Rompimento de barragem de água em Joaçaba, SC

Segundo a Defesa Civil, o barramento do reservatório cedeu devido ao grande volume de chuvas; MAB cobra atenção do poder público para evitar que casos como este sejam frequentes

Foto: Defesa Civil/SC

E se rompesse uma barragem em meio à pandemia?
E mais uma barragem rompeu.

Nesta terça-feira (16), houve o rompimento de uma barragem no Bairro João Pires, em Joaçaba, em Santa Catarina. Segundo nota da Defesa Civil, o barramento do reservatório cedeu devido ao grande volume de água acumulada durante as chuvas registradas na última semana.

A barragem que rompeu continha um açude com cerca de 30 milhões de litros de água. Este era o mais elevado de outros dois açudes que ajudaram a conter parte da água.


Ninguém ficou ferido, mas foram atingidas residências de duas famílias, que tiveram que deixar sua casa às pressas após o rompimento. A água causou muitos prejuízos em Joaçaba, levou animais e maquinários que estavam na rua, atingiu um centro de trabalho de reciclagem, e danificou parte do acesso ao bairro Vila Cordazzo.

Neste último período, o Movimento dos Atingidos por Barragens denuncia:

A população que vive próxima destes empreendimentos não está segura e nem ao menos recebe informações sobre as reais condições das estruturas. As famílias atingidas por barragens, tanto em Santa Catarina como em todo o Brasil, não contam com nenhum amparo legal. A reparação justa dos direitos dos atingidos, que, muitas vezes, fica submetida à vontade das empresas, só é conquistada com muita luta e organização.

Nós, atingidos por barragens, lutamos historicamente pela construção de uma Política Estadual de Direitos dos Atingidos por Barragens, que nos garanta reconhecimento e reparação justa. Também reivindicamos a construção de Planos de Segurança locais que possam dar conta de evitar tragédias em casos de rompimentos.


Sofremos com danos individuais e coletivos causados pelas contaminações na natureza; com as incertezas e inseguranças sobre as informações oficiais; com negligências das empresas e com o não reconhecimento destes danos.

Entendemos também a importância da efetivação da Política Nacional de Direitos dos Atingidos (PNAB), já aprovada na Câmara e que segue para debate no Senado.

Além disso, é importante lembrar que as barragens brasileiras são como “bombas-relógios”. Não existe uma Política de monitoramento eficiente, muitas barragens não estão nem mesmo cadastradas em uma política de segurança de barragens.

Historicamente, o MAB luta em defesa da vida e do meio ambiente. É um absurdo que rompimentos de barragens tenham se tornado tão frequentes e tratados pelas autoridades de forma tão banalizada.

Águas para a vida e não para morte!

Movimento dos Atingidos por Barragens – SC

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 25/05/2021 por Coletivo de Comunicação MAB SC

Passados 4 meses do rompimento de barragem em Florianópolis, atingidos cobram cumprimento de acordos

Mais de 50 famílias foram diretamente atingidas após o rompimento de uma represa de infiltração da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento, que fechou o canal de diálogo com a Comissão dos Atingidos

| Publicado 22/08/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Nota do MAB sobre o rompimento da tubulação na barragem Jati, no Ceará

Em nota, o MAB ressalta a importância da fiscalização das barragens no Brasil diante da insegurança que vivem milhares de famílias

| Publicado 26/08/2021 por Coletivo de Comunicação MAB SC

Sete meses após rompimento da barragem da CASAN, em Florianópolis, atingidos se reúnem com Defesa Civil

Rompimento da lagoa de infiltração da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (CASAN) atingiu 150 pessoas e deixou 75 residências danificadas