Governo Ratinho Jr privatiza a COPEL em 3 dias

Contra a iniciativa do Governo Ratinho Junior (PSD), trabalhadores da Copel e paranaenses ocuparam as galerias da Assembleia Legislativa do Paraná

Nesta quinta-feira, 24, a Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (ALEP) aprovou em segunda sessão o PL 493/2022, que transforma a Companhia de Paranaense de Energia – COPEL em companhia de capital disperso. Na prática, isso significa reduzir significativamente a participação acionária do Estado, que atualmente é de 31% e pode chegar a apenas 15% com a aprovação do projeto.

A apresentação do projeto de lei em regime de urgência causou indignação nos parlamentares contrários ao PL e nas organizações populares, pois, não houve qualquer discussão pública sobre a proposta, que foi recebida na ALEP na segunda-feira, 21. Ou seja, a discussão na Comissão de Constitucionalidade e Justiça (CCJ) e as votações em dois turnos ocorreram em apenas três dias.

A COPEL é a maior empresa com controle acionário do Estado do Paraná, com parque de geração composto por 30 usinas próprias e participação em outras 11. Estima-se que sua produção represente 4% de todo a geração de energia nacional. A companhia detém, ainda, o terceiro maior sistema de distribuição de energia do país, com 195 mil km de linhas. Para os paranaenses, a COPEL é sinônimo de compromisso e qualidade na prestação de serviço.

Além disso, é preciso lembrar que as populações atingidas por barragens do Paraná, como as da COPEL, conseguiram, a partir da organização popular, avanços significativos no reconhecimento de seus direitos na construção destes empreendimentos.

Mesmo sendo altamente rentável e tendo sua importância econômica e social reconhecida para o estado, a COPEL tem enfrentado as investidas com foco na privatização constantemente nos últimos governos. No ano de 2016, o então governador Beto Richa apresentou o PL 435/2016, que permitia a venda de ações da Copel e da Companhia de Saneamento do Paraná – SANEPAR. Os movimentos populares, que resistiram à aprovação do projeto de lei à época, afirmavam que este significava um “cheque em branco” para os governadores venderem as ações sem a necessidade de aprovação da Assembleia Legislativa, como acontecia antes do projeto.

Estes movimentos populares e as organizações sindicais, com o apoio de parlamentares parceiros, continuaram em luta denunciando as tentativas de privatização da empresa, assim como, criticando a medida econômica de divisão dos lucros adotada pela COPEL, que privilegiavam apenas os acionistas. As organizações populares também defendiam que a melhor solução para alcançar as melhorias necessárias na companhia e garantir o respeito aos direitos das populações atingidas era manter a COPEL como uma empresa pública, compromissada com o povo paranaense.

A COPEL é nossa

Por isso, o projeto de lei da privatização foi recebido com resistência pelas organizações populares e dos trabalhadores e trabalhadoras da COPEL, que ocuparam as galerias da Assembleia Legislativa durante a votação. Com cartazes e gritos de ordem reivindicando “A COPEL É NOSSA!”, centenas de pessoas acompanharam as discussões em torno do projeto. Mesmo com diversas demonstrações contrárias à aprovação e solicitações de debate público, feitas pela bancada de oposição, a base do governo aprovou a lei com 38 votos a favor e 14 contra.

O Ministério Público do Trabalho – MPT/PR também se manifestou desfavorável à aprovação sem a realização de audiência pública prévia. Para a procuradora Margaret Matos de Carvalho, a audiência pública com a participação de todos os sindicatos representativos dos trabalhadores e trabalhadoras seria condição essencial para a tramitação do projeto. Na recomendação enviada à ALEP, na quarta-feira, 23, a procuradora destaca que a privatização impactará significativamente a vida de milhares de empregados e empregadas da COPEL.

Desmonte do Estado: o “pacotaço” da maldade

A privatização da COPEL faz parte de um projeto de desmonte do Estado proposto pelo governador reeleito Ratinho Jr (PSD). Nesta semana, outros projetos com a mesma finalidade foram encaminhados à ALEP. Projetos que previam o desmonte da Biblioteca Pública e do Colégio Estadual do Paraná (CEP), o aumento de 25% nos salários dos secretários do governo e o aumento do ICMS.

Durante sua campanha de reeleição, Ratinho Jr (PSD) se comprometeu com os copelianos e copelianas, afirmando que a COPEL continuaria sendo dos paranaenses e que fortaleceria a empresa.  Porém, sua promessa não durou nem mesmo até o início do próximo mandato, dois meses após o resultado do primeiro turno, que garantiu sua reeleição, o governador privatiza a maior empresa de controle estatal.

A bancada de oposição ao governo, durante as falas das sessões ordinárias da ALEP dessa semana, se comprometeu em utilizar de todos os meios legais possíveis para reverter a situação. Assim também se manifestam as organizações populares que continuam resistindo e denunciando o desmonte do Estado do Paraná.

Para o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a privatização da COPEL irá prejudicar diretamente as famílias de baixa renda, por meio do aumento das tarifas de energia, e também sinaliza sérios riscos de precarização dos trabalhadores e trabalhadoras da empresa. Privatizar empresas estratégicas para o Estado é ir na contramão da construção de um projeto soberano e igualitário.

*Daiane Machado é advogada popular e integrante do Coletivo de Direitos Humanos do MAB.

Advogada popular do Coletivo de Direitos Humanos do MAB.

Conteúdos relacionados
| Publicado 11/07/2020 por Raul Deparis / Coletivo de Comunicação MAB

“Foi muito difícil”, relata atingida do Paraná sobre falta de energia após fortes chuvas

Falta de energia elétrica foi apontada como principal problema por consequência do temporal do início do mês, agricultores perderam produção devido à demora para religamento

| Publicado 19/05/2022

MAB segue em luta contra a privatização da Eletrobras junto a organizações sociais de todo o país

Centenas de trabalhadores se reuniram hoje em frente ao TCU, em Brasília, e à sede de Furnas, no Rio de Janeiro, para denunciar consequências desastrosas da privatização da maior companhia de energia do país