Atingidos da Bacia do Paraopeba realizam ato em São Joaquim de Bicas que dá início à Jornada de Lutas

Atingidos reivindicam participação no processo de reparação, atendimento especializado de saúde e a realização de novos estudos sobre a qualidade de água do território

Ato integra a Jornada de Lutas que marca os 4 anos do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho. Foto: Joka Madruga

Na manhã de hoje, 23, atingidos da Bacia do Rio Paraopeba participaram do “Ato Pelos Rios, Pelas Águas e Pela Vida!”, que aconteceu no bairro Fhemig, localizado na beira do Rio Paraopeba, em São Joaquim de Bicas (MG). O ato deu início a uma jornada de lutas que marca os quatro anos do rompimento da barragem B1, do complexo Mina do Córrego do Feijão, de propriedade da mineradora Vale. A proposta das atividades é denunciar o descaso da empresa com as populações afetadas pelo crime, que aconteceu em 25 de janeiro de 2019 e seguem aguardando a reparação dos seus direitos, o que inclui o acesso ´à água potável.

Carolina Morishita, representante da Defensoria Pública de Minas Gerais, que recebeu a pauta das comunidades, destacou que, por mais um ano, os atingidos enfrentam os mesmos problemas. “A gente tenta, de todas as formas, encontrar uma resposta jurídica, mas ela não é fácil. O emergencial não diminuiu com 4 anos. Talvez a situação esteja até mais grave do que 4 anos atrás”. Em relação ao andamento da pauta, a defensora ressaltou que o “compromisso continua constante” em atender as demandas da população e apoiar o andamento com as demais instituições de justiça.

Fernanda Portes, integrante da coordenação nacional do MAB, cobrou um espaço de discussão permanente com os órgãos de justiça sobre a questão da água. “Precisamos conseguir levar uma pauta concreta, incluindo desde uma solução para a questão da contaminação, até o atendimento das pessoas em situação de vulnerabilidade social, passando pela regularização do fornecimento de água”.

Atingidos protocolam denúncias relativas à falta de acesso à água potável

Por conta dos 12 milhões de toneladas de rejeito de minério de ferro despejados no Rio Paraopeba durante o rompimento, famílias que dependiam do abastecimento da água do rio foram prejudicadas e têm ainda hoje esse direito básico comprometido.

Lindaura Prates Pereira, atingida do bairro Fhemig de São Joaquim de Bicas. Foto: Joka Madruga

“A insegurança hídrica e alimentar se instalou em toda a região, como relata a agricultora Lindaura Prates Pereira, 56, atingida da comunidade Fehmig. “No terreno que eu tenho de 3 mil m², a gente plantava feijão, milho, várias coisas pra gente comer e comercializar. Hoje, está tudo tomado pelo rejeito. Até os pés de frutas morreram. Fora a água contaminada que deixou muita gente doente. A gente tem vizinho com doença de pele, além de gente com depressão, tentativas de suicídio. Antes aqui a gente tinha uma vida saudável”.

Durante o ato, moradores protocolaram – em conjunto – uma pauta de reivindicações para as instituições de justiça, incluindo a demanda de participação real dos atingidos no processo de reparação, a partir do direito adquirido da centralidade da dor da vítima, para que eles sejam ouvidos em todas as etapas, como nos estudos de avaliação de risco à saúde humana e risco ecológico e da construção do Plano de Reparação Socioambiental da Bacia do Rio Paraopeba. Outras demandas se referem ao acesso à água de qualidade e em quantidade suficiente para se beber e manter atividades produtivas das comunidades, o atendimento de saúde com a realização de exames especializados e a garantia de Reparação Ambiental a partir de estudos confiáveis, que não sejam feitos por empresas parceiras da Vale.

Em Luta por Reparação, Justiça e Segurança!

A programação da “Jornada de Luta 4 ANOS DO CRIME DA VALE EM BRUMADINHO – Em Luta por Reparação, Justiça e Segurança!” reunirá atingidos da Bacia do Paraopeba e do Rio Doce em atividades focadas em denunciar as violações de direitos sofridas pelos atingidos, que enfrentam a falta de avanços nas indenizações individuais, além dos danos causados graças ao contato com águas contaminadas com superbactérias, poluição do solo e do ar e com a saúde física e mental cada vez mais ameaçada.

Além disto, a ideia é homenagear a memória das 272 vidas perdidas, em especial das três ainda não encontradas. Acompanhe aqui as atividades:

Conteúdos relacionados
| Publicado 20/01/2023 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Rompimento em Brumadinho é responsável por gerar superbactérias

Estudo confirma denúncias feitas pelo Movimento dos Atingidos por Barragens, desde 2015. Comunidades preparam Jornada de Lutas para pressionar empresas e autoridades a agirem contra a fábrica de doenças que tomou conta das regiões atingidas por rompimentos

| Publicado 07/10/2021 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

MAB participa de Audiência Pública no Senado sobre Política Nacional de Direitos das Populações Atingidas por Barragens

Sessão Online será promovida pela Comissão de Meio Ambiente do Senado Federal (CMA) nesta sexta-feira, 08, às 10h

| Publicado 03/06/2022 por Coletivo de Comunicação MAB PR

Organizações sociais denunciam impactos da UHE Baixo Iguaçu

Para moradores do sudoeste do Paraná, a construção da usina não promoveu o desenvolvimento prometido e aprofundou a desigualdade social e a concentração da riqueza na região