Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

O Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB repudia a decisão obtida pela Vale determinando a proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho, ou nas entradas e portarias de acesso às dependências administrativas da Vale e suas terceirizadas no município, sob pena de multa de R$ 5 mil reais por pessoa e por evento.

O MAB e demais organizações populares vem buscando o direito à reparação integral das violações ocasionadas pelo rompimento da Barragem B1 da Mina do Córrego do Feijão. Para além das violações ocasionadas pelo rompimento, a empresa criminosa vem repetidamente negando os direitos dos atingidos no processo de reparação.

As diversas manifestações que vem ocorrendo nas últimas semanas são meios legítimos de luta, e a criminalização e utilização de ações judiciais para impedir os protestos e reivindicações como forma de impedir o exercício do direito a livre manifestação é prejudicial somente aos direitos dos atingidos.  

A postura sempre retrógrada e conservadora do judiciário brasileiro se choca com a defesa dos direitos humanos e dos direitos dos atingidos, com a utilização de interditos probatórios e ações de obrigação de não fazer que extrapolam suas finalidades e adequação processual e instituem medidas de exceções nos territórios, onde as grandes empresas violadoras de direitos acumulam cada vez mais poder.

Inclusive, vale lembrar que ao contrário do que argumenta a decisão, não são tais manifestações e aglomerações que vem propiciando a propagação do coronavírus, mas a própria atividade da mineração que não foi interrompida que está fazendo aumentar os casos de contaminação no estado de Minas Gerais.

Linha do trem

Em dezembro de 2019 a Justiça de Brumadinho, por meio da Juíza Perla Saliba Brito, já havia concedido liminar que proibia manifestações na linha férrea da transportadora MRS e aplicaria multa de R$ 50 mil reais por atos que bloqueavam o transporte de minério. 

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 21/10/2020 por Brasil de Fato - MG

Vale propõe fim de Auxílio Emergencial para atingidos em Brumadinho (MG)

Audiências sobre o tema acontecem nos dias 22 e 23 de outubro. Pessoas atingidas já iniciaram protestos

| Publicado 22/10/2020 por Claudia Rocha / Comunicação MAB

Após ocupação na porta da Vale em Brumadinho, atingidos seguem em luta por reparação

Ação ocorreu para denunciar exclusão dos atingidos nas reuniões de negociação da empresa com órgãos públicos; após quatro horas esperando respostas na sede da empresa, Vale se negou a receber a pauta da população afetada pelo crime

| Publicado 25/01/2021

Crime da Vale em Brumadinho: documento do MAB apresenta balanço sobre os dois anos de luta

Relatório elaborado pelo movimento traz um balanço dos principais elementos envolvidos desde o rompimento da barragem que afetou toda a bacia do Rio Paraopeba