Sete meses após rompimento da barragem da CASAN, em Florianópolis, atingidos se reúnem com Defesa Civil

Rompimento da lagoa de infiltração da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (CASAN) atingiu 150 pessoas e deixou 75 residências danificadas

Os atingidos da Barragem da Casan, que se rompeu há sete meses no bairro da Lagoa da Conceição, em Florianópolis (SC), se reuniram com a Defesa Civil do município nesta quarta-feira, 25. A proposta é criar reuniões periódicas com a comunidade para a constituição de um Núcleo Comunitário de Proteção e Defesa Civil (NUPDEC).

Durante o encontro, foram discutidas questões de segurança relacionadas à barragem, como a necessidade de enquadramento da estrutura na Política Nacional de Segurança de Barragens. Nesse caso, a empresa controladora da barragem fica obrigada a implementar as devidas medidas de segurança para a estrutura, como a instalação de alerta e sirenes.

“É importante preparar a comunidade para agir corretamente em situações de risco, incentivando medidas de autoproteção”, relatou Luiz Eduardo Machado, integrante da Defesa Civil de Florianópolis.

“Meu pai fazia parte do NUPDEC, em Blumenau, e sempre fomos educados a ter uma pastinha de documentos. Então, quando rompeu a barragem, a primeira coisa que meu irmão fez foi pegar a pasta antes de sair de casa”, contou Paloma Zimmer, atingida pela Casan.

“Nós, do MAB, percebemos, na prática, que só existe segurança dos atingidos, quando a comunidade está informada sobre os trâmites que envolvem a obra e é garantida sua participação nos espaços de decisão com as instituições envolvidas. Por isso, é fundamental a presença dos órgãos responsáveis na localidade impactada, no caso a servidão Manoel Luiz Duarte”, destacou Mariah Wuerges, da coordenação nacional do (MAB).

Segundo a coordenadora, a negociações de danos materiais estão em fase de finalização, mas a Casan não está cumprindo os prazos de pagamento. “Vamos iniciar agora os processos de danos morais”, explica a militante.

No próximo domingo, dia 29, as famílias atingidas se reúnem novamente em um ato e mutirão coletivo na rua para marcar a data dos sete meses do rompimento. Será realizado um cine-debate às 15h, além de outras atividades.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 25/05/2021 por Coletivo de Comunicação MAB SC

Passados 4 meses do rompimento de barragem em Florianópolis, atingidos cobram cumprimento de acordos

Mais de 50 famílias foram diretamente atingidas após o rompimento de uma represa de infiltração da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento, que fechou o canal de diálogo com a Comissão dos Atingidos

| Publicado 15/06/2021

Atingidos pelo rompimento da barragem da CASAN em Florianópolis conseguem avançar em negociação com a companhia

Em janeiro deste ano, mais de 40 famílias foram diretamente atingidas após o rompimento de uma represa de infiltração da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento) em Florianópolis, Santa Catarina. Os atingidos seguem lutando para garantia dos seus direitos.

| Publicado 19/05/2021 por Nota Coletiva

Nota: Não ao termo de compromisso positivo entre o MPMG e a Mineradora SAM

Acordo entre Ministério Público de Minas Gerais e Sul Americana de Metais pode ser fechado sem consulta às Comunidades Geraizeiras do Vale das Cancelas, que será atingida pelo empreendimento da mineradora