Empresa Norflor é responsável por contaminação de nascente no município de Josenópolis/MG

Geraizeiros denunciam a poluição das nascentes provocadas pela empresa de plantios de eucalipto

Moradores da comunidade Corralim, no município de Josenópolis, norte de Minas Gerais, denunciam contaminação em nascente causada pela Empresa Norflor Empreendimentos Agrícolas. A empresa possui extensos plantios de eucalipto na região de Josenópolis, Padre Carvalho e Grão Mogol, além de uma carvoaria na região.

Para irrigar mudas de eucalipto, molhar estradas e usar na carvoaria, a empresa retira água das nascentes para transportar em caminhões pipas. O óleo diesel que vaza dos caminhões escorre e contamina o solo e a água, que de acordo com os moradores, ficam notáveis as manchas e mudança na coloração da água. Além dos impactos hídricos, o óleo traz prejuízos aos animais e plantas que se encontram ali. 

Manchas de óleo na água

Além da contaminação, a Norflor colocou cercas em torno da nascente para que os animais dos Geraizeiros criados soltos nas chapadas, não bebem a água do riacho. Isso impacta diretamente no modo de vida dos povos tradicionais do cerrado que possui práticas e culturas historicamente enraizadas em suas comunidades, e é prova de que a empresa não respeita a natureza e a cultura dos Geraizeiros.

Vegetação que esteve em contato com óleo está seca, do outro lado a vegetação que não esteve em contato com óleo, ainda está verde.

Segundo José Valdo da Silva, geraizeiro e morador da comunidade Corralim, os moradores também sofrem com escassez de água.  “Antes era muita água, havia uma represa muito grande, hoje se encontra só um pouquinho d’água, tinham umas cachoeiras em baixo da represa, aí depois que eles plantaram o eucalipto, acabaram com a água, e o pouco que ainda tem, eles estão poluindo” relatou. 

Para Valdeir Viana da Silva, geraizeiro e militante do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) na região, afirma que foi feita a denúncia na polícia ambiental e na Promotoria de Justiça da comarca de Grão Mogol, sobre a poluição e cercamento das nascentes, mas ainda não tiveram retorno. Os moradores dizem que não procuraram a prefeitura e demais órgãos de Josenópolis, pois estes estão a serviço da empresa e não do povo.

O MAB afirma que poluir nascente ou qualquer outro recurso hídrico é crime contra a vida humana e a natureza e a empresa, em sua atitude irresponsável, coloca em risco a saúde do povo que utiliza a água para suas atividades básicas. A vida deve estar sempre acima do lucro!

Vegetação seca e manchada pelo óleo

Conteúdos relacionados
| Publicado 03/07/2020 por Movimento dos Atingidos por Barragens

Trabalhadores conquistam continuidade na isenção da Tarifa Social de Energia

Governo Federal anuncia a prorrogação da Medida Provisória 950/20 por mais 60 dias

| Publicado 11/06/2020

Atingidos distribuem mais de 500 cestas básicas no Amapá



O MAB no Amapá vem organizando as comunidades atingidas e lutando por reconhecimento de direitos e compensações, pelas mortes de peixes consequências dos empreendimentos hidrelétricos no rio Araguari, no município de Ferreira Gomes

| Publicado 11/06/2020

Lutar não é crime: atingidos e atingidas em defesa dos direitos humanos!

Decisão obtida pela Vale determina proibição de manifestações nas vias de acesso à Brumadinho

| Publicado 23/07/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Geraizeiros: cultura, resistência e lutas no Cerrado mineiro

Conhecidos como guardiões do Cerrado, os povos Geraizeiros do norte de Minas, lutam e resistem para poderem reproduzir cultura e modos de vida

| Publicado 25/08/2020 por Brasil de Fato

Bolsonaro veta socorro financeiro para agricultores familiares durante a pandemia

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vetou quase integralmente a proposta que prevê um auxílio financeiro aos agricultores durante a pandemia de covid-19. O recurso seria repassado para os produtores que não receberam o auxílio emergencial.

| Publicado 27/07/2020 por Coletivo de Comunicação MAB MG

Relato de um geraizeiro: a luta por manter viva uma identidade

Adeilson Ferreira Agostinho, Comunidade Água Boa II, em Rio Pardo, fala da luta para manter viva a cultura de sua comunidade