No Rio Grande do Sul, MAB afirma que privatizar a CEEE é um ataque contra povo gaúcho; leia a nota

Governo Leite quer privatização da Companhia Estadual de Energia Elétrica do Rio Grande do Sul até fevereiro do ano que vem; MAB é contra

A entrega da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) pelo governo gaúcho para as empresas privadas segue a passos largos. No dia 8 de dezembro, foi publicado o edital de privatização do braço de Distribuição da Companhia (CEEE-D) no Diário Oficial do Rio Grande do Sul.

O Movimento dos Atingidos por Barragens vem a público para rechaçar toda e qualquer iniciativa de privatização da CEEE, que significa uma negociata do governo de Eduardo Leite e do governo de Jair Bolsonaro contra o povo deste estado.

Denunciamos que, mesmo em meio a uma pandemia e com o recente apagão no estado do Amapá, fruto do modelo privatista do setor elétrico brasileiro, o cronograma de leilão foi apresentado e a previsão de entrega de nosso grande patrimônio energético, ainda público, é para o dia 3 de fevereiro de 2021.

O fato é que o caminho escolhido pelo governo Leite será extremamente nocivo e prejudicial ao povo, pois trará aumentos ainda mais abusivos na conta de luz, nos lesando duplamente, já que as 13 hidrelétricas de propriedade da CEEE-Geração e Transmissão (CEEE-GT), também previstas para leilão, já foram pagas pelo povo gaúcho no decorrer das últimas décadas através da tarifa de energia.

Agora, que temos a possibilidade de diminuição dos custos, o governo quer entregar nossos patrimônios para quem só almeja o lucro.

Como referência, se atualmente a energia produzida pelas usinas da CEEE é vendida, em média, por R$ 60 para cada 1 mil quilowatt/hora (kW/h), após a privatização, o preço será alterado e a energia será vendida pelo preço de mercado, que gira em torno de R$ 300,00 para cada 1 mil kW/h.

O MAB já alertou anteriormente que o aumento da energia prejudicará também a retomada da economia e a geração de empregos no período pós-pandemia e que a privatização segue na contramão do que é necessário fazer para que nosso povo não seja mais submetido à situação de miséria e desemprego.

Cabe lembrar que, além das 13 usinas, que representam cerca de 15% do potencial hidrelétrico instalado no estado, o plano é privatizar também os mais de 6.300 km de linhas de transmissão pertencentes à CEEE-GT. Já a CEEE-D é responsável por distribuir energia diretamente a mais de 4 milhões de consumidores, e teve seu edital de venda lançado nesta semana.

Por isso denunciamos que as medidas em curso são crimes contra nosso patrimônio público estratégico e contra nossa soberania energética.

E, para lutarmos contra esse crime de lesa-pátria, convocamos toda a população gaúcha a se somar em defesa de uma CEEE pública e em defesa de tarifas justas de energia elétrica, algo que só uma empresa estatal consegue garantir.

ÁGUA E ENERGIA NÃO SÃO MERCADORIAS!

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 31/03/2021 por Movimento dos Atingidos por Barragens

“É um ataque de Leite e Bolsonaro contra o povo gaúcho”, afirma MAB sobre venda da CEEE

A venda da CEEE vai impactar o povo gaúcho com aumentos abusivos nas contas de luz e risco de apagões, e deve prejudicar a retomada da economia no pós-pandemia

| Publicado 05/08/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens - Rio Grande do Sul

Nota pública: Governos Leite e Bolsonaro parem a privatização da CEEE!

Em nota pública, 42 organizações se posicionam contrárias ao processo de privatização da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) e exigem a imediata suspensão da Consulta Pública Nº 039/2020 da ANEEL, por considerarem esse processo um crime de lesa pátria, com graves danos ao povo gaúcho e ao interesse público