MAB tem dia de jornada de lutas contra preço da luz

Protestos organizados pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) acontecem em frente às distribuidoras de energia e pontos estratégicos de diversas cidades em todo o país

Protesto realizado na capital paulista em frente à sede da ENEL, na Avenida das Nações Unidas. Foto: Guilherme Gandolfi

Com cartazes exibindo mensagens de denúncia contra o preço abusivo da luz, população ocupou sedes de distribuidoras de energia em todo o país durante jornada do MAB na manhã desta quinta, 18. Os protestos simultâneos que aconteceram em cidades como Belo Horizonte (MG), São Paulo (SP), Fortaleza (CE), Niterói (RJ) e Capitão de Leônidas Marques (PR) tinham o mesmo mote: “o preço da luz é um roubo”. Os atos também denunciaram preços exorbitantes do gás, dos alimentos e dos combustíveis. Manifestações seguem em outras cidades do país durante a tarde.

A proposta da Jornada é chamar a atenção para o impacto da inflação e das novas bandeiras tarifárias do setor elétrico no custo de vida da população de baixa renda. Além da bandeira tarifária “escassez hídrica” criada em 2021, documentos oficiais do governo e do próprio setor elétrico divulgados nesta semana preveem um novo aumento da tarifa superior a 20% em 2022. O reajuste vai impactar ainda mais o orçamento das famílias de todo o país que já sofrem com a alta da inflação de vários itens essenciais da cesta básica.  

Sede da Enel em São Paulo (SP)

Segundo o MAB, os preços abusivos da luz praticados no país servem para garantir a altíssima lucratividade das companhias do setor elétrico, pois a energia cara transfere renda de brasileiros, sobretudo dos mais pobres, para sócios de multinacionais e grandes investidores internacionais das companhias de energia.

“Os protestos de hoje foram muito importantes para que o MAB pudesse reforçar sua mensagem de luta nacionalmente contra as empresas transacionais que dominam o setor elétrico no Brasil, explorando a população através de tarifas abusivas nesse momento de crise e de altos índices de desemprego no ´país”, avalia Josivaldo Alves, coordenador do MAB, que acompanhou os protestos em Fortaleza (CE). Segundo o dirigente, durante os atos, integrantes do Movimento distribuíram uma edição especial do Jornal Brasil de Fato sobre as causas da inflação no país, atreladas a políticas econômicas do Governo Bolsonaro, como a privatização do setor elétrico e o fim de políticas de regulação do preço dos alimentos.

Em São Luís (MA) , manifestações aconteceram na noite de ontem, 17, e denunciaram os altos preços da luz, gás, combustíveis e alimentos.

No Maranhão, os atos aconteceram ontem, 17, com projeções realizadas na empresa termelétrica ENEVA, na Equatorial Energia, no Ministério da Economia, no prédio histórico da RFFSA e no Edifício Office tower, onde funciona a sede da Equinox Gold no Maranhão. A ação faz parte da Jornada Nacional de lutas do MAB contra os altos preços da luz e foi realizada em parceria com a brigada de ações simbólicas do MST.

A ENEVA, que foi alvo dos protestos na capital maranhense, é uma grande empresa controladora de termelétricas movidas a carvão mineral e gás natural. Trata-se de um dos exemplos das companhias do setor elétrico que têm aumentando sua lucratividade mesmo durante a pandemia. A empresa tem como um dos principais acionistas o banco BTG Pactual, maior comercializador de energia do país e que teve como um dos fundadores o ministro Paulo Guedes. No terceiro trimestre deste ano, a ENEVA lucrou mais de 363 milhões de reais, um valor 553% mais alto que no ano passado.

Em São Paulo, o endereço dos protestos foi a sede da Enel, distribuidora de energia do estado que, em 2020, ano de plena pandemia, teve aumento de 26,2% no lucro líquido em comparação ao ano anterior. Mesmo com a leve queda na receita bruta (de 1,4%), a própria empresa afirma nos seus relatórios que a diminuição da distribuição de energia foi compensada pelos reajustes da tarifa que viabilizaram esse efeito de aumento nos lucros.

Durante atos, integrantes do MAB distribuíram uma edição especial do Jornal Brasil de Fato sobre as causas da inflação no país, atreladas a políticas econômicas do Governo Bolsonaro

Confira galeria de fotos do dia de atos

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 19/11/2021 por Coletivo de Comunicação MAB PR

Atingidos relatam violação ambiental no Oeste do Paraná

Mobilizadas em ato, famílias atingidas denunciam poluição no Rio Andrada, que inviabiliza atividades agrícolas na região. Moradores também participaram de jornada de lutas contra os altos preços da energia elétrica

| Publicado 09/08/2021 por Coletivo de Comunicação MAB PA

Integrantes do MAB reúnem-se com prefeito de Belém (PA), Edmilson Rodrigues, para discutir tarifa social de energia e outras demandas

Na reunião, coordenadores do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) apresentaram uma ampla pauta de reivindicações relacionadas ao desenvolvimento social, ambiental e econômico do município, com foco na população mais vulnerável.

| Publicado 27/09/2021 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

População ocupa distribuidoras em protesto contra o preço abusivo da luz em todo o país

Em atos articulados pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) em 17 cidades, moradores queimaram contas de luz e reivindicaram a reversão dos aumentos sucessivos na tarifa de energia, que têm precarizado a situação econômica das famílias de baixa renda em todo o país.