A juventude militante de Igor Meirelles

Belo Monte conseguiu estancar o outrora poderoso Xingu e mudou o curso da vida de cerca de 50 mil pessoas que hoje tentam reescrever suas histórias, distantes do rio e das suas referências. O coordenador do MAB, Igor Meirelles, é uma delas. Ele fez da luta coletiva contra as injustiças desse empreendimento um dos propósitos da sua juventude.

Quando Igor Meirelles, morador de Altamira (PA), ficou sabendo que seria atingido pela Usina Hidrelétrica de Belo Monte, uma das maiores do mundo, ele não fazia ideia de como sua vida iria mudar e o quanto ele precisaria lutar pra ter seus direitos básicos garantidos.

Durante a construção da mega-hidrelétrica, muito se falou dos danos que seriam causados ao meio ambiente, ao Rio Xingu e aos povos indígenas e tradicionais que viviam às suas margens. Pouco, porém, se debateu sobre a situação dos moradores da área urbana de Altamira, que tiveram seu cotidiano drasticamente transformado pelo empreendimento. Desde o início das obras, os moradores passaram a conviver com a violência, o medo e a deterioração dos serviços públicos por conta do crescimento explosivo da pequena cidade amazônica.

“Para um jovem, o que acho que é agravante quando você é reassentado é que você está em processo de formação. Eu vivia em uma área periférica, mas que tinha acesso muito fácil ao rio, ao centro urbano, aos espaços de cultura, aos espaços de diversão. Aí a empresa vem e te realoca pra um lugar onde você fica isolado e encara a violência, a precarização de vida.”

Segundo Igor, quando conheceu o Movimento dos Atingidos por Barragens, ele entendeu só a luta coletiva poderia ajudar a sua família e sua comunidade a ter fazer o enfrentamento de todas as injustiças que a Usina trazia para sua cidade. “Antes do Movimento, eu já tinha um pensamento crítico, um olhar pra contradição, muito por conta da música, porque eu curtia e ainda curto o rap, que mostra o quanto nós, público preto, o quanto a gente sofre e o que se passa nas áreas periféricas do Brasil. Aí o MAB veio me capacitar melhor sobre como me posicionar frente a essas contradições”.

*Esse artigo faz parte de uma série de perfis de coordenadores do MAB produzidos em celebração aos 30 anos do Movimento.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 04/08/2021 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Joelisia Feitosa: o sonho e a luta por justiça para os atingidos de um dos maiores crimes socioambientais do país

Natural de Juatuba (MG), Joelisia nasceu e cresceu na beira do Rio Paraopeba, onde pretendia desfrutar de sua aposentadoria depois de uma vida dedicada à militância e ao sindicalismo no serviço público. Quando esse momento chegou, ela viu a lama-rejeito da Mina Córrego do Feijão invadir o rio da sua infância e soterrar a região com incertezas, medos e inseguranças. “Ao invés de descansar, tive que arregaçar as mangas e voltar à luta ”.

| Publicado 31/08/2021 por * Carlos Vainer

30 Anos do MAB, um olhar do economista e sociólogo Carlos Vainer

O professor da UFRJ, Carlos Vainer, conta a história da sua relação de colaboração e aprendizado mútuo com o Movimento dos Atingidos por Barragens desde que conheceu o CRAB em Erechim (RS) há 35 anos

| Publicado 16/07/2021 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Ricardo Montagner, o pequeno agricultor que luta por uma grande transformação no modelo energético do país

O coordenador, que viu o Movimento dos Atingidos por Barragens nascer na Bacia do Rio Uruguai, se engajou em grandes lutas pelo Brasil afora e fala sobre seu encantamento com a pluralidade da organização no respeito às diferentes realidades locais