejuízos materiais, de saúde, além dos danos incalculáveis de verem o território arder em chamas

O rio Teles Pires, um dos rios mais importantes do estado de Mato Grosso, é hoje o rio amazônico mais impactado pelas hidroelétricas na Amazônia: foram construídas quatro grandes obras em menos de uma década,

Os quatro empreendimentos, juntos, foram responsáveis pela destruição de milhares de hectares de floresta gerando um impacto incalculável para a biodiversidade e as populações locais. 

Somente a UHE Sinop foi responsável pela destruição de 24 mil hectares – cerca de 70% dessa floresta já está morta e apodrecendo dentro do lago gerando problemas sociais e ambientais imensos, como a mortalidade dos peixes.

Na última semana, o consórcio Sinop Energia foi multado pela SEMA no valor de R$ 36 milhões, o que somado às multas anteriores dá R$ 90 milhões em multas que o consórcio tem acumulado, após uma série de crimes e irregularidades na operação do empreendimento.

Foto: Bruno Cardoso

Em um momento que é celebrado o Dia da Amazônia pouco se tem a festejar. No Mato Grosso, os impactos das hidrelétricas estão somados aos focos de queimadas na região norte do estado – muitos desses focos estão nos paliteiros do lago da UHE Sinop por conta da grande baixa do reservatório nas últimas semanas.

A completa ausência de um programa de utilização do lago e seu entorno demonstra o descaso do consórcio com a floresta e as populações que moram no entorno e dependem da natureza e do rio para sobrevivência.

Até o momento, dois anos depois da conclusão da obra, a empresa empreendedora não iniciou a reconstituição das áreas de preservação permanentes do entorno do lago da usina.

Os impactos ambientais não são os únicos que ameaçam as famílias atingidas. A não delimitação das áreas de preservação (que são chamadas de APP) pelo empreendimento causam a fuga do gado e prejuízo às famílias camponesas, pois o lago oscila dezenas de metros inutilizando as cercas dos camponeses.

Foto: Bruno Cardoso

Para os pescadores e para a cadeia de turismo, as perdas são incalculáveis. Além das áreas de lazer, a vegetação não suprimida tornou o reservatório feio e também coloca em risco a segurança da navegabilidade. A morte constante dos peixes no lago espanta os praticantes de pesca esportiva e diminuem a renda dos pescadores profissionais e ribeirinhos.

Os recentes incêndios na região da Amazônia acabaram atingindo, além de fazendas, um assentamento com aproximadamente 500 famílias, queimando pastagens, matas e ameaçando as moradias e áreas coletivas.

Diante do descaso das empresas áreas do reservatório das hidrelétricas contribuem com o aumento das queimadas na região.


Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 11/09/2020 por Juliana Pesqueira do Projeta Amazônia

No MT, Sinop Energia dificulta acesso aos direitos dos atingidos pela barragem

O consórcio empresarial de Sinop não reconhece o valor das indenizações definidas em perícia judicial e os atingidos revelam dificuldades para restabelecer suas vidas

| Publicado 07/07/2020 por Brasil de Fato

MPF pede afastamento de Salles para impedir “consequências trágicas” ao meio ambiente

Em ação de improbidade administrava, ministro Ricardo Salles é acusado de agir para desmontar proteção ambiental

| Publicado 06/09/2020 por Claudia Rocha / Comunicação MAB, com colaboração de Grasiele Be / Coletivo de Comunicação MAB

No Dia da Amazônia, MAB reafirma necessidade de proteção da floresta

Com atividades da Campanha “Plantando Vidas” em diversos estados e um ato nacional transmitido ao vivo, movimento celebra dia de luta e faz alerta contra devastação na região