Atingidos sofrem com enchentes em Marabá (PA)

Chuvas intensas deixaram centenas de pessoas desabrigadas e provocaram cheia dos reservatórios da Usina de Tucuruí, causando o risco de rompimentos

Desde a manhã do último dia 03, a cidade de Marabá, localizada na região sul do Pará, vem sofrendo com alagamentos causados pelas fortes chuvas na região, que fica a cerca de 600 km da capital Belém. O volume intenso de precipitações provocou um aumento no nível do Rio Tocantins, que chegou a 10,88m e atingiu várias residências do núcleo Velha Marabá, do bairro Independência e das comunidades ribeirinhas Vila Espírito Santo, Praia Alta e Landir (regiões às margens do Rio Tocantins). A situação vem gerando preocupação para a população marabaense e moradores dos municípios vizinhos localizados na bacia do Rio Tocantins.

Diante da situação de insegurança, moradores do núcleo Velha Marabá realizaram uma manifestação cobrando ações e medidas de caráter emergencial por parte da Prefeitura Municipal. Após os protestos, a Prefeitura decretou estado de emergência, criando um comitê com outros órgãos (Defesa Civil de Marabá, Grupo de Corpo de Bombeiros, Secretaria de Assistência Social de Marabá e órgãos do governo do estado).

A partir da implementação do grupo de trabalho foram construídos abrigos nos núcleos Nova Marabá e Cidade Nova. Segundo os dados da Secretaria de Assistência Social de Marabá, até o momento mais de 120 famílias atingidas pelas enchentes estão morando nos abrigos. A situação dos atingidos é agravada pelo surto de síndrome gripal que está levando a população em geral a lotar os postos de saúde e o hospital da cidade.

Além disso, as constantes chuvas também provocaram cheias dos reservatórios da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, localizada na cidade de Tucuruí (PA), que fica a 70 km de Marabá. A situação gera uma preocupação ainda maior para a população que vive nos arredores do empreendimento, por conta do risco de rompimentos. No Brasil, segundo o levantamento da Agencia Nacional de Águas (ANA), realizado em 2017, apenas 3 mil das 23 mil barragens implantadas são fiscalizadas como deveriam.

De acordo com o Boletim Informativo de Vazões e Níveis, divulgado pela empresa Eletronorte na terça-feira (04), a previsão é que o rio em Marabá chegue a 13,25 metros nesta sexta-feira (07), mesmo com a abertura das cincos comportas e até a 18,55 metros, nos próximos períodos de fortes chuvas. Esses dados criam uma situação de alerta para a população da região e para os órgãos de defesa e segurança.

Núcleo Velha Marabá inundado

Segundo o militante do Movimento dos Atingidos por Barragens, Igor Meireles, nesse momento é essencial que os governos municipal, estadual e federal tomem as medidas cabíveis para evitar tragédias e impactos com futuras inundações e alagamentos previstos na cidade de Marabá. “Também é importante que a Eletronorte garanta a segurança da população fazendo uma manipulação correta do reservatório da UHE de Tucuruí”, acrescenta.

“O Movimento também manifesta sua solidariedade a todas as famílias que sofrem com a dor da perda nesse momento muito difícil de pandemia e a todos que, no momento, carregam nos ombros a dor de ver seu lar, sua produção e sua história de vida sendo levadas pela enchente em diversos lugares do país. Estamos juntos na luta com muita força e organização popular, para que nós, os trabalhadores e trabalhadoras, tenhamos dignidade”, afirma Igor.

Águas para a vida, não para a morte!

Conteúdos relacionados
| Publicado 21/12/2023 por Coletivo de Comunicação MAB PI

Desenvolvimento para quem? Piauí, um território atingido pela ganância do capital

Coletivo de comunicação Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) no Piauí, assina artigo sobre a implementação de grandes empreendimentos que visam somente o lucro no território nordestino brasileiro

| Publicado 31/01/2022 por Jordana Ayres

Caravana em defesa do rio Tocantins denuncia impactos de hidrovia no Pará

Organizações fazem mobilização conjunta contra o projeto da hidrovia Araguaia-Tocantins, denunciando prejuízos socioambientais irreversíveis ao modo de vida das cidades e comunidades locais

| Publicado 11/01/2022 por Coletivo Nacional de Comunicação do MAB

Bacia do Paraopeba tem alagamentos com água contaminada por rejeitos de minério e cerca de 700 desabrigados

Assoreamento do Paraopeba causado pelo rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão agravou as inundações nos municípios às margens do rio

| Publicado 21/08/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MG

NOTA | Novo acordo no Rio Doce e seus reflexos no Espírito Santo – justiça e participação

MAB participa de audiência na Assembleia Legislativa do ES para discutir repactuação do Rio Doce e Política de Atingidos por Barragens