MAB denuncia que Belo Monte não pode ser “finalizada” sem garantir direitos dos atingidos

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) protocolou mais uma vez nesta segunda-feira (25) a pauta de reivindicações dos atingidos por Belo Monte, em especial dos moradores dos reassentamentos urbanos […]

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) protocolou mais uma vez nesta segunda-feira (25) a pauta de reivindicações dos atingidos por Belo Monte, em especial dos moradores dos reassentamentos urbanos e dos moradores da área alagadiça do bairro Independente 1 em Altamira (PA).

A pauta foi apresentada durante audiência com uma comissão de senadores que esteve em Altamira com representantes do Ibama e do governo federal. Eles anunciaram que na quarta-feira (27) o presidente Bolsonaro estará na região para inaugurar a última turbina da hidrelétrica.

O MAB denuncia que há mais de 300 famílias vivendo no entorno da Lagoa do Independente 1 que a Norte Energia se recusa a remover. As famílias estão sofrendo com alagamentos, com o esgoto voltando para dentro das casas, e com a insegurança, pois com a retirada de grande parte das famílias da região, os assaltos aumentaram. Elas exigem o direito ao reassentamento ou indenização.

A retirada das famílias da Lagoa do Independente 1 foi uma importante conquista da luta dos atingidos. Mais de 500 famílias foram reconhecidas como atingidas, a maoria moradoras de casas de palafitas. No entanto, a empresa se recusa a retirar todas as que estão cadastradas.

Outra denúncia feita pelo MAB é com relação aos problemas estruturantes dos reassentamentos urbanos coletivos, bairros construídos pela Norte Energia para onde foram realocados os atingidos. Entre os pontos da pauta está a falta de água constante, necessidade de transporte, escolas, creches e postos de saúde e o atraso na entrega da documentação definitiva das casas às famílias.

A barragem pode romper?

Outra questão de grande preocupação para o Movimento é com relação ao documento enviado pela Norte Energia à Agência Nacional de Águas alertando sobre a possibilidade de riscos à estrutura da barragem principal da hidrelétrica. O documento veio a público com uma reportagem do site El País.

Para o Movimento, as explicações dadas pela Norte Energia como direito de resposta ao site não foram satisfatórias, pois no ofício enviado à ANA está escrita com todas as letras a possibilidade de “danos estruturais” à barragem em situação de estiagem.

A preocupação é principalmente com os atingidos abaixo da barragem, em especial na região da Volta Grande, e nos municípios à jusante, como Vitória do Xingu e Senador José Porfírio (Souzel) e Anapu.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho