NOTA do MAB | Sobre os três meses do rompimento da barragem de Aurizona (MA)

Mais de 1000 famílias foram diretamente atingidas com o rompimento de uma barragem de responsabilidade da mineradora Equinox Gold, que segue sem cumprir os acordos com os atingidos.

Hoje, 25 de junho, completam-se três meses do rompimento da barragem de rejeitos de mineração, de responsabilidade da empresa Equinox Gold, no distrito de Aurizona, em Godofredo Viana (MA). Com o rompimento, a Lagoa Pirocaua e o reservatório de água Juiz de Fora, que abastece o distrito de Aurizona, foram totalmente contaminados pelos rejeitos da mineração, o que vem causando diversos impactos para a população e para o meio ambiente. Desde o rompimento da barragem, os atingidos seguem organizados denunciando os abusos sofridos em reuniões com órgãos públicos, parlamentares, parceiros internacionais. Além disso, a população segue fazendo tentativas de diálogo com a empresa para que as pautas emergenciais dos atingidos sejam atendidas. 

Entre as consequências da ruptura da barragem, está a devastação do Rio Tromaí e a contaminação do reservatório de água que abastece o distrito de Aurizona (pertencente ao município de Godofredo Viana-MA)

Entenda o caso

A barragem que se rompeu no distrito de Aurizona está situada em meio a maior reserva mineral de ouro do Brasil, que também é uma das maiores no mundo. A empresa canadense, responsável pela barragem, também atua em vários outros estados brasileiros, bem como em outros países, como os Estados Unidos e México. Entre as graves consequências da ruptura da barragem, está a devastação do Rio Tromaí e a contaminação do reservatório de água Juiz de Fora.

Com a contaminação, as famílias que dependiam do reservatório para o abastecimento de água se encontram agora sem alternativas de acesso a esse recurso fundamental. O rompimento é mais um dos crimes provocadas pela mineradora, que opera há mais de 10 anos na região com diversas barragens e minas para a extração de ouro, o que tem causado graves impactos socioambientais para toda a população local, aproximadamente quatro mil pessoas.

A data de hoje, portanto, é um triste marco depois de três meses, durante os quais a população não teve acesso à água potável de qualidade. Vale reforçar que a empresa não tem oferecido à comunidade atingida a necessária assistência. A água oferecida pela Equinox Gold, além de não ser suficiente para o abastecimento de todas as famílias atingidas, também não cumpre os requisitos básicos para o consumo doméstico. Além disso, a distribuição emergencial feita pela empresa se dá apenas em alguns pontos específicos da comunidade, dificultando o acesso já insuficiente.

A empresa tem reafirmado que o abastecimento está sendo reestabelecido, porém, isso não é confirmado pela população. Há também relatos de moradores que, após o consumo da água fornecida pela empresa, apresentaram problemas de saúde como coceiras, irritações na pele e dores estomacais. As imagens compartilhadas pelos moradores revelam a má qualidade da água de coloração escura que sai de suas torneiras do distrito, visivelmente um indício do descaso e desumanidade com os quais as famílias têm sido tratadas pela mineradora.

Água que tem chegado na torneira da população do distrito de Aurizona, em Godofredo Viana (MA)

A organização dos atingidos 

Desde o dia 25 de março, a população atingida segue organizada e vem travando importantes lutas para garantir a proteção dos seus direitos. Diante do rompimento da barragem, a comunidade se viu obrigada a dar início a uma agenda de lutas pelos direitos usurpados pela Equinox Gold. Alheia às necessidades da população local, a mineradora não oferece respostas ou soluções efetivas para os problemas decorrentes de suas próprias atividades. 

Mesmo após ter sido notificada judicialmente com a demanda de reestabelecer integralmente o fornecimento de água potável da comunidade, a empresa não o fez. Por isso, a única alternativa que a população encontrada foi a organização popular. Unidos, os moradores tem denunciado as violações sofridas desde o rompimento. Vale ressaltar que em um desses momentos de luta houve a prisão arbitrária de duas lideranças locais. As atingidas foram ilegalmente levadas pelas forças policiais enquanto participavam de um ato pacífico contra os abusos da Equinox Gold.

Mesmo com o reconhecimento por parte de órgãos públicos dos abusos praticados pela mineradora, o clima na comunidade é de insegurança diante do poder da multinacional, pois, além dos direitos já perdidos, os moradores que estão em luta temem maiores represálias por buscarem seus direitos. 

O que os atingidos reivindicam

As famílias atingidas, que há anos sofrem com os efeitos da mineração na região de Godofredo Viana, hoje se veem em uma situação gravíssima que é a falta de água para consumo humano, além da falta de segurança, informação e participação dos atingidos nos processos de negociações para reparação de direitos desta população.  

Em pauta construída com os atingidos, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) destaca os pontos emergenciais que durante esses 3 meses ainda não foram cumpridos pela empresa: 

  1. Direito à água potável – imediata resolução do problema da falta de acesso pleno à água potável para as todas famílias residentes do distrito de Aurizona; 
  2. Imediata distribuição de galões água mineral potável e segura, por parte da mineradora, para toda a população atingida de Aurizona-MA;
  3. Direito à informação – acesso aos laudos técnicos preliminares sobre a análise da água da região e de todos os impactos sociais e ambientais e informação sobre os reais riscos de novos crimes;
  4. Direito à segurança dos atingidos;
  5. Direito à participação – garantia de abertura de um processo amplo de negociação da empresa mineradora com os atingidos, MAB, comissão, governo municipal, governo estadual e demais órgãos competentes.

Nesse marco de três meses do rompimento da barragem da Equinox Gold, o MAB denuncia que ainda não houve reparação dos direitos da população atingida por esse crime. As violações de direitos humanos seguem perpetuando no distrito e em todo o município de região de Godofredo Viana. Enquanto isso, a mineradora continua exercendo sua exploração mineral, aumentando seus lucros e a população segue padecendo sem acesso à água e sofrendo com uma série de violações de direitos fundamentais.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 27/07/2021 por Coletivo de Comunicação MAB MA

Relatório aponta impactos causados pelas atividades da mineradora Equinox Gold na comunidade de Aurizona, em Godofredo Viana (MA)

Documento do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos do Maranhão revela os prejuízos da atuação da mineradora para a saúde física e mental dos atingidos, além dos impactos socioambientais deixados pelas atividades da MASA Aurizona, de responsabilidade da empresa canadense Equinox Gold

| Publicado 20/04/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Maranhão

Em visita a Aurizona, MAB cobra agilidade da empresa no atendimento emergencial aos atingidos pelo rompimento

Nas reuniões realizadas com representantes dos órgãos oficiais, o tema considerado central é a construção de uma pauta emergencial que atenda as reivindicações dos atingidos, como o abastecimento de água de qualidade e o asfaltamento da estrada que liga o distrito ao município de Godofredo Viana

| Publicado 01/04/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Maranhão

CNDH notifica Equinox Gold para esclarecimentos sobre rompimento em Aurizona, no Maranhão

Órgão manifesta preocupação sobre violações de direitos, após rompimento de barragem Godofredo Viana