CNDH notifica Equinox Gold para esclarecimentos sobre rompimento em Aurizona, no Maranhão

Órgão manifesta preocupação sobre violações de direitos, após rompimento de barragem Godofredo Viana

MAB-MA

O Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) enviou um oficio nesta terça-feira (30) no qual manifesta extrema preocupação e solicita informações sobre a denúncia recebida de contaminação do Rio Tromaí.

Além da contaminação, a falta de acesso à água potável e o isolamento de moradores da comunidade Aurizona, que fica no município de Godofredo Viana, também preocupam o conselho.

Os transtornos aconteceram em decorrência do rompimento de uma barragem de responsabilidade da Mineração Aurizona S/A, vinculada à empresa canadense Equinox Gold, na semana passada.

Por meio de um documento publicado pelo CNDH, instaurou-se um procedimento para acompanhar a questão, atuando no monitoramento e fiscalização de lesões aos Direitos Humanos no caso.

Em oficio, o CNDH solicitou que a empresa enviasse esclarecimentos sobre o rompimento no prazo de até cinco dias, dada a urgência do caso.

Estão dentre as solicitações:

  • Plano de Segurança de Barragens, devidamente atualizado;
  • Plano de Ação de Emergência (PAE);
  • Informações atualizadas dos últimos três meses dos registros dos níveis de contaminação do solo e do lençol freático na área de influência do reservatório.

Também foi solicitado que a empresa Equinox Gold preste informações e comprove a adoção de medidas em relação às causas do rompimento da barragem sob sua responsabilidade, os impactos ambientais decorrentes do rompimento, as medidas de prevenção contra novos casos, ações para evitar o agravamento sanitário decorrente da pandemia, garantia imediata do fornecimento de água potável para todos os moradores e a viabilização do acesso à estrada que liga a região a outros municípios, evitando o isolamento da comunidade. 

Na manhã desde quarta-feira (31), o Movimento dos Atingidos por Barragens, Conselho Nacional de Direitos Humanos, o Conselho Estadual de Direitos Humanos, a Justiça nos Trilhos, a Defensoria Pública do Maranhão e os moradores da comunidade Aurizona, atingida pelo crime da mineradora Equinox Gold, estiveram reunidos e demonstraram preocupação com a situação das famílias no Distrito de Aurizona.

MAB-MA

O Conselho Estadual de Direitos Humanos-CEDH também solicita respostas da empresa Equinox Gold, que respondeu somente com uma nota por email. O conselho ainda ressalta que um ofício foi enviado ao Procurador Geral de Justiça, Secretaria Estadual de Meio Ambiente – SEMA e Defensoria Pública, solicitando de investigação e esclarecimento do caso.

No momento, os atingidos denunciam a falta de água potável e outros problemas causados pela mineradora.

“Em algumas casas, chegou água, mas a água tem chegado com cheiro forte e causado coceiras na pele das pessoas. O rompimento acabou com a lagoa do Cachimbo e a lagoa Juiz de Fora que, além de reservatórios de abastecimento de água da comunidade, era também o nosso ponto turístico. A única coisa que tínhamos na região era água em abundância, e agora até a água a empresa tirou de nós. As notas [da empresa] são mentirosas, não são justas, as reuniões com a empresa não resolvem” conta Jonias Pinheiro, atingido pelo crime da Equinox Gold.

“A mineração já vem conflito com a comunidade há muito tempo. Eles estão colocando a gente contra o povo. As lideranças têm sofrido ameaças constantes por estarem denunciando e cobrando os seus direitos. A população do distrito de Aurizona está à mercê de novos crimes socioambientais, riscos de deslizamentos e até novos rompimentos se as autoridades não tomarem providências cabíveis neste momento” alerta Pinheiro.

 “O MAB acompanha casos parecidos em todo o Brasil e a prática das mineradoras como a Equinox Gold são recorrentes em vários lugares do país e do mundo. A empresa não tem desculpas, tenta dominar o discurso de que não houve rompimento, pois pra ela é ruim dizer ‘rompimento de barragem’, mas ela tem que agir se antecipando dos problemas. A empresa não traz desenvolvimento e precisa reparar a população e a área.” relata, Josivaldo Oliveira da Coordenação Nacional do MAB.

Portanto, o Movimento dos Atingidos por Barragens continua na luta em defesa dos direitos dos atingidas denunciando que crimes como este estão relacionados diretamente ao modelo energético e mineral que colocam o lucro acima da vida.

O movimento defende a imediata reparação dos direitos das famílias por parte da empresa, e reivindica providências e atuação das autoridades estaduais e federais que cumpram o seu dever de zelar pelos direitos das populações atingidas por barragens.

*com informações do CNDH

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 30/03/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Campanha arrecada doações para atingidos em Godofredo Viana (MA); contribua

MAB organiza campanha de solidariedade para que as famílias afetadas com rompimento da barragem possam ter uma ajuda emergencial em itens básicos como alimentação, água e kits de higiene

| Publicado 09/04/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Maranhão

MAB cobra reparação aos atingidos de Aurizona (MA) em diálogo com Secretaria de DH do estado

O Secretário da SEDIHPOP, Chico Gonçalves, se solidarizou com a problemática e a luta dos atingidos em Aurizona e informou que o governo do estado do Maranhão está tomando providências cabíveis para atender as necessidades urgentes da população

| Publicado 30/03/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Com rio Tromaí poluído, famílias seguem sem ajuda após rompimento no Maranhão

Uma semana após evento em Godofredo Viana, empresa Equinox Gold nega rompimento de barragem e continua sem reparar situação básica de sobrevivência da população