MAB se reúne com Casa Civil do governo do ES para discutir novos acordos de reparação do crime da Bacia do Rio Doce

Samarco, Vale e BHP Billiton tentam novo acordo com o governo sobre reparação de danos de crime que destruiu cerca de 670 km de extensão do Rio Doce e parte do litoral do estado do Espirito Santo há quase seis anos.

Reunião de integrantes do MAB com representantes do governo do Espírito Santo

Nesta segunda-feira, dia 14 de junho, o Movimento de Atingidos por Barragens (MAB) se reuniu com o secretário da Casa Civil do governo do Espírito Santo, Davi Diniz, para discutir as demandas dos atingidos em relação aos novos acordos que vem sendo costurados pela mineradora Vale com o governo para em relação à reparação do crime ocorrido em Mariana há seis anos.

Participaram da reunião a advogada Mariana Sobral, da Defensoria Pública, o deputado Hudson Leal o o vereador Leandro Paranaguá, de Conceição da Barra (ES), que é coordenador estadual do MAB e outros integrantes do Movimento.

Estes novos acordos propostos pela mineradora têm sido chamados de repactuação e já se encontram em estágio avançado. São acordos construídos junto aos governos estaduais de Minas Gerais e Espírito Santo, ao governo federal, ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF), na figura do ministro Luiz Fux.

Durante a reunião com o secretário David Diniz, os representantes do MAB apresentaram suas propostas para a repactuação relacionadas a questões referentes à saúde, ao fundo social, à participação das mulheres no processo de reparação e à proposta de um programa de transferência de renda que assista a população em vulnerabilidade social e insegurança alimentar.

Também foi abordada a questão da retomada produtiva, em especial da pesca, que acumula graves prejuízos desde 2015. Ainda hoje, passados quase seis anos do crime, parte do setor ainda não foi indenizada e o orçamento da fundação Renova para o programa de retomada produtiva não teve sequer 10% executado.

Tanto o deputado Hudson Leal quanto o vereador Leandro Paranaguá são ligados à pesca e reforçaram a necessidade do um olhar especial para a cadeia produtiva que é associada ao setor e envolve desde mecânicos e marceneiros à descarregadores, beneficiadores e comerciantes. Estes profissionais que também amargam prejuízos até hoje não foram indenizados. Também não foi criada uma política específica de indenização por parte da Fundação Renova.

A questão da saúde dos atingidos foi enfatizada pelo deputado Hudson Leal que também é médico, e fez um apelo para que a repactuação encontre formas de que os fundos que possam ser criados atendam também as inúmeras demandas de saúde por parte das comunidades atingidas.

Durante a reunião o secretário da Casa Civil se comprometeu a se reunir com a equipe técnica que vem acompanhando a repactuação pelo governo do Espírito Santo e dar um retorno às demandas do movimento nas próximas semanas.

O MAB aproveitou a oportunidade e apresentou também a proposta da PEAB, a Política Estadual de Atingidos por Barragens, que cria mecanismos legais de garantia dos direitos dos atingidos, para que não reine a confusão e as soluções improvisadas na hipótese de um novo crime deste tipo atingir o território do Espírito Santo.

“Com paciência, humildade e muita determinação, vamos galgando os obstáculos que estão entre os atingidos e a reparação integral dos danos causados pelas criminosas Vale Samarco e BHP à economia doméstica, ao convívio social nas comunidades e aos modos de vida interrompidos pelo maior crime ambiental da História do País”.

Águas para a vida!

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 18/08/2021 por Coletivo de Comunicação do MAB ES

Deputado Hudson Leal faz apelo por reparação para toda a cadeia da pesca atingida pelo crime da Bacia do Rio Doce

Na próxima terça, 24, MAB participa de audiência em Assembleia Legislativa do Espírito Santo para expor situação de atingidos que ainda não foram indenizados depois de quase 6 anos

| Publicado 09/12/2020 por Brasil de Fato - MG

Brumadinho: terceira audiência entre Vale, governo de Minas e Justiça termina sem acordo

Cerca de mil atingidos realizaram uma manifestação em frente ao tribunal para reivindicar participação na negociação

| Publicado 15/04/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Minas Gerais

No rio Doce, atingidos organizam petição online para evitar “quitação geral” e pedem programa de transferência de renda

Pedido é para que Romeu Zema (Minas gerais) e Renato Casagrande (Espírito Santo) acolham demandas dos atingidos dentro dos novos acordos anunciados com participação do Supremo Tribunal Federal (STF)