Atingidos discutem com a Fundação Getúlio Vargas impactos do crime da Vale/Samarco/BHPBilliton na Bacia do Rio Doce

A discussão aconteceu em reunião envolvendo diferentes lideranças do setor pesqueiro de Conceição da Barra-ES e representante estadual do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB)

Na última quarta-feira (28), a Gerência Municipal da Pesca, representantes da construção e reparação naval e de peixarias e pescadores, além do vereador e membro da coordenação estadual do MAB, Leandro do Estaleiro, deram continuidade, juntamente com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), à construção do relatório sobre o impacto do crime na vida dos verdadeiros profissionais do setor pesqueiro na região. Na reunião, os presentes puderam relatar como eram suas vidas antes do ocorrido e o que mudou após o crime.

De acordo com Adriano dos Santos, o Bibi, gerente de pesca do município, antes do crime, em 2015, a fartura era presente no rio e no mar que banham Conceição. “Camarões e peixes eram nossas principais pescarias. Pescávamos das pedras ao norte até o Rio Doce ao sul. Hoje, só recuperamos 30% de nossas pescarias”, relembrou Bibi, que atua na luta pela reparação dos atingidos da Bacia.

Na ocasião, os representantes também agradeceram as instituições e movimentos que nunca desistiram de lutar ao lado dos pescadores, como o Ministério Público Federal, a Defensoria Pública e o MAB. “As instituições dão força para lutarmos e não desanimarmos na caminhada contra as empresas e aproveitadores”, afirmou atingido Aroldo Paranaguá, que estava presente na reunião.

Os presentes ressaltaram ainda a importância de que este relatório continue sendo construído pelos verdadeiros atingidos e atingidas de Conceição da Barra.

Apoie a luta dos atingidos e atingidas!

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 14/08/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens

NOTA | Governadores de MG e ES defendem novo acordo para o crime da Bacia do Rio Doce sem participação dos atingidos

Romeu Zema (Novo-MG) e Renato Casagrande (PSB) anunciam apoio a acordo de repactuação que favorece interesses de mineradoras Vale, BHP e Samarco

| Publicado 26/08/2021 por Coletivo de Comunicação do MAB ES

Assembleia Legislativa do Espírito Santo realiza audiência sobre o Rio Doce

A audiência pública “Novo acordo do Rio Doce e seus reflexos no Espírito Santo” tratou do processo de reparação dos danos causados pelo rompimento da Barragem do Fundão, em Mariana (MG) há quase seis anos

| Publicado 16/06/2021 por Observatório Rio Doce

Organizações lançam Observatório e cobram CNJ e STF direito à participação nos acordos sobre o crime da Bacia do Rio Doce

Passados quase 6 anos desde o rompimento da Barragem do Fundão em Mariana (MG), movimentos sociais, iniciativas acadêmicas e associações de juristas fazem pressão para que a Vale cumpra acordos para reparação integral dos danos causados em um dos maiores crimes socioambientais do país.