Vale tem R$ 8 bi bloqueados com base na Lei Anticorrupção de Empresas

O bloqueio da liminar tem base na investigação de corrupção no mercado de certificação de barragens, que ocasionou no crime do rompimento da barragem em Brumadinho

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) obteve decisão liminar, obrigando a prestação de garantia no valor de R$ 7.931.887,500 pela Vale, com o objetivo de garantir a aplicação de multa e potencial perda de bens, direitos e valores, caso a empresa seja condenada às sanções da Lei Anticorrupção de Empresas. De acordo com o MP, a liminar representa o maior valor já reconhecido em uma ação judicial desta natureza no Brasil.  

Na “Ação de Responsabilidade de Pessoa Jurídica pela Prática de Ato Contra a Administração Pública”, o MPMG demonstrou “como o sistema de pressão e o mecanismo de retaliação ou recompensa adotado pela Vale corrompeu o mercado de certificação de barragens, levando consultorias e auditoras externas contratadas pela empresa mineradora a ocultar dos órgãos de investigação e controle a gravidade da situação de instabilidade de diversas barragens” como afirmado em nota. Esta ocultação permitiu que a Vale prosseguisse com as operações minerárias, mesmo sem adotar medidas de segurança, emergência e transparência que deveriam ser adotadas diante de elementos técnicos alarmantes que apontavam fatores de segurança abaixo do tolerável.   

As práticas ilícitas culminaram em um dos maiores crimes socioambientais do país, o rompimento da barragem B1 da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, no dia 25 de janeiro de 2019, que resultou na morte de 272 pessoas, com 11 ainda não encontradas, e em danos ambientais irreversíveis, como a morte da bacia do rio Paraopeba.

Para o Movimento dos Atingidos por Barragens, a liminar é um sinal de que é possível fazer justiça. A Vale, comprovadamente uma empresa corrupta, visou pressionar, manipular e mentir, levando empresas de certificação de segurança de barragens a fazerem o mesmo, ocultando informações da administração pública e dificultando a fiscalização e o controle das instituições.

Reconhecemos que essa medida caminha em direção à justiça, mas ela ainda é insuficiente. O que precisa ser feito no Brasil é uma mudança no modelo que a privatização implementou, onde o ator principal são as empresas, que detém as informações, o controle, e por isso, o poder de manipular. O estado não tem condições suficientes para uma fiscalização adequada que deveria ser feito por ele, e hoje fica refém das empresas privadas que, por lei, detém o controle. Precisamos de uma mudança estrutural no sistema de produção. 

Apesar da manutenção da estrutura, reconhecemos a atuação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) que apurou o caso. Que os promotores de justiça continuem firmes e que não se amedrontem frente o poder da empresa. Seguimos juntos buscando justiça e reparação para os atingidos e atingidas por barragens. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 26/06/2020

Agricultores e piscicultores procuram outros trabalhos para garantir renda afetada pelo crime da Vale

Na bacia do rio Paraopeba, pequenos agricultores se viram como pode para sobreviver em meio as consequências do rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão

| Publicado 31/05/2020

MAB e LAG se posicionam sobre a exclusão da Vale e da Eletrobrás do Fundo Petrolífero da Noruega

O MAB e a LAG divulgaram uma nota conjunta sobre a exclusão das empresas brasileiras Vale e Eletrobrás dos investimentos do Fundo Petrolífero da Noruega por violações aos direitos humanos e crimes ambientais.

| Publicado 05/05/2020

Prêmio por 272 mortes e a bacia do rio Paraopeba devastada

Vale premia em R$ 19 milhões diretores indiciados por homicídio duplamente qualificado