Usina solar, em MG, terá retorno das obras pós pandemia

Conquista dos atingidos vai gerar benefícios para 1200 famílias do norte de Minas Gerais

PCH de Santa Marta. Foto: Nilmar Lages

O Projeto Veredas Sol e Lares é uma conquista dos atingidos por barragens no estado de Minas Gerais. Executado desde março de 2018 por meio de um projeto de pesquisa e desenvolvimento, ele é fruto de uma proposta da Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social (AEDAS) para um edital da CEMIG. 

O Projeto prevê a instalação de uma Usina Fotovoltaica Flutuante (UFVf) sobre o lago da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) de Santa Marta, localizada no município de Grão Mogol, região norte de Minas Gerais. A Usina Veredas pretende atender a região gerando benefícios para, diretamente, 1200 famílias do Vale do Jequitinhonha e rio Pardo.

O sonho da construção dessa experiência vem dando passos bem concretos, e as obras da usina já foram iniciadas. Os materiais necessários foram adquiridos pela AEDAS na empresa Fotovoltaico Flutuante Brasil (F2B) de Jaguariúna/SP. Os materiais já estão armazenados na cidade de Montes Claros/MG, próximo ao local onde a Usina Veredas será construída. 

Diante da pandemia e do isolamento social decorrente do coronavírus, não foi possível continuar as obras. Além do Programa de Segurança do Trabalhador, se faz necessário a celebração de instrumento jurídico que permitirá a cessão pela CEMIG à AEDAS. A cessão garantirá o uso de uma parte da área do entorno da PCH para implantação da usina. Também estão sendo realizadas tratativas para a emissão do Documento de Autorização para Intervenção Ambiental (DAIA) junto ao Instituto Estadual de Florestas (IEF).

As famílias beneficiadas estão ansiosas para conhecer e começar a usufruir da energia que será gerada pela usina. A companheira Andrea Sandra, da comunidade Muselo, localizada na cidade de Indaiabira, microrregião do rio Pardo, afirma que a qualidade de vida da população vai melhorar muito.  

“A energia solar é muito importante, porque vai gerar um custo mais barato na nossa conta inclusive agora, no momento em que nós estamos pagando um preço muito alto por ela. Nós vamos produzir mais alimentos, podemos utilizar uma bomba de água para poder fazer alguma pequena irrigação, enfim, acredito que é de uma importância muito grande a produção de energia elétrica solar. Estou muita ansiosa para receber. Estamos à espera desse projeto que vem para somar na nossa vida e na nossa comunidade”, relatou Andrea.

O Projeto demonstra como é possível e importante a construção de empreendimentos energéticos sustentáveis e com a participação popular. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 26/06/2020

Agricultores e piscicultores procuram outros trabalhos para garantir renda afetada pelo crime da Vale

Na bacia do rio Paraopeba, pequenos agricultores se viram como pode para sobreviver em meio as consequências do rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão

| Publicado 28/06/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Rio Grande do Sul

NOTA: MAB denuncia Consulta Pública para privatização de 13 hidrelétricas no RS

Em plena pandemia, enquanto a população sofre os efeitos do avanço da covid-19, como o desemprego em massa e o achatamento da renda, o governador Eduardo Leite (PSDB) e a Agencia Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) preparam a privatização de um importante patrimônio do povo gaúcho.

| Publicado 22/06/2020

Extração de Lítio ameaça água e famílias da região do Vale do Jequitinhonha, em MG

Região do nordeste de Minas Gerais, tem sido cada vez mais alvo de empreendimentos minerários. Segundo estudos do projeto Avaliação do Potencial de Lítio no Brasil, que corresponde a um estudo detalhado da região do médio rio Jequitinhonha, há indicativos de que lá se encontram 85% das reservas de lítio do Brasil