NOTA: Serra do Curral sob ameaça

População se manifesta contra mineração na Serra do Curral

A Serra do Curral é um patrimônio histórico, ambiental e paisagístico de Belo Horizonte e de Minas Gerais. Ela integra a Serra do Espinhaço, que é uma das reservas mundiais da biosfera, pela sua diversidade ecológica de flora e fauna e por ser um corredor verde, que permite o deslocamento das espécies que vivem ali. 

Por décadas, o povo mineiro luta contra a mineração na Serra do Curral. Nos últimos anos, essa exploração desenfreada vem sendo ampliada, com as empresas “passando a boiada” com apoio do governo federal e estadual.  Dois exemplos são a exploração das empresas EMPABRA, Gute Sicht e, agora, da Tamisa.

A Gute Sicht operou por um ano sem licença ambiental nenhuma, depois começou a operar com apoio do governo estadual via termo de compromisso. Mesmo após interdição da Prefeitura de Belo Horizonte, a empresa continua suas operações. O lucro, para os capitalistas, vem acima de tudo.

A última mineradora que teve sua aprovação para minerar a Serra foi a Tamisa (Taquaril Mineração SA). O local do empreendimento irá afetar as áreas de reserva hídrica, com potenciais danos ao já instável abastecimento hídrico de Belo Horizonte, severamente comprometido pela mineração, com destaque para o crime de Brumadinho. 

O processo de licenciamento, entre várias irregularidades, não realizou protocolo de consulta livre, prévia e informada à Comunidade Manzo Ngunzo Kaiango, de tradição e origem quilombola, que está localizada a aproximadamente três quilômetros do empreendimento. 

A farra do licenciamento por parte do Estado de Minas Gerais vem impulsionada pela nomeação da prima do representante da mineradora Tamisa para Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais – IEPHA, semanas após a demissão do antigo presidente do IEPHA. O dirigente do órgão havia questionado publicamente o licenciamento da mineração, enquanto corre um processo de tombamento da Serra.

Diante do conflito, o governador Romeu Zema disse que esse é um “assunto técnico” no qual a população não deveria opinar.  Acreditamos, ao contrário, que as representações populares e democráticas e todos aqueles preocupados com a preservação do meio ambiente devem se manifestar e ensinar ao governador que o povo é soberano sobre seu território e que qualquer representante do Estado só está lá para seguir a vontade popular.

A sociedade já decidiu: a Serra do Curral não deve ser minerada. Por isso, devemos pressionar os deputados estaduais da Assembleia Legislativa de Minas Gerais – ALMG nesse momento pela abertura da CPI da Serra do Curral e da aprovação da Proposta de Emenda à Constituição – PEC 67, que tem por objetivo tombar a Serra do Curral. Essa é uma das ferramentas de luta contra a exploração predatória que está ocorrendo em Minas Gerais. 

Serra do Curral para a vida, não para a morte! 

Movimento dos Atingidos por Barragens em Minas Gerais

Conteúdos relacionados
| Publicado 11/01/2022 por Movimento dos Atingidos por Barragens

NOTA | Tragédias em MG: o resultado de um modelo que produz destruição e morte

Diante de chuvas intensas no estado, comunidades que vivem no entorno de barragens de água e rejeitos da mineração sofrem com a negligência de grandes empresas que colocam atingidos em situação de extrema vulnerabilidade

| Publicado 08/07/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Minas Gerais

NOTA | MAB repudia Termo construído entre Ministério Público de Minas Gerais e mineradora SAM sem participação de comunidades tradicionais atingidas

MP sobrevoa território de comunidades tradicionais do norte de Minas, onde empresa Sul Americana de Metais S/A (SAM) pretende instalar Bloco 8, megaprojeto de mineração

| Publicado 10/03/2022 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Barragem de rejeitos da ArcelorMittal, em Itatiaiuçu (MG), subiu para o nível 3 de emergência

Atingidos que vivem no entorno da barragem ficaram sabendo através da imprensa sobre alteração do nível de segurança da estrutura. Em 2019, famílias que vivem no entorno da estrutura precisaram deixar suas casas por conta do risco de rompimento da barragem.