NOTA | Novo acordo no Rio Doce e seus reflexos no Espírito Santo – justiça e participação

MAB participa de audiência na Assembleia Legislativa do ES para discutir repactuação do Rio Doce e Política de Atingidos por Barragens


Nesta terça feira, dia 24 de agosto, a Assembleia Legislativa abre as suas portas às 10 horas da manhã que os atingidos e as atingidas capixabas possam discutir os impactos do crime da  Samarco, Vale e BHP Billiton na Bacia do Rio Doce. A Audiência Pública é organizada pela Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, a partir da articulação dos deputados estaduais Iriny Lopes e Hudson Leal, do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e do Sindicato dos Pescadores do Espírito Santo (SINDIPESMES).

Municipio Barra Longa-MG, atingido pela lama da barragem de mineração da Vale/BHP Billiton. Foto: Joka Madruga
Municipio Barra Longa-MG, atingido pela lama da barragem de mineração da Vale/BHP Billiton. Foto: Joka Madruga

Apesar de passados seis anos, o crime da Vale, Samarco e BHP na Bacia do Rio Doce segue causando danos aos indivíduos, famílias e comunidades atingidas em Minas Gerais e no Espírito Santo. Com o intuito de dar agilidade e eficiência à reparação, foi criada uma fundação que, na prática, representou os interesses das suas mantenedoras, as empresas rés Samarco, Vale e BHP Bilinton durante todo o seu período de existência. Hoje, o que todos envolvidos na reparação constatam – poder público, instituições de justiça e atingidos – é que a Fundação Renova não cumpriu praticamente nenhum dos objetivos para o qual foi criada.

Um exemplo é que o programa “Retomada Produtiva da Pesca” não executou sequer 10% do orçamento previsto no primeiro Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC) sobre o crime. Mesmo sem ter propiciado as condições acordadas para a retomada deste setor produtivo – que indiscutivelmente é um dos mais atingidos – atualmente a Renova vem cortando subsídios financeiros que sustentam pescadores, como o Auxílio Financeiro e Emergencial (AFE) que compensaria o lucro cessante dos trabalhadores.

De acordo com o MAB, a situação calamitosa das comunidades que viviam em interdependência com o Rio Doce se agrava com a atual crise econômica e sanitária do país. A falta de celeridade da Fundação Renova torna crescente a pauperização dos atingidos.

Entendemos que o aprendizado com os erros cometidos nos acordos anteriores – constantemente descumpridos pela Fundação Renova – deve ser o norte para qualquer discussão de novo acordo. A centralidade do sofrimento da vítima, o protagonismo das comunidades atingidas e a participação livre e informada são princípios norteadores de todos os acordos que, infelizmente, nunca foram postos em prática nesta situação.

O MAB acha procedente a retomada do papel do Estado através dos entes federativos na discussão de um novo acordo. Em última instância, os órgãos públicos terão a responsabilidade de cumprir metas dos acordos não cumpridos: garantir a restauração do Rio Doce, reconstruir a estrutura das comunidades e proporcionar a segurança sobre o seu futuro.

Esperamos que os governadores, prefeitos, deputados e vereadores foquem no legado que pretendem deixar para os territórios – estes que continuarão existindo e resistindo, passados mandatos e vencidas procurações. Eles serão testemunhos do que o Brasil foi capaz de oferecer em reparação às vítimas do maior crime ambiental da sua história.

O acordo de Brumadinho não foi só um acordo com valores, desenhos e responsabilidades, ele despertou na sociedade mineira uma vontade de aperfeiçoar os instrumentos legais que possam evitar injustiças como as praticadas no contexto da mineração no estado. Infelizmente, este é um aprendizado que veio com o processo falho de reparação do Rio Doce. Hoje, em Minas Gerais, já vigora uma Política Estadual de Atingidos por Barragens (PEAB), que prevê os direitos das vítimas e as responsabilidades dos criminosos de forma muito bem desenhada.

O Espírito Santo tem condições de seguir o mesmo exemplo – apesar de não sofrer com a reincidência da Vale – e assumir o compromisso com o futuro dos seus territórios atingidos e segurança de toda a sociedade.

A discussão de uma PEAB – ES é direito de toda a sociedade e uma responsabilidade republicana de todos homens e mulheres públicas do estado do Espírito Santo. A lei deve resguardar direitos dos atingidos e atribuir responsabilidades pelo crime para que o futuro de territórios inteiros não fiquem à mercê de acordos obscuros, processos pouco transparentes e impermeáveis à vontade popular, que foi escanteada desde o primeiro acordo a vigorar sobre a reparação no Rio Doce.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 28/04/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Carta aberta de juristas brasileiros sobre o caso do rio Doce

MAB, em articulação com juristas, denuncia uma situação jurídica complexa na bacia atingida pelo crime em Mariana, onde violações de direitos permanecem

| Publicado 27/08/2021 por Coletivo de Comunicação MAB RS

Audiência pública discute os impactos do projeto do Complexo Hidrelétrico Garabi e Panambi que envolve 35 municípios

Sessão online promovida pela Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul tratou das consequências que o complexo binacional (Brasil / Argentina) teria para o meio ambiente e para a população atingida

| Publicado 07/10/2021 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

MAB participa de Audiência Pública no Senado sobre Política Nacional de Direitos das Populações Atingidas por Barragens

Sessão Online será promovida pela Comissão de Meio Ambiente do Senado Federal (CMA) nesta sexta-feira, 08, às 10h