Pará: Organizações vão ao Ministério Público contra privatização da água em Brasil Novo

Movimentos sociais tentam barrar processo autoritário de privatização da água em município da Transamazônica

Logo que assumiu a prefeitura municipal de Brasil Novo (PA), o prefeito Weder Makes Carneiro “Pirica” (MDB) encaminhou para a Câmara Municipal o projeto de lei n°02/2021 que visava privatizar a água da área urbana e agrovilas do município.

Por unanimidade, os vereadores aprovaram privatização da água. Todo esse trâmite não contou com debates públicos, mesmo que virtuais, para que a população fosse consultada.

“O prefeito e os vereadores não levaram em consideração uma série de legislações nacionais e municipais que preveem o controle social dos serviços de saneamento básico, eles também não consideram que em
meio a maior pandemia vivida no último século, nesse momento a água se torna um bem mais essencial ainda”, afirma Sandra Ribeiro, da coordenação do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) em Brasil Novo.

Diante dessa atrocidade, os movimentos populares de Brasil Novo e região se mobilizaram e elaboraram um documento denunciando essa situação. No documento, os movimentos solicitam que o Ministério Público entre com ação para suspender os efeitos da aprovação do projeto de lei 02/2021, até que seja realizada uma Conferência Municipal de Saneamento. Além disso, cobram a implantação de um Conselho Municipal de Saneamento, nos moldes determinados pela Lei Municipal no 198/2015.

Os representantes dos movimentos populares de Brasil Novo foram recebidos pela promotora Juliana Félix que se comprometeu em analisar o documento e analisar se há constitucionalidade na privatização abrupta da água de Brasil Novo.

O que está ocorrendo em Brasil Novo é decorrência do novo marco regulatório do saneamento, aprovado pelo Congresso no ano passado. Pela nova lei, as empresas privadas são privilegiadas para receber a concessão do serviço, em detrimento das empresas públicas. A tendência é que se repita o que ocorreu, na década de 90, com o setor elétrico: a privatização aumentou as tarifas para a população, não melhorou a qualidade e a universalização do acesso continuou dependendo de investimentos públicos.

A frente contra a privatização da água em Brasil Novo é composta pelas seguintes organizações: Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Associação Comunitária de Informação de Brasil Novo, Casa de Educação Popular, Conselho Comunitário da Agrovila Carlos Pena Filho, Consulta Popular, Frente Brasil Popular, Juventude Socialista e Levante Popular da Juventude.

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 08/07/2020 por Brasil de Fato

Bolsonaro veta acesso facilitado a água para indígenas na pandemia

Presidente sancionou, com 16 vetos, o Plano Emergencial contra Covid-19 em territórios indígenas

| Publicado 22/06/2020 por Leonardo Fernandes / Comunicação MAB

Atingidas na Amazônia denunciam ameaças para relatora da ONU

Mary Lawlor, relatora da Organização das Nações Unidas, ouviu defensoras dos direitos humanos militantes do MAB que estão ameaçadas por grandes empreendimentos na Amazônia

| Publicado 12/05/2020

Mineração no rastro das hidrelétricas do Alto Tapajós

Na terceira matéria da série ‘A morte anunciada de um rio’ sobre as ameaças na região do rio Teles Pires, localizada no Alto Tapajós, abordamos a relação estreita entre mineradoras e os empreendimentos hidrelétricos